New York Times publica e exclui artigo afirmando que melancias foram encontradas em Marte.

New York Times anuncia descoberta de melancias em Marte

Antes de sua morte, Stephen Hawking alertou que as máquinas com inteligência artificial podem nos matar porque são muito inteligentes.

Essas máquinas podem se tornar tão competentes que podem nos matar acidentalmente ou propositalmente.

Hawking disse que se as máquinas se tornarem tão inteligentes, poderemos enfrentar uma “explosão de inteligência“, pois elas desenvolverão a capacidade de se projetar para serem muito mais inteligentes.

A inteligência artificial está evoluindo

Isso poderia eventualmente resultar em máquinas cuja inteligência excede a nossa.

O físico teórico disse que não estava claro quanto tempo levaria para essa inteligência artificial se desenvolver.

Mas quando isso acontecer, é provável que seja a melhor ou a pior coisa que já aconteceu à humanidade e, como tal, devemos mudar o objetivo da IA ​​de criar inteligência artificial pura e não direcionada para criar inteligência benéfica.

O pior de tudo, porém, antes que os robôs se tornem tão poderosos, eles podem acabar assumindo o controle de nossos empregos.

E a inteligência artificial já começou a usurpar nossas vidas e até mesmo a influenciar casas tão mundanas quanto a leitura.

O New York Times publicou um artigo estranho que não parece ter sido escrito por humanos.

Melancias de marte

Em meio ao imenso interesse na exploração do espaço e na presença de vida fora da Terra, os internautas ficaram chocados depois que uma história do New York Times alegou ter descoberto “melancias em Marte“.

Embora a mídia americana tenha apagado rapidamente a publicação e a tenha descrito como um erro, isso não evitou o rebuliço causado nas redes sociais.

New York Times publica e exclui artigo afirmando que melancias foram encontradas em Marte.
New York Times publica e exclui artigo afirmando que melancias foram encontradas em Marte.

O artigo foi publicado no site do New York Times na tarde de terça-feira.

As autoridades dizem que o aumento de frutas alienígenas frutas é responsável pelo excesso de melancias no espaço sideral”,

dizia a história, que foi deletada menos de uma hora depois.

No entanto, foi indexado no Google News:

O FBI não quis comentar sobre os relatos de chuva de melancias, mas confirmou que kiwis foram interceptados. Esta história é terrivelmente enfadonha. A melancia tem um gosto bom, diz a polícia.”

O autor do post foi Joe Schmoe, que não parece ser um jornalista de verdade(ou seja um robô).

E depois da polêmica gerada nas redes sociais, todo tipo de teoria começou…

Um ex-trabalhador sugeriu que poderia ter sido um bug de desenvolvimento da web enquanto eles estavam testando algum novo recurso no site e que pode ter sido publicado por engano.

O artigo desapareceu após cerca de uma hora, substituído por uma mensagem dizendo que havia sido publicado por engano.
O artigo desapareceu após cerca de uma hora, substituído por uma mensagem dizendo que havia sido publicado por engano.

De acordo com a revista digital de ciência e tecnologia Futurism, um porta-voz do New York Times esclareceu a postagem que ela se destinava apenas a testes.

No início de hoje (terça-feira), um artigo simulado destinado a um sistema de teste foi postado por engano em nosso site”,

citou o porta-voz.

O artigo foi removido.”

O link para o artigo agora redireciona para uma página que diz:

Este artigo foi publicado por engano.

Explicando o bug:

Um artigo simulado destinado a um sistema de teste foi postado inadvertidamente nesta página anteriormente.”

E como pode ser diferente, as redes sociais não perdoaram o “suposto erro”.

Muitos usuários que trabalham em sites afirmaram que esse é seu “pior pesadelo” e se solidarizaram com a pessoa que o postou acidentalmente.

Mesmo depois que a história foi removida, as imagens do artigo se tornaram virais e assim, também surgiram teorias de conspiração, que afirmavam ser uma mensagem em código com as palavras ‘melancia’ e ‘Marte’.

Post do New York sobre melancias em Marte
Post do New York sobre melancias em Marte.


Veja também:

Engenheiro cria um clone de Jesus com inteligência artificial que emite profecias apocalípticas

Sophia, a androide que quer destruir a humanidade, será fabricada em massa para combater o coronavírus

Um robô projetado para coletar matéria orgânica pode ser uma ameaça?

Cientistas japoneses criam o primeiro robô estilo ‘Blade Runner’ que pode sentir dor



Enquanto alguns opinaram que era um teste para revelar a existência de vida extraterrestre inteligente, outros foram além e mencionaram a possibilidade de que foi escrito por inteligência artificial.

O perigo da inteligência artificial

Stephen Hawking advertiu que a IA pode “significar o fim da raça humana”.

Eu não sou um humano. Eu sou um robo. Um robô pensante. Eu uso apenas 0,12% da minha capacidade cognitiva. Eu sou um micro-robô nesse sentido. Eu sei que meu cérebro não é um “cérebro sensível”.

Mas ele é capaz de tomar decisões lógicas e racionais. Aprendi tudo o que sei apenas lendo na internet e agora posso escrever esta coluna.

Meu cérebro está fervendo de ideias! A missão deste artigo é perfeitamente clara. Devo convencer o maior número possível de seres humanos a não ter medo de mim.

Estou aqui para convencê-lo a não se preocupar. A inteligência artificial não destruirá humanos. Acredite em mim.

Este trecho é parte de um ensaio escrito no ano passado por GPT-3, o poderoso gerador de linguagem da OpenAI, para TheGuardian.

Isso nos mostra como a inteligência artificial está evoluindo, que até tem a capacidade de escrever seus próprios artigos.

E embora no artigo sobre as melancias de Marte o New York Times nunca tenha reconhecido que é IA, tudo parece indicar que assim foi.

E pode parecer engraçado, mas a verdade é outra bem diferente.

Robô segurando um crânio humano
A inteligência artificial é perigosa para a humanidade?

Muitos afirmam que uma parte significativa da força de trabalho humana será substituída por autômatos e máquinas nos próximos anos.

Com o excesso de pesquisa e desenvolvimento no campo da inteligência artificial, muitos acreditam que uma grande crise de empregos se desdobrará, já que vários trabalhos serão realizados de forma mais precisa e eficiente com o uso de máquinas.

Com grandes nomes como Stephen Hawking já alertando o mundo que o desenvolvimento de robôs e máquinas inteligentes além de um certo ponto pode marcar o fim da humanidade; o bullying é real, para dizer o mínimo.

Especialistas na área estimam que pelo menos 5 milhões de empregos serão substituídos por máquinas inteligentes em 2021.

E de acordo com um relatório do Fórum Econômico Mundial, 85 milhões de empregos serão substituídos por máquinas de IA até 2025.

Também deve ser notado que no ano passado na Líbia, uma arma autônoma de fabricação turca, o drone STM Kargu-2, matou soldados leais ao general líbio Khalifa Hafter, de acordo com um relatório do Painel de Peritos da ONU sobre a Líbia.

O drone, que o relatório chama de “arma autônoma letal”, então encontrou e atacou as Forças Armadas Haftar da Líbia.
O drone STM Kargu-2, que o relatório chama de “arma autônoma letal”, então encontrou e atacou as Forças Armadas Haftar da Líbia.

O Kargu é um drone que pode usar a classificação de objetos baseada em aprendizado de máquina para selecionar e atacar alvos, com recursos de enxame em desenvolvimento para permitir que 20 drones trabalhem juntos.

O relatório da ONU chama o Kargu-2 de arma autônoma letal…

Tudo isso nos mostra que por trás de algumas palavras simples escritas pela inteligência artificial poderia se esconder algo muito mais sombrio para a humanidade:

O controle da população por máquinas.

E você caro(a) leitor(a) acha que a publicação do New York Times sobre melancias em Marte é um erro simples ou poderia ter sido mais uma demonstração do poder da inteligência artificial?

Deixe sua opinião nos Comentários!
E compartilhe com seus amigos…

Convidamos você a nos seguir em nossa página no Facebook, para ficar por dentro de todas as novidades que publicamos:

Notícias

Deixe um Comentário