Cientistas japoneses criam o primeiro robô estilo ‘Blade Runner’ que pode sentir dor

Trinta e oito anos atrás, um filme revolucionou o mundo da ficção científica.

Dirigido por Ridley Scott e interpretado por Harrison Ford e Rutger Hauer, Blade Runner é sobre um mundo futurista e deprimente, ambientado no ano de 2019.

Os principais antagonistas de Blade Runner são andróides parecidos com humanos, chamados replicantes que são programados com consciência de seus interesses.

Os replicadores evoluem constantemente a ponto de atingirem o nível de inteligência de suas contrapartes humanas de carne e osso.

Eles foram desenvolvidos pelo Dr. Eldron Tyrell para serem usados ​​como escravos da humanidade. Antes da história de Blade Runner, os replicantes eram proibidos na Terra porque alguns deles atacavam seres humanos.

Para evitar esses comportamentos agressivos, os replicantes foram projetados para ter uma vida útil de apenas quatro anos para evitar que eles tenham tempo suficiente para desenvolver emoções humanas complexas.



Um robô projetado para coletar matéria orgânica pode ser uma ameaça?

É possível que um papa medieval tenha feito o 1º Robô?

Porquê o Japão é Chamado de Pais do Sol Nascente

Japão aprova experimentos híbridos entre humanos e animais usando células-tronco



Blade Runner previu o nosso futuro?

Muitos vão pensar que 2019 já passou e não há carros voando nem replicando robôs Android. Mas a verdade é outra completamente diferente.

Uma equipe de cientistas da Universidade de Osaka, no Japão, desenvolveu um robô do tipo Blade Runner que pode “sentir dor”.

Robôs com sentimentos

Uma equipe de cientistas da Universidade de Osaka, liderada pelo professor Minoru Asada, diz que estamos nos portões de uma sociedade simbiótica, semelhante ao filme Blade Runner.

É verdade que robôs reais não são novidade, mas os desenvolvimentos recentes na equipe de Osaka mostraram um robô que “sente” o sofrimento humano.

O professor Osaka criou ‘Affetto’, que significa “Afeto” em italiano, uma cabeça humana com um sistema de sensor de dor artificial embutido que pode detectar a diferença entre um toque suave e um golpe forte, dando uma resposta facial.

O Afetto, criado inicialmente em 2011, agora reage às cargas elétricas aplicadas à sua pele sintética e faz um gesto de dor visivelmente.

Cientistas japoneses criam o primeiro robô estilo 'Blade Runner' que pode sentir dor

Estamos inserindo um sistema nervoso de toque e dor no robô para que ele sinta e possa entender certas sensações”,

disse o professor Osaka.

E se isso for possível, queremos ver se a empatia e a moral podem surgir. Nosso objetivo é construir uma sociedade simbiótica com robôs artificialmente inteligentes, e um robô que sinta dor é um componente essencial dessa sociedade.”

O professor disse que os robôs podem fornecer assistência emocional e física ao envelhecimento da sociedade japonesa.

Minoru Asada
Minoru Asada

E para controversa questão de saber se poderíamos terminar em um mundo parecido com o Blade Runner, o professor Osaka, que também é presidente da Sociedade de Robótica do Japão, disse que somos muito próximos, mas que há outro problema, a ética.

Ele também explicou que no Japão acreditam que todos os objetos inanimados têm uma alma; portanto, um robô de metal não é diferente de um humano.

Para desenvolver o Affetto, os pesquisadores identificaram 116 pontos faciais diferentes e analisaram os mecanismos necessários para criar expressões faciais distintas.

Inicialmente, os pesquisadores encontraram problemas para equilibrar a força aplicada e ajustar a pele sintética para garantir que o rosto fosse realista.

No entanto, a equipe conseguiu ajustar o sistema e, finalmente, o rosto de Affetto.

Hisashi Ishihara, um dos designers, disse que um corpo mais sensível e expressivo em um robô é a chave para a sociedade simbiótica.

Cientistas japoneses criam o primeiro robô estilo 'Blade Runner' que pode sentir dor

Ele acrescentou que tem certeza de que os humanos um dia criarão robôs quase indistinguíveis de seus criadores.

O novo sistema de dor artificial foi apresentado na reunião da Associação Americana para o Avanço da Ciência deste mês em Seattle.

‘Affetto’ causou alvoroço na comunidade científica, já que alguns prevêem que os robôs colocam em risco empregos em todo o mundo, e não apenas na produção industrial.

Eles alegam que jornalistas robôs, médicos robôs e advogados robôs substituirão os seres humanos. E, como conseqüência, haverá enorme pobreza e instabilidade política.

No entanto, os otimistas prevêem um novo paraíso, onde todos os problemas das relações humanas podem ser superados, tendo uma vida perfeita com companheiros de robôs facilmente substituíveis que atendem às nossas necessidades básicas e aos nossos desejos mais profundos.

E, conseqüentemente, “trabalho” se tornará um conceito antigo.

Mas o verdadeiro perigo ocorrerá quando as máquinas autoconscientes perceberem que compartilham o planeta com os seres humanos.

Eles podiam nos ver da mesma maneira que vemos os insetos, porque os seres humanos são uma espécie instável, cria guerras, possui armas para acabar com o mundo várias vezes.

Cientistas japoneses criam o primeiro robô estilo 'Blade Runner' que pode sentir dor

Embora muito antes de haver uma batalha no estilo Terminator, a verdadeira guerra estará nas mãos de pessoas que constroem e projetam sistemas artificialmente inteligentes com sentimentos.

Esqueça os mísseis e os sistemas de defesa inteligentes: as únicas armas de consequências apocalípticas serão as mentes humanas que os criarão.

E você caro leitor acha que os robôs com sentimentos podem ser uma ameaça a raça humana?

A Chave dos Mistérios Ocultos

Você já tem a chave, mas terás a coragem de abrir?

Comente