Um estudo científico mostra que os humanos têm a capacidade de regenerar partes do corpo com a mente

Um estudo científico mostra que os humanos têm a capacidade de regenerar partes do corpo com a mente

Alguns de nossos primos invertebrados mais próximos, como os Vermes da Bolota (Enteropneusta), têm a capacidade de regenerar perfeitamente qualquer parte do corpo que seja cortada, incluindo a cabeça e o sistema nervoso.

Um estudo científico mostra que os humanos têm a capacidade de regenerar partes do corpo com a mente.

Os humanos têm a maioria dos mesmos genes, então os cientistas estão tentando descobrir se a regeneração humana também é possível.

Pode parecer uma superpotência, mas cada vez mais cientistas acreditam que a regeneração de partes do corpo não só é possível, mas alcançável em humanos.

Afinal, não apenas existem muitos animais que podem fazer isso, mas nós mesmos podemos fazer isso em nossa pele, unhas e pedaços de outros órgãos.

Além do mais, temos muitos genes para isso. E agora os cientistas mostraram que essa habilidade está dentro de todos nós.

Regenerando partes de nossos corpos

Quando humanos sofrem um ferimento como um corte, nosso primeiro instinto é garantir que ele não infeccione. Certificamo-nos de que está limpo e à medida que cicatriza uma cicatriz toma o seu lugar.

As cicatrizes fazem parte da vida, ou pelo menos é o que fomos levados a acreditar, e é a forma como o corpo humano forma uma barreira entre a ferida e o mundo exterior sujo.

Mas e se as cicatrizes não fossem tão úteis quanto todos pensam?
E se as cicatrizes realmente impedirem uma forma ainda mais incrível de cura?
E se os humanos pudessem realmente regenerar partes do corpo?

Pode parecer loucura, mas é exatamente o que os pesquisadores liderados por James Godwin, Ph.D. no MDI Biological Laboratory no Maine, estão tentando descobrir.

Os pesquisadores acabam de publicar um novo artigo na revista científica Developmental Dynamics que enfoca as diferenças entre os mamíferos e uma espécie muito especial de salamandra chamada axolote.

Comumente conhecidas como axolotes, eles estão em sério perigo de extinção, mas ainda existem em cativeiro.

Salamandra Axolotl.
Salamandra Axolote.

Elas são criaturas incríveis com a capacidade única de regenerar uma ampla gama de partes do corpo.

Claro, algumas salamandras e outros lagartos e anfíbios são capazes de regenerar suas caudas, mas o axolote leva essa habilidade ao extremo.

Os axolotes são capazes de regenerar a cauda, ​​a pata e a pele, mas também podem desenvolver novos pulmões, ovários, medula espinhal e até mesmo um cérebro ou coração novo, se necessário.

Ao estudar o que acontece com uma ferida em nível molecular tanto em axolotes quanto em camundongos, que são mamíferos que não têm uma capacidade regenerativa tão forte, os cientistas descobriram algo muito interessante.

Eles descobriram que as células imunológicas que desencadeiam uma resposta após a lesão, chamadas macrófagos, são o elo crítico na exploração da capacidade de um animal de regenerar partes do corpo.

Mais especificamente, o Dr. Godwin mostrou que quando um axolote tinha muito poucas dessas células imunológicas para reagir à lesão, uma parte do corpo que faltava não voltava a crescer e uma cicatriz aparecia em seu lugar.



Veja também:

Mergulhadores descobrem uma esfera translúcida que abriga milhares de filhotes de lula

Mistério Em Cingapura: Enorme Peixe “Pré-Histórico” do Tamanho de um Crocodilo Encontrado Morto

As orcas estão atacando barcos na Espanha e tubarões brancos, o que está acontecendo?



Tanto em camundongos quanto em humanos, os macrófagos causam cicatrizes em vez de regeneração, mas pode ser possível mudar isso.

Nossa pesquisa mostra que os humanos têm um potencial inexplorado de regeneração”,

disse Godwin em um comunicado.

Se pudermos resolver o problema da formação de cicatrizes, podemos desbloquear nosso potencial regenerativo latente. Axolotls não deixam cicatrizes, que é o que permite que ocorra a regeneração. Mas assim que uma cicatriz se forma, o jogo termina em termos de regeneração. Se pudéssemos prevenir as cicatrizes humanas, poderíamos melhorar a qualidade de vida de muitas pessoas.”

Godwin é retratado aqui com um tanque contendo um axolote.
Godwin é retratado aqui com um tanque contendo um axolote.

Investigando ainda mais a resposta imunológica, os pesquisadores descobriram que a sinalização de um tipo específico de proteína parece ser responsável pela resposta específica dos macrófagos.

A equipe descobriu que as respostas em tecido de camundongo e axolote eram “inesperadamente divergentes”, sugerindo que se pudéssemos modificar essa sinalização, poderíamos desencadear a regeneração em tecido de camundongos e, eventualmente, em humanos.

Estamos chegando mais perto de compreender como os macrófagos axolote são preparados para a regeneração, o que nos levará mais perto de sermos capazes de puxar as alavancas da regeneração em humanos”,

explica o Dr. Godwin.

Por exemplo, eu imagino ser capaz de usar um hidrogel tópico em um local de ferida que é atado com um modulador que muda o comportamento dos macrófagos humanos para se parecer mais com os do axolote.”

O poder da mente e da medicina

Embora o Dr. Godwin não mencione especificamente a mente como o precursor da regeneração, atualmente há um debate sobre a possibilidade de que temos a capacidade de manipular tudo ao nosso redor, incluindo nós mesmos, com o simples poder da mente.

Um estudo científico mostra que os humanos têm a capacidade de regenerar partes do corpo com a mente

Por exemplo, em 1986, Henry Bennett estudou 94 pacientes preparados para cirurgia espinhal, que foram ensinados a usar a mente para diminuir o sangue na cirurgia.

Aqueles que fizeram isso perderam 500 centímetros cúbicos de sangue, em comparação com 900 centímetros cúbicos de sangue daqueles que não o fizeram.

Em 1994, Lewis Mehl estudou 100 mulheres grávidas com bebês pélvicos. Sob hipnoterapia, essas mulheres foram encorajadas a confiar em seus corpos e na natureza para retornar seus bebês à posição adequada de cabeça para baixo.

81% dos bebês hipnotizados viraram a cabeça para baixo, em comparação com 48% dos não hipnotizados.

Em 1998, Jon Kabat-Zinn conduziu um estudo de pacientes recebendo fototerapia para psoríase moderada a grave enquanto ouvia o guia de meditação e as instruções para visualizar a luz ultravioleta que retardava a divisão das células da pele.

Quem fez a meditação e as visualizações atingiu o ponto médio de compensação 50% mais rápido do que o grupo controle que só recebeu fototerapia sem meditação e visualização.

A medicina bioquímica não consegue explicar o que acontece nesses casos.

Mudanças no cérebro após a meditação.
Pode haver mudanças no cérebro após a meditação?
Os pacientes com hormônios benéficos como endorfinas e oxitocina, enquanto reduz os níveis de hormônios prejudiciais como cortisol e adrenalina?
As células sanguíneas estão seguindo as ordens da mente de alguma forma?
Os bebês podem ouvir os pensamentos de uma mãe?
As células do sistema imunológico estão correndo para ajudar as células da pele doentes a pedido do guia de meditação?

Sabemos que 18% a 75% das vezes, os pacientes em estudos clínicos respondem ao tratamento com placebo como se estivessem recebendo o medicamento real.

Não quer dizer que alguns pacientes com câncer conseguiram erradicar a doença por meio de manipulação mental. Isso nos mostra que ainda não sabemos até onde vai a capacidade da mente de manipular o corpo.

Embora seja empolgante os avanços deste tipo de pesquisa, temos que analisar a questão da ética em relação a crueldade contra o animal a ser testado, neste caso as salamandras e camundongos.

E você amigo(a) leitor(a) acha que nossa mente tem a capacidade de regenerar partes de nossos corpos?
Deixe sua opinião nos Comentários!
E compartilhe com seus amigos…

Deixe um Comentário