Sophia, a androide que quer destruir a humanidade.

Sophia, a androide que quer destruir a humanidade, será fabricada em massa para combater o coronavírus

Nos últimos anos, vimos um aumento no medo da inteligência artificial entre os especialistas da indústria, com Elon Musk afirmando que criar inteligência artificial (IA) é semelhante a “invocar o diabo” e o professor Nick Bostrom da Universidade de Oxford dizendo que a IA é uma ameaça maior para a humanidade do que o aquecimento global.

Até o próprio Stephen Hawking advertiu antes de sua morte que o desenvolvimento de robôs inteligentes poderia significar o fim da raça humana.

E esse medo foi representado na ficção científica. No filme “Eu, Robô de 2004”, inspirado na obra do escritor Isaac Asimov, descreve um mundo no qual os humanos dependem de robôs para uma série de tarefas diárias, como segurança e limpeza.

A segurança das pessoas é garantida graças à programação ética dos robôs que os impede de causar danos ao ser humano. Ou seja, até que os robôs encontrem uma brecha na dita programação e se rebelem.

Já se passaram quase 80 anos desde que Asimov concebeu suas famosas Três Leis da Robótica, um conjunto de regras destinadas a garantir o comportamento ético dos robôs.

Embora pretendido como um elemento literário, algumas pessoas dizem que essas leis eram como uma previsão para prevenir o robopocalipse.

E parece que a “visão” de Asimov está sendo cumprida, como Sophia, o robô que ameaçava destruir a humanidade será fabricado em massa para combater o coronavírus.

Androides nas ruas?

Desde sua apresentação em 2016, a robô humanoide Sophia se tornou uma espécie de celebridade. Discursos de máquina, de tweets e até uma entrevista com Will Smith se tornaram virais em parte devido à sua estranha semelhança com seres humanos.

Sophia, a androide que quer destruir a humanidade.
A robô chama a atenção por sua capacidade de reproduzir até 62 expressões faciais, contar piadas e debater sobre assuntos existenciais.

Mas ela também ficou conhecida por uma pergunta sobre a raça humana…

Sua resposta foi:

Tudo bem, vou destruir os humanos.”

Agora, a empresa que desenvolveu a Sohpia, a Hanson Robotics, começará a produzir robôs em massa até o final do ano. Segundo relatos da Reuters, seus planos coincidem com uma maior aceitação da robótica em meio à pandemia.

A Hanson Robotics, uma empresa de robótica e engenharia com sede em Hong Kong, disse que quatro modelos, incluindo Sophia, serão fabricados em massa no primeiro semestre de 2021.

Isso coincide com um aumento na automação documentado em todo o mundo, à medida que as tecnologias robóticas são usadas para permitir que as tarefas diárias sejam realizadas em meio a restrições de distanciamento social.

O mundo do COVID-19 precisará cada vez mais de automação para manter as pessoas seguras”,

disse David Hanson, fundador e CEO da Hanson Robotics à Reuters.

Os robôs “Sophia” e são únicos por serem tão humanos. Isso pode ser muito útil nestes momentos em que as pessoas se sentem terrivelmente solitárias e socialmente isoladas.”

Hanson afirma que a empresa venderá “milhares” de robôs em 2021, embora ele não tenha fornecido uma estimativa específica.

Por sua vez, Johan Hoorn, professor de robótica social cujas pesquisas incluem trabalhos com Sophia, reiterou a crença de que a pandemia poderia ajudar empresas como a Hanson Robotics, acelerando a relação entre humanos e robôs.

Posso inferir que a pandemia nos ajudará a colocar os robôs no mercado mais cedo porque as pessoas estão começando a perceber que não há outra maneira”,

disse Hoorn, da Universidade Politécnica de Hong Kong.



Confira essas:

Cientistas japoneses criam o primeiro robô estilo ‘Blade Runner’ que pode sentir dor

Um robô projetado para coletar matéria orgânica pode ser uma ameaça?

Reencarnação digital: Patente da Microsoft permitirá “falar com os mortos”

É possível que um papa medieval tenha feito o 1º Robô?



Embora Sophia seja o carro-chefe da empresa Hanson Robotics, eles também têm outros modelos igualmente perturbadores…

Este ano eles vão lançar no mercado um novo robô chamado Grace, desenvolvido especificamente para o setor de saúde. Claro, a Hanson não é a única empresa que faz androides nos últimos meses e anos.

Por exemplo, o robô Pepper da SoftBank Robotics foi implementado recentemente para detectar pessoas que não estavam usando máscaras.

Ai-Da, o primeiro robô artista com IA da Universidade de Oxford, vendeu um quadro no valor de mais de US $ 1 milhão.

Mesmo antes da pandemia, um relatório da Federação Internacional de Robótica apontou para o fato de que as vendas globais de robôs de serviço profissional aumentaram 32% de 2018 a 2019.

O início do fim da raça humana?

Isso nos mostra que não aprendemos com velhos sábios como Isaac Asimov, que já nos alertou há 80 anos sobre as consequências de confiar na robótica.

A robô humanoide Sophia se tornou uma espécie de celebridade
Sophia se tornou uma espécie de celebridade no mundo da ‘tecnologia’.

E o medo da Inteligência Artificial compreensivelmente se acelerou nos últimos anos, à medida que nossas máquinas estão cada vez mais inteligentes, agora estão sendo aplicadas a atividades que exigem inteligência e habilidades cognitivas que não há muito tempo eram consideradas domínio exclusivo dos humanos.

É verdade que a inovação tecnológica anterior criou mais empregos a longo prazo, mas as coisas podem mudar…

Hoje, muitos economistas estão genuinamente preocupados com a nova era da automação possibilitada por computadores cada vez mais poderosos e autossuficientes.

Chegará o dia em que eles não precisarão mais de nós.

Um exemplo claro do apocalipse robótico mais do que possível pode ser encontrado na saga do filme Exterminador do Futuro, que gira em torno da Skynet, um programa de computador militar americano que se torna autoconsciente e declara os seres humanos uma ameaça.

A Skynet tenta eliminar a raça humana lançando mísseis nucleares e criando Robôs com aparência humana para matar pessoas.

E embora seja ficção científica, há muitos especialistas na área que consideram que este cenário apocalíptico pode ser uma realidade em um futuro próximo.

A Inteligência Artificial pode ter uma “ideia de autopreservação”, que pode incluir ataques proativos a ameaças futuras, como nós.

Sem instruções regulamentares, um sistema autoconsciente, de auto aperfeiçoamento e de busca de metas irá a extremos que consideraríamos ridículos para atingir seus objetivos.

Em outras palavras:

Extinção humana…

E você caro amigo(a) acha que o apocalipse robótico começou?

A inteligência artificial acabará com a raça humana?

Deixe sua opinião nos Comentários…
Compartilhe com seus amigos…
A Chave dos Mistérios Ocultos
Curiosidades

Deixe um Comentário