A ciência nunca viu tal manuscrito em pergaminho.

Manuscritos antigos que revelam eventos ocultos e uma nova perspectiva na história da humanidade

Até hoje, as fontes escritas são as mais informativas de tudo o que o homem antigo já deixou para trás.

Manuscritos antigos que revelam eventos ocultos e uma nova perspectiva na história da humanidade.

Se na maioria dos casos os achados do próximo texto ou inscrição só podem confirmar as informações já conhecidas pelos pesquisadores, então alguns deles são capazes, senão de reverter o discurso científico, fazem os pesquisadores verem detalhes até então desconhecidos na vida e nas atividades das pessoas do passado.

Para sua atenção, existem manuscritos e documentos antigos, cuja descoberta mudou a visão da história da humanidade.

A primeira descrição do caso quando uma pessoa estava entre a vida e a morte

Em 1740, um médico francês chamado Pierre-Jean du Monchaux registrou a história de seu paciente, que perdeu a consciência após o derramamento de sangue e, quando recobrou a consciência, afirmou ter visto a luz.

E ela era tão pura e brilhante que o homem tinha certeza de que havia visitado a fronteira do mundo dos vivos e do céu.

Du Monchaux escreveu um episódio incomum em seu livro Medical Curiosities.

A capa do remanescente livro.
Capa do livro “Anecdotes de Médecine”, de Pierre-Jean du Monchaux (1733-1766).

No entanto, essa evidência só se tornou conhecida recentemente, quando o médico francês Philippe Charlier comprou este livro em uma loja de antiguidades.

O registro desse curioso caso é de interesse não apenas porque acabou por ser a descrição mais antiga do estado de morte do paciente.

Acontece que, naquela época, as pessoas ainda explicavam esses casos pela religião, mas Pierre-Jean du Monchaux abordava esse processo de forma puramente profissional.

Então, ele sugeriu que ocorreu uma hemorragia no cérebro do paciente. E ele se mostrou absolutamente certo, porque esse motivo é plenamente confirmado pela medicina moderna.

Vulgaridade no banheiro

Frequentemente, os mosaicos dos pisos provam ser uma excelente fonte de uma ampla variedade de informações do passado. A prática mostra que, mesmo nos banheiros, você não encontra nada além de verdadeiras pérolas do folclore antigo.

Que tipo de mosaico os antigos romanos faziam?
Que tipo de mosaico os antigos romanos faziam?

Assim, em 2018, no território da antiga cidade turca de Antioquia ad-Kragum, foi encontrada uma casa de banho cujo chão não era decorado com ornamentos ou padrões, mas com verdadeiras piadas sujas não destinadas a menores.

Descobriu-se que os romanos, ao visitar o banheiro há cerca de 1800 anos, tiveram a oportunidade de ler sobre as aventuras de Narciso e Ganimedes – dois personagens mitológicos, cujas as histórias, neste caso, foram reinterpretadas em um contexto francamente vulgar.

Dizer que os arqueólogos ficaram chocados com tal descoberta é um eufemismo; no entanto, do ponto de vista da ciência, também se tornou muito útil.

Afinal, tornou-se uma evidência de que o chamado “humor de banheiro” – tanto figurativo quanto literalmente – existia na antiguidade.



Confira também:

Arqueólogo francês consegue decifrar um idioma de 4 milênios atrás

Arqueólogos recriam o antigo perfume egípcio usado por Cleópatra

Arqueólogos encontram um possível santuário da Arca da Aliança em Israel

Arqueólogos encontram a verdadeira espada Excalibur em um rio da Bósnia



Imagens em Cresswell Crags

O Cruswell Crags Limestone Gorge, localizado entre Nottinghamshire e Derbyshire na Grã-Bretanha, é famoso entre os historiadores há muito tempo.

Sinais de bruxa encontrados na parede.
Sinais de bruxa encontrados na parede.

No seu território foram descobertos vestígios antigos, o que lhe conferiu grande valor histórico. É também o lar da única peça de arte da Idade do Gelo no Reino Unido.

Agora, mais recentemente, em 2019, durante uma caminhada de um grupo de turistas, encontrou a maior coleção de sinais bruxas.

As gravuras encontradas datam de um período bastante extenso – desde o início da Idade Média até o século retrasado. Os pesquisadores já conseguiram reconhecer alguns dos símbolos.

Estamos falando sobre os chamados sinais das bruxas, que eram usados ​​para proteger as pessoas de manifestações malignas sobrenaturais.

Como todos os tetos e paredes das cavernas são cobertos por tais inscrições, os arqueólogos presumem que os habitantes locais estavam claramente com medo de algo que não podiam explicar.

Biblioteca Nag Hammadi

Cerca de 1400 anos atrás, um navio foi enterrado no Egito, no qual 13 códigos foram colocados contendo os registros gnósticos de Jesus.

E em 1945, perto da vila de Nag Hammadi, eles foram encontrados e estudados. Essa descoberta influenciou significativamente as ideias dos pesquisadores sobre a era do cristianismo primitivo, em primeiro lugar, os ensinamentos gnósticos, que a religião moderna chama de heréticos.

O segundo códice da biblioteca com o Apócrifo de João.
O segundo códice da biblioteca com o Apócrifo de João.

A maioria dos códigos escritos em papiro foi escrita em copta, que era então a língua de comunicação no Egito. Mas aqui está um deles – “O Primeiro Apócrifo de João” – pela primeira vez foi encontrado na edição na língua grega antiga.

Outra característica que interessa aos historiadores é a presença de pequenos pontos, que são usados ​​como separadores do texto em sílabas.

Essa técnica é rara e indica que o autor dos rolos usou o evangelho herético para ensinar a língua grega.

Palimpsesto único

O fenômeno palimpsesto é um documento no qual o texto original foi gravado e um novo escrito por cima. Essa prática se explica pelo fato de que no passado os instrumentos de escrita eram, em princípio, caros e raros.

A ciência nunca viu tal manuscrito em pergaminho.
A ciência nunca viu tal manuscrito em pergaminho.

No entanto, em 2018, a Dra. Eleanor Sellard, enquanto estudava fragmentos de manuscritos com os textos do Alcorão, encontrou um palimpsesto completamente único de seu tipo.

E tudo porque o texto do santuário muçulmano foi escrito em cima de passagens da Bíblia, escritas na língua copta.

Este achado pode ser considerado realmente inestimável devido à sua singularidade. O fato é que os palimpsestos nos quais o Alcorão está escrito, são em princípio, bastante raros.

A gravação de um documento cristão a ser aplicada sobre o texto do livro sagrado islâmico nunca foi encontrada pelos pesquisadores até este ponto.

Até o momento, não há uma data exata para a datação desses textos – devido ao péssimo estado do achado, eles não podem ser submetidos à análise de carbono.

No entanto, o próprio fato de tal arranjo dos textos é de valor histórico.

Votos do ninja

O fato de o lendário ninja japonês ter seu próprio juramento já foi dito há muito tempo, e a existência de um registro de seu texto – desde a segunda metade do século XX.

Por muito tempo, acreditou-se que esse texto não existia.
Por muito tempo, acreditou-se que esse texto não existia.

Por muito tempo, tais rumores foram considerados apenas especulação, pois as tradições da obra de verdadeiros sabotadores, que se tornaram verdadeiros protótipos de guerreiros místicos, quase sempre eram transmitidas verbalmente.

No entanto, recentemente houve uma confirmação única da existência de tal juramento. Em 2018, um documento único foi doado ao museu pela família Kizu, que no passado era um clã ninja da cidade de Iga.

Os artefatos doados representam uma coleção de 130 documentos antigos que datam de cerca de três séculos, mas é o texto do juramento que é considerado o mais valioso do ponto de vista dos pesquisadores.

Foi composto por um certo Inosuke Kizu, que expressou gratidão a seus mentores por ensinar ninjutsu e jurou nunca revelar os segredos dos ensinamentos, mesmo para seus familiares.

Além disso, o texto também indica a punição por violação das regras acima. Segundo ele, tanto o perjuro quanto todos os seus parentes sofrerão com a ira de poderes superiores por vários séculos.

Deixe sua opinião nos Comentários…
Compartilhe com seus amigos…
A Chave dos Mistérios Ocultos
Curiosidades

Deixe um Comentário