Reconstrução digital do novo esqueleto fóssil de ave do Mesozóico (barra de escala 10 mm).
Categorias:

Encontram um fóssil de um pássaro pré-histórico semelhante a um pequeno dragão

Talvez não haja nenhum país no mundo que reverencie mais os dragões do que a China, o que torna esta recente descoberta mais do que interessante.

Pesquisadores do Instituto de Paleontologia e Paleoantropologia de Vertebrados (IVPP) da Academia Chinesa de Ciências descobriram um esqueleto fóssil parcial de 120 milhões de anos de um pequeno pássaro extinto que cabe na palma da mão que preserva um crânio único com uma mistura de características de dinossauros e pássaros.

Reconstrução digital do novo esqueleto fóssil de ave do Mesozóico (barra de escala 10 mm).
Reconstrução digital do novo esqueleto fóssil de ave do Mesozóico (barra de escala 10 mm).

O crânio de dois centímetros de comprimento (0,75 polegada) do fóssil compartilha muitas características estruturais e funcionais com o gigantesco Tyrannosaurus rex (T. rex), indicando que os primeiros pássaros mantiveram muitas características de seus ancestrais dinossauros e seus crânios funcionaram em grande parte da mesma forma que os dinossauros, em vez dos pássaros atuais.

A ave foi depositada há 120 milhões de anos em um lago raso no que hoje é a província de Liaoning, no nordeste da China.

Por meio da reconstrução detalhada da árvore genealógica do pássaro, os pesquisadores demonstraram que a nova espécie fóssil de ave pertence a um grupo extinto de pássaros chamados enantiornithines, ou “pássaros opostos”.

Eles são o grupo de pássaros mais diversificado da época dos dinossauros no Cretáceo e foram encontrados em todo o mundo. Nos pássaros modernos, o quadrado é um dos ossos mais móveis do crânio e possibilita a característica única dos pássaros conhecida como “crânio cinético“, que permite que a mandíbula superior se mova independentemente do cérebro e da mandíbula inferior.

No entanto, ao contrário dos pássaros que voam hoje, o crânio deste novo ‘pássaro oposto’, bem como o do T. rex e parentes dinossauros próximos das aves (por exemplo, Troodontidae e dromeossauros), não é cinético.

Evolução do complexo palatino aviário e cinesia craniana.
Evolução do complexo palatino aviário e cinesia craniana.

Em vez disso, seus ossos estão “travados” e eles não podem se mover. As regiões temporais (lados) do crânio desta ave fóssil são muito diferentes das aves modernas.

Essa nova espécie possui dois arcos ósseos para fixação dos músculos da mandíbula, como os encontrados em répteis como lagartos, crocodilos e dinossauros, tornando a parte posterior do crânio rígida e resistente ao movimento entre os ossos.

Reconstrução

O comunicado à imprensa da Academia Chinesa de Ciências explica como o grande crânio reptiliano confundiu os cientistas que tentavam reconstruir a criatura.

Ao reconstruir todas as partes do crânio em três dimensões a partir de tomografias computadorizadas de alta resolução do fóssil, tive um problema para decifrar um osso em particular”,

admitiu o Dr. Wang Min, principal autor do estudo.

Reconstrução digital do crânio com detalhes ampliados dos ossos palatinos semelhantes a dinossauros, ou seja, base fenóide (vermelho), pterigóide (rosa) e quadrada (roxa). As estrelas indicam as duas partes do dente pterigóide que se estendem atrás do olho.
Reconstrução digital do crânio com detalhes ampliados dos ossos palatinos semelhantes a dinossauros, ou seja, base fenóide (vermelho), pterigóide (rosa) e quadrada (roxa). As estrelas indicam as duas partes do dente pterigóide que se estendem atrás do olho.

Ele disse que seu colega, Dr. Thomas Stidham, propuseram que o osso era o pterigóide e se parecia “exatamente com o Linheraptor dromeossauro”.

O fóssil contém o primeiro osso pterigóide bem preservado encontrado em um pássaro madrugador.

Os pesquisadores compararam as tomografias computadorizadas do crânio de um pássaro com as do famoso dromeossauro Linheraptor da Mongólia Interior – China.
Os resultados mostraram que muitas outras características da parte posterior do crânio, incluindo a forma do osso basefenóide e suas conexões com outros ossos do crânio, também se assemelham a dromeossauros em vez de pássaros modernos.

O pássaro fóssil e os dinossauros também carecem do contato discreto entre o pterigóide e o quadrado próximo ao palato que é usado na cinesia do crânio em pássaros modernos.

Em combinação com os ossos temporais ‘bloqueados’, a diferença na estrutura do palato também aponta para a ausência de cinesia entre os madrugadores”,

explicou o co-autor do estudo, Dr. Stidham.

Além disso, a descoberta da equipe e a pesquisa anatômica meticulosa ajudam a reforçar o argumento já bem sustentado, com base em muitas linhas de evidências diferentes, de que os pássaros não são apenas dinossauros vivos, mas evoluíram do ramo dos dinossauros que inclui troodontídeos e dromeossauros como o Microraptor e o Velociraptor.

Renderização artística de um Linheraptor.
Renderização artística de um Linheraptor.

Ter um crânio de ‘dinossauro’ no corpo de um pássaro certamente não evitou que os enantiornithines, ou outras aves da madrugada, tivessem grande sucesso em lugares ao redor do mundo por dezenas de milhões de anos”,

concluiu o Dr. Wang.

Será que uma ou mais dessas criaturas ainda podem estar escondidas em uma floresta chinesa, como os chamados pterodáctilos ou pássaros-trovão, que costumam ser relatados em áreas remotas dos Estados Unidos?

É quase certo que não.

Eles poderiam ter sobrevivido pelo menos tempo suficiente para serem confundidos com dragões voadores?

A resposta também é provavelmente negativa, embora fósseis semelhantes possam ter estimulado a imaginação dos primeiros homens que os visualizá-los como dragões e, sem o benefício das modernas técnicas de datação, acreditar que eles ainda voavam pelos céus.

Os resultados foram publicados na Nature Communications.

Você gostou do que acabou de ler?
Deixe sua opinião nos Comentários!
E compartilhe com seus amigos…

Deixe um Comentário