Pesquisadores a bordo do navio de pesquisa alemão Sonne, na costa do Chile, prontos para coletar amostras de 8 quilômetros de profundidade no sistema da Fossa do Atacama.

Descoberto um acúmulo de mercúrio sem precedentes nas trincheiras do Oceano Pacífico

Um artigo científico publicado recentemente no Scientific Reports Journal(nature) revelou uma quantidade alarmante de mercúrio altamente tóxico depositado nas trincheiras mais profundas do Oceano Pacífico.
Pesquisadores a bordo do navio de pesquisa alemão Sonne, na costa do Chile, prontos para coletar amostras de 8 quilômetros de profundidade no sistema da Fossa do Atacama.
Pesquisadores a bordo do navio de pesquisa alemão Sonne, na costa do Chile, prontos para coletar amostras de 8 quilômetros de profundidade no sistema da Fossa do Atacama.

O estudo é um esforço multinacional envolvendo cientistas da Dinamarca, Canadá, Alemanha e Japão, relata as primeiras medições diretas de deposição de mercúrio em um dos ambientes mais logisticamente desafiadores da Terra, e o mais profundo – entre 8 e 10 quilômetros sob o mar.

O autor principal, Professor Hamed Sanei, diretor do Laboratório de Carbono Orgânico Litosférico (LOC) do Departamento de Geociências da Universidade de Aarhus, afirmou que a quantidade de mercúrio descoberta nesta área excede qualquer valor já registrado em sedimentos marinhos remotos, e é ainda maior do que muitas áreas diretamente poluídas por emissões industriais.

A má notícia é que esses altos níveis de mercúrio podem ser representativos do aumento coletivo das emissões antropogênicas de Hg em nossos oceanos”,

Explicou, Hamed.

Mas a boa notícia é que as trincheiras oceânicas funcionam como um aterro permanente, então podemos esperar que o mercúrio que vai parar lá ficará soterrado por muitos milhões de anos.

As placas tectônicas levarão esses sedimentos para o interior do manto superior da Terra.

Mas mesmo quando o mercúrio está sendo removido da biosfera, uma quantidade dele foi parar nas fossas oceânicas e é bastante alarmante. Isso pode ser um indicador da saúde geral de nossos oceanos “,

acrescentou o professor.

Áreas de estudo nas regiões da Fossa Kermadec e Fossa do Atacama no Oceano Pacífico (a).
Áreas de estudo nas regiões da Fossa Kermadec e Fossa do Atacama no Oceano Pacífico (a). Dados batimétricos detalhados com locais de amostragem específicos na Trincheira Kermadec (b) e na Fossa do Atacama (c). Os locais foram visitados durante dois cruzeiros com RV Tangaroa (TAN1711, 2017) e RV Sonne (SO261, 2018), respectivamente. A linha preta em (b) e (c) indica o contorno de profundidade de 6000 m. A linha preta em bec indica o contorno de profundidade de 6000 m.

O co-autor, Dr. Peter Outridge, Pesquisador Cientista da Natural Resources Canada e principal autor da Avaliação Global de Mercúrio das Nações Unidas, comentou:

Os resultados desta pesquisa ajudam a preencher uma lacuna de conhecimento fundamental no ciclo do mercúrio, ou seja, a taxa real de remoção de mercúrio do meio ambiente global para os sedimentos das profundezas do oceano. Mostramos que os sedimentos nas fossas oceânicas são “pontos quentes” para o acúmulo de mercúrio, com taxas de acúmulo de mercúrio muitas vezes mais altas do que se acreditava anteriormente”,

disse o Dr. Peter.



Veja outras matérias:

A Bolha: Pode ser a causa de milhões de águas-vivas mortas

Os bisões começaram a sair ativamente de Yellowstone

Mergulhadores descobrem uma esfera translúcida que abriga milhares de filhotes de lula

As orcas estão atacando barcos na Espanha e tubarões brancos, o que está acontecendo?



Finalmente, o co-autor Ronnie Glud, professor e diretor do Centro Hadal da Universidade do Sul da Dinamarca, que foi o líder científico desta expedição multinacional às fossas oceânicas, disse:

Este artigo requer amostragem adicional extensa das profundezas do oceano, oceano e, em particular, trincheiras abissais para apoiar este trabalho preliminar. Em última análise, isso irá melhorar a precisão dos modelos ambientais de mercúrio e da gestão da poluição global.”

Para ver o artigo publicado na nature(clique aqui)

Deixe sua opinião nos Comentários!
E compartilhe com seus amigos…

Convidamos você a nos seguir em nossa página no Facebook, para ficar por dentro de todas as novidades que publicamos:

Catástrofes

Deixe um Comentário