Os cientistas descobrem que um misterioso acelerador de partículas.

Os cientistas descobrem que um misterioso acelerador de partículas que “ataca” a Terra com perigosos raios cósmicos

Você pode pensar que os maiores e mais enigmáticos mistérios do universo existem além do nosso planeta, na borda de um buraco negro ou dentro de uma estrela em explosão.
Os cientistas descobrem que um misterioso acelerador de partículas.
Os cientistas descobrem que um misterioso acelerador de partículas.

Mas a verdade é que os grandes mistérios do universo nos cercam, o tempo todo. Eles até nos permeiam, navegando diretamente através de nossos corpos.

Um desses mistérios são os raios cósmicos, feitos de minúsculos fragmentos de átomos.

Esses raios, que estão passando por nós neste exato momento, não deveriam inicialmente ser prejudiciais para nós ou para qualquer outra vida na superfície da Terra, porém há cientistas que afirmam que eles afetam o clima da Terra.

Alguns carregam tanta energia que os físicos ficam intrigados com sua origem. Muitos são poderosos demais para terem se originado de nosso Sol ou de uma estrela em explosão. Como os raios cósmicos geralmente não viajam em linha reta, nem sabemos de onde vêm.

Mas agora uma nova pesquisa pode revelar sua origem…

‘Ataque’ do espaço

Os cientistas há muito estudam os raios cósmicos, partículas (que podem ser elétrons, prótons ou íons de elementos pesados) que viajam pelo universo quase à velocidade da luz.

Eles são criados por vários processos que envolvem grandes quantidades de energia, como a explosão de uma supernova, a fusão de duas estrelas ou por um buraco negro que engole grandes quantidades de gás.

Mas agora, novos cálculos do observatório High-Altitude Water Cherenkov Experiment (HAWC) revelam um novo candidato altamente provável:

Uma nuvem molecular gigante.

Como explica Paul M. Sutter, astrofísico do Flatiron Institute, o nível de energia dos raios cósmicos é medido em uma unidade conhecida como elétron volt (eV).

Existem raios cósmicos de intensidades diferentes, mas os cientistas notaram algo estranho: uma “quebra” na curva na faixa de 10 a 15 eV, da qual há muito menos raios cósmicos do que o esperado.

Para se ter uma ideia do nível de energia envolvido, o acelerador de partículas mais poderoso já construído, o Large Hadron Collider (LHC), pode atingir 13 X 10 – 12 eV, ou 13 Tera elétron-volts (TeV).

Um misterioso acelerador de partículas ataca a Terra com perigosos raios cósmicos.

Mas esses raios cósmicos de alta energia são mais de 1.000 vezes mais intensos…

Portanto, os pesquisadores acreditam que os raios com menor intensidade são produzidos por processos dentro de nossa galáxia, mas aqueles acima desse limite vêm de fora dela. O que não sabíamos até agora é onde.

E apesar do nome, os “raios” cósmicos não viajam em linha reta como um raio de luz. Por serem partículas eletricamente carregadas, são influenciadas e desviadas pelos campos magnéticos de nossa galáxia.

Portanto, encontrar a resposta não é uma simples questão de seguir o caminho de volta à fonte.

Para encontrar um “candidato”, os cientistas do HAWC, localizado no topo do vulcão Sierra Negra, no México, procuraram “parceiros”:

Eles sabem que quando os raios cósmicos atingem uma nuvem de gás interestelar, eles produzem raios gama.

E estes viajam em linha reta, o que nos permite determinar sua origem.

Sutter explica ao portal de notícias sobre astronomia e espaço Space.com que os cientistas decidiram procurar fontes de raios gama e escanear a região circundante em busca de uma possível fonte de raios cósmicos.

E eles logo encontraram HAWC J1825-134, uma fonte de raios gama com energia superior a 200 TeV, localizada perto do centro de nossa galáxia.



¨Confira essas:

Os astrônomos receberam um sinal extraterrestre de um exoplaneta

Existem ruínas na lua? O início da arqueologia fora da terra?

Cientistas descobrem um tipo de padrão oculto vindo misterioso sinal espacial

Vários radiotelescópios recebem um sinal misterioso de nossa galáxia



Parece um “borrão brilhante” para nós, iluminado pelo que é talvez a fonte de raios cósmicos mais poderosa da galáxia.

Embora os cientistas tivessem uma lista de possíveis fontes de raios cósmicos de alta energia na região, nenhum deles explicou o sinal encontrado.

O centro da galáxia era uma possibilidade, mas está muito longe do HAWC J1825-134. Portanto, ainda existem algumas supernovas, mas elas explodiram faz muito tempo para gerar raios cósmicos agora.

Pulsares, o núcleo de uma estrela que explodiu e agora gira em alta velocidade produzindo o que nos parecem “pulsos” de energia, também são fontes de raios cósmicos, mas estão muito longe da fonte dos raios gama.

Surpreendentemente, a origem parece ser uma nuvem molecular, um gigantesco aglomerado de gás e poeira que ocasionalmente se contrai e forma uma estrela.

Dentro da nuvem, os cientistas encontraram um aglomerado de estrelas recém-nascidas. Mas nenhum deles deve ter energia suficiente para gerar raios cósmicos como esses.

Os cientistas admitem que não sabem como a nuvem emite raios.

Mas de alguma forma, sem que ninguém percebesse, ela gerou algumas das partículas mais poderosas da galáxia e muito perigosas para o nosso planeta.

Efeitos perigosos

Nesse ponto, você pode se perguntar o quão perigosos os raios cósmicos são para a vida na Terra. Especialistas na área nos dizem que as partículas que atingem a Terra interagem com a nossa atmosfera, que age como um “escudo de radiação“.

Os efeitos perigosos seriam sentidos pelo clima.
Os efeitos perigosos seriam sentidos pelo clima.

Os raios cósmicos de alta energia nos bombardeiam o tempo todo, mas eles interagem rapidamente, produzindo partículas de energia muito mais baixa que impactam a Terra sem causar danos às formas de vida.

No entanto, os efeitos perigosos seriam sentidos pelo clima.

Por duas décadas, o físico dinamarquês Henrik Svensmark do Instituto Nacional do Espaço Dinamarquês (DTU Space) da Universidade Técnica da Dinamarca propôs uma teoria de cosmoclimatologia“, que afirma que os raios cósmicos, junto com as manchas solares, são os verdadeiros motores da mudança do clima.

Sua última pesquisa publicada na revista científica Nature, Svensmark explica que é “a última peça do quebra-cabeça” que explica como as partículas do espaço afetam o clima na Terra.

Também sugere que os resultados indicam que o impacto da atividade solar no clima é até sete vezes maior do que os modelos climáticos sugerem.

A teoria de Svensmark em poucas palavras é a seguinte:

Os raios cósmicos são fragmentos atômicos, principalmente núcleos, lançados no espaço, geralmente de estrelas em explosão que bombardeiam constantemente a Terra.

Quando entram na atmosfera, sua carga elétrica ajuda a formar grupos de moléculas, aerossóis, que por sua vez agem como sementes ou núcleos para que as gotículas de água que se condensem criando nuvens.

Mais raios cósmicos significam mais ‘núcleos de condensação de nuvens’ (CCN), mais nuvens e um clima mais frio. Menos raios significa um clima mais quente.

É aí que entra o Sol…

Os cientistas descobrem que um misterioso acelerador de partículas ataca a Terra com perigosos raios cósmicos

Em momentos de alta atividade solar, indicada por um maior número de manchas solares, o campo magnético de nossa própria estrela ajuda a proteger o planeta dos raios cósmicos, o que significa menos formação de nuvens e, portanto, temperaturas mais altas.

Quando o Sol está “quieto”, há mais ionização na atmosfera, o que significa mais nuvens e clima mais frio.

O estudo argumenta que o resultado deve ser incorporado em modelos globais de aerossóis, para testar plenamente as implicações atmosféricas.

Portanto, todos esses dados nos mostram que os raios cósmicos têm uma influência negativa em nosso planeta e, embora alguns cientistas minimizem isso, eles podem nos afetar tanto física quanto psicologicamente.

E você caro(a) leitor(a) acha que esses poderosos raios cósmicos estão afetando a Terra de alguma forma?

Deixe sua opinião nos Comentários…
Compartilhe com seus amigos…
A Chave dos Mistérios Ocultos
Mistérios

Deixe um Comentário