Vários radiotelescópios recebem um sinal misterioso de nossa galáxia

Fast Radio Bursts (FRBs) foram identificados pela primeira vez em 2007. Esses sinais de rádio do espaço profundo explodem com uma energia sem precedentes por alguns milissegundos e, em seguida, aparentemente morrem.

Vários radiotelescópios recebem um sinal misterioso de nossa galáxia

Os cientistas parecem incapazes de identificar uma fonte natural para o fenômeno e múltiplos foram detectados no cosmos.

No entanto, no início deste ano, um FRB foi descoberto que parecia estar transmitindo sinais em um padrão de repetição de 16 dias.

Este sinal, que se origina de uma galáxia a 500 milhões de anos-luz de distância, envia rajadas por quatro dias antes de se acalmar por 12 dias. O ciclo então se repete.

Curiosamente, em junho passado, outro FRB repetido foi descoberto em uma galáxia anã a três bilhões de anos-luz de distância.

Esta foi a segunda repetição de FRB descoberta e pareceu ser uma descoberta estranha, considerando que o FRB de ciclo de 16 dias foi encontrado apenas alguns meses antes.

O segundo FRB envia bursts por um período de 90 dias e silencia por 67 dias. Então o ciclo se repete. Existem algumas teorias sobre a origem dos FRBs, como se fossem sinais de origem extraterrestre ou talvez a energia de naves espaciais.

O cientista de Harvard Abraham Loeb acredita que uma civilização poderia gerar um poderoso feixe de luz para impulsionar cargas com uma vela e poderíamos observar o vazamento dessa radiação fora dos limites da vela.



Cientistas descobrem um tipo de padrão oculto vindo misterioso sinal espacial

Sinais misteriosos são captados de fora da Via Láctea

Escuridão é mais rápida que a velocidade da luz?

Cerca de 10.000 buracos negros gigantescos podem estar “por todos os lados”, revela estudo

Neurocientista propõe nova teoria: A consciência é criada por ondas eletromagnéticas



Mas algo está acontecendo no espaço, os cientistas mais uma vez receberam um FRB…

Outro sinal FRB da Via Láctea

Vários radiotelescópios recebem um sinal misterioso de nossa galáxia

Magnetar SGR 1935 + 2154, localizado em nossa Via Láctea, voltou a emitir rajadas de rádio rápidas, de acordo com The Astronomer’s Telegram, site dedicado a novas observações astronômicas.

Em 8 de outubro, o radiotelescópio CHIME, localizado no Canadá, capturou o magnetar emitindo rajadas de rádio rápidas de três milissegundos e no dia seguinte o telescópio FAST, localizado na China, detectou pulsos de rádio vindos do SGR 1935 + 2154.

Os cientistas dizem que as descobertas, que podem definitivamente resolver o mistério dos FRBs, estão agora sendo examinadas por pesquisadores.

É realmente emocionante ver SGR 1935 + 2154 novamente, e estou otimista de que ao estudarmos essas explosões mais de perto, isso nos ajudará a entender melhor a possível relação entre magnetares e explosões de rádio rápidas”,

disse a astrônoma Deborah Good da da Universidade de British Columbia, no Canadá, e membro do CHIME / FRB, disse ele à revista científica ScienceAlert.

Como discutimos antes, até recentemente, rajadas de rádio rápidas só foram detectadas fora de nossa galáxia, com fontes localizadas a milhões de anos-luz de distância da Terra.

Vários radiotelescópios recebem um sinal misterioso de nossa galáxia

Em abril, um grupo de cientistas internacionais descobriu FRBs provenientes de uma fonte na Via Láctea:

Magnetar SGR 1935 + 2154.

Os cientistas nunca tinham visto um magnetar emitir rajadas de rádio rápidas e nenhuma fonte conhecida foi pega enviando FRBs novamente.

De acordo com Deborah Good, as rajadas recém-detectadas são menos poderosas do que as detectadas em abril, mas ainda são incrivelmente fortes.

Embora menos brilhantes do que a detecção do início deste ano, elas ainda são rajadas muito brilhantes que veríamos se fossem extragalácticas”,

continua a professora Deborah Good.

Um dos aspectos mais interessantes dessa detecção é que nossos três bursts parecem ter ocorrido dentro de um período de rotação. O magnetar é conhecido por girar uma vez a cada 3,24 segundos, mas nosso primeiro e segundo burst tiveram um intervalo de 0,954 segundos, e o segundo e o terceiro tiveram um intervalo de 1,949 segundos. Isso é um pouco incomum e acho que é algo que veremos.”

Um magnetar é um tipo de estrela de nêutrons (uma estrela gigante que fica sem combustível e entra em colapso) que possui um campo magnético extremamente poderoso.

De acordo com a NASA, o campo magnético de um magnetar é um bilhão de trilhões de vezes mais forte que o da Terra e aquece a superfície da estrela a 18 milhões de graus Fahrenheit.

Vários radiotelescópios recebem um sinal misterioso de nossa galáxia

Existem atualmente 24 magnetares confirmados e 6 corpos celestes aguardando confirmação.

Os cientistas vêm tentando entender o fenômeno dos FRBs desde 2007, quando foram detectados pela primeira vez.

Os pesquisadores ainda não têm certeza da origem e da causa dessas ondas de rádio, com teorias que vão desde buracos negros e magnetares até sinais de civilizações extraterrestres.

Mas algo está acontecendo em 2020 e não tem nada a ver com a pandemia do coronavírus. Estamos recebendo sinais da Via Láctea e eles estão se tornando mais poderosos e frequentes.

Não é mais um fenômeno espacial incomum, e tudo parece indicar que não tem nada a ver com explosões de estrelas ou qualquer coisa assim.

Pesquisadores independentes sugeriram uma possibilidade interessante, porque os FRBs costumavam ir além de nossa galáxia antes e agora estão se aproximando cada vez mais, podem indicar a chegada de espaçonaves alienígenas em nosso planeta , ou talvez sejam mensagens de alerta sobre algum perigo iminente.

Vários radiotelescópios recebem um sinal misterioso de nossa galáxia

Neste 2020 tudo é possível…

O que você amigo leitor acha das novas explosões rápidas de rádio?

Um fenômeno natural do espaço?

Sinais extraterrestres?

Deixe sua opinião nos Comentários…
Compartilhe com seus amigos…

A Chave dos Mistérios Ocultos

Você já tem a chave, mas terás a coragem de abrir?

Deixe um Comentário