Os EUA planejam criar armas espaço-tempo para seus militares

Os EUA planejam criar “armas espaço-tempo” para seus militares

Em 2019, o departamento de aviação do Centro da Força Aérea dos Estados Unidos (NAWCAD) entrou com uma série de patentes aparentemente muito bizarras que poderiam teoricamente revolucionar não apenas a aviação militar, mas quase tudo.
Os EUA planejam criar armas espaço-tempo para seus militares
Os EUA planejam criar armas espaço-tempo para seus militares.

O principal entre essas novas invenções estranhas é um gerador de campo eletromagnético de alta energia que pode gerar grandes quantidades de energia com implicações militares e comerciais de longo alcance.

Curiosamente, a patente lembra muito as antigas teorias apresentadas por pesquisadores de OVNIs sobre veículos aparentemente usados ​​por “visitantes extraterrestres” no nosso mundo.

Se você acha que essa história é uma loucura, você está errado…

Acredite ou não, um sistema de propulsão eletromagnética que permitiria à Marinha construir seus próprios discos voadores pode não ser o sonho mais louco dos designers americanos.

De acordo com documentos recentemente publicados, outro ramo deste trabalho está relacionado ao conceito de um reator termonuclear compacto, que, entre outras coisas, poderia permitir a criação de armas “espaço-tempo”.

Estas patentes foram obtidas como resultado do trabalho do engenheiro aeroespacial americano Dr. Salvatore Pais.

Por mais loucas que suas invenções pareçam para nós, a Marinha acredita claramente que eles têm algo real. Até o momento, foi confirmado que a Marinha investiu mais de US$ 466.000 em assistência a este programa.



Confira também:

Portal tipo “Stargate” descoberto perto da Área 51 graças ao Google Maps

Mulher sofre acidente no espaço-tempo em uma estrada na Espanha

Físicos dizem que buracos de minhoca humanicamente transversíveis podem ser criados e com isso: Viajar pelo espaço-tempo é possível

Cerca de 10.000 buracos negros gigantescos podem estar “por todos os lados”, revela estudo

Os cientistas descobrem que um misterioso acelerador de partículas que “ataca” a Terra com perigosos raios cósmicos



Um reator termonuclear em funcionamento seria um meio fundamentalmente diferente de produção de energia do que os reatores de fissão usados ​​hoje em usinas nucleares.

Tecnicamente falando, os reatores de fusão já existem, mas nunca foram eficientes o suficiente aqui na terra para serem usados ​​para gerar energia (o sol, no entanto, é um bom exemplo de uma reação de quase fusão em grande escala).

Já os reatores nucleares, em tudo, desde usinas de energia até porta-aviões, produzem energia pela fissão de um núcleo em dois núcleos mais leves (fissão de um átomo).

A energia de fusão envolverá a fusão de dois ou mais núcleos. Eles se combinam em um elemento mais pesado; os átomos de hidrogênio são provavelmente fundidos em hélio.

Em teoria, um reator de fusão eficiente poderia acabar com a dependência da humanidade dos combustíveis fósseis.

Uma das aplicações potenciais desta tecnologia pode ser a arma mais poderosa já concebida pela humanidade. Essa mesma tecnologia pode eliminar muitos conflitos potenciais pela raiz.

Afinal, a luta nos níveis mais básicos pode ser explicada pela competição por recursos. Com poder de fusão quase ilimitado, a competição seria muito menor.

É importante notar que a energia de fusão também pode ser muito mais segura do que os meios de geração de energia de fissão com os quais estamos familiarizados.

Embora seja um equívoco comum que as usinas nucleares podem “explodir” durante um derretimento como uma arma nuclear, as consequências que resultam de tal derretimento ainda são incrivelmente terríveis, como vimos em Chernobyl e Fukushima.

Essas reações em cadeia de escape produzem grandes quantidades de radiação. A fusão, por outro lado, não é afetada por esse efeito.

Um reator de fusão eficiente poderia acabar com a dependência da humanidade dos combustíveis fósseis.
Um reator de fusão eficiente poderia acabar com a dependência da humanidade dos combustíveis fósseis.

Na época, a Lockheed Martin estimou que seu reator de fusão compacto poderia fornecer um suprimento constante de 100 megawatts de energia, o suficiente para voar um porta-aviões inteiro ou abastecer quase 100.000 casas usando apenas cerca de 25 libras de isótopos de hidrogênio, deutério e trítio.

É impossível dizer neste momento se os Estados Unidos e o Dr. Salvatore Pais conseguiram criar algo realmente inovador em suas pesquisas.

O recente despejo dos documentos mostra, pelo menos desde o início desses documentos, que eles ainda precisam provar ou refutar a premissa de seu gerador de campo eletromagnético de alta energia (HEEMFG) em seus experimentos até o momento.

Obviamente, a pesquisa continuará, mas há uma coisa que já sabemos com certeza:

Se essa tecnologia valer a pena, ela pode ser usada para mudar fundamentalmente quase tudo em nosso mundo hoje!

Deixe sua opinião nos Comentários…
Compartilhe com seus amigos…

Deixe um Comentário