Doutores da Morte – O Julgamento

Em 25 de outubro de 1946, os Estados Unidos impuseram quatro acusações a vinte médicos alemães e três assistentes médicos no caso dos Estados Unidos da América contra Karl Brandt e Wolfram Sievers.
Assim começou o primeiro e mais horrível dos doze processos posteriores.

A primeira acusação foi conspiração.

O segundo, por crimes de guerra.

O terceiro, por crimes contra a humanidade, compreendidos por esses assassinatos, brutalidades, vexações, torturas, atrocidades e atos desumanos.

O quarto referia-se à participação em uma organização criminosa, assim declarada pelo Tribunal Internacional e conhecida como SS.

Como foram chamados, os réus aumentaram um a um. Eles pareciam desalinhados, usavam roupas, jaquetas e calças ou uniformes militares despidos de todos os emblemas.

Muitos usavam botas militares. Eles pareciam ressentidos e arrogantes. Alguns tinham lábios tensos, uma expressão dura e mesquinha no semblante e uma mandíbula cerrada.


Os experimentos mais cruéis com gêmeos do nazista Josef Mengele em Auschwitz

A mulher que “matou” centenas de bebês para salvar suas mães dos nazistas

A busca pelo Santo Graal e outros Objetos de Poder pelos nazistas

Ahnenerbe! Uma organização de ocultismo dos nazistas


Os mais vis eram os médicos Karl Brandt, com seus olhos penetrantes, e Wolfram Sievers, com sua barba negra e bigode pontudo.

Karl Brandt no seu julgamento
Karl Brandt no seu julgamento

O Brigadeiro-General Telford Taylor leu em voz alta as quatro acusações mencionadas acima e continuou dizendo:

Experiências em que os acusados ​​cometeram assassinatos, brutalidades, vexações, torturas, atrocidades e outros atos desumanos.

Essas experiências incluíram o seguinte:

– Experimentos relacionados a grandes altitudes…

Muitas das vítimas desses experimentos (realizadas em uma câmara de baixa pressão na qual as condições atmosféricas e de pressão predominantes em grandes altitudes, até um máximo de vinte mil metros) poderiam ser reproduzidas morreram como resultado desses experimentos e outros sofreram ferimentos graves, tortura e abuso.

– Experimentos de congelamento…

As vítimas foram colocadas em um tanque de água gelada por até três horas ou mantidas nuas ao ar livre por horas a temperaturas congelantes, como resultado das quais muitas morreram.

– Experiências com malária…

Usando mosquitos ou injeções de extratos das mucosas dos mosquitos, mais de mil pessoas que contraíram malária foram infectadas contra sua vontade, muitas delas morreram, enquanto outras sofreram fortes dores e incapacidade permanente.

– Experimentos com gás mostarda…

As feridas foram infligidas às vítimas de maneira premeditada e depois infectadas com gás venenoso; Algumas das vítimas morreram e outras sofreram dores agudas e ferimentos graves.

– Experimentos com sulfanilamida…

As feridas que foram infligidas de maneira premeditada aos sujeitos experimentais foram infectadas com estreptococos, gangrena gasosa e tétano, e então lascas de madeira e vidro fosco foram introduzidas nas feridas, o que resultou em mortes, ferimentos graves e dor intensa.

– Experimentos relacionados à regeneração dos ossos, músculos e nervos e transplante ósseo…

Seções de ossos, músculos e nervos foram removidos das vítimas, causando dor intensa, mutilação, incapacidade permanente e morte.

– Experimentos com água do mar…

Os indivíduos foram completamente privados de comida e receberam apenas água do mar quimicamente processada, o que causou intensa dor, sofrimento, lesões físicas graves e insanidade.

– Experimentos com icterícia epidêmica…

Os indivíduos foram premeditados com icterícia epidêmica, resultando em dor, sofrimento e morte.

Experimentos com gás mostarda

– Experimentos de esterilização…

Milhares de vítimas foram esterilizadas por raios-X, cirurgia e drogas, com o resultado de graves doenças físicas e mentais.

– Experimentos com tifo exantemático…

Centenas de pessoas morreram; mais de 90% dos indivíduos infectados foram premeditados no decorrer dos experimentos.

– Experimentos com veneno…

O veneno foi administrado secretamente na comida a indivíduos experimentais, todos os quais morreram ou foram mortos premeditados para realizar uma autópsia.

Em outros casos, as vítimas foram baleadas por balas de veneno que causaram grande sofrimento e morte.

Experimentos de congelamento

– Experimentos com bombas incendiárias…

As queimaduras foram infligidas aos sujeitos experimentais com fósforo extraído das bombas, o que causou fortes dores, sofrimento e ferimentos físicos graves.


O meteorologista que decidiu a data do Dia D com sua previsão exata do tempo

Misterioso sino nazista que segundo registos anulava a gravidade

Novos detalhes revelados sobre a misteriosa morte de Elisa Lam

O misterioso desaparecimento do USS Cyclops no Triângulo das Bermudas


Civis e membros das forças armadas dos países que estavam em guerra com a Alemanha foram mortos no exercício de seu poder como força de ocupação.

Cento e doze judeus foram escolhidos, mortos e desencarnados para completar uma coleção de esqueletos da Universidade Reich, em Estrasburgo (França), sob ocupação nazista.

Ao implementar o programa de “eutanásia” do Reich alemão, centenas de milhares de seres humanos foram mortos, incluindo cidadãos de países ocupados pela Alemanha.

Isso incluiu a execução sistemática e secreta de idosos, pacientes loucos, incuráveis, crianças deformadas e outras pessoas por meio de gás, injeções letais e outros métodos em casas de repouso, hospitais e hospitais.

Essas pessoas eram consideradas “bocas inúteis” e um fardo para a máquina de guerra alemã. Os familiares das vítimas foram informados de que haviam morrido por causas naturais, como insuficiência cardíaca.

Karl Brandt SS-Arzt
Karl Brandt foi formalmente indiciado em 1946 e foi levado a corte no julgamento que ficou conhecido como ‘processo contra os médicos’. Ele foi condenado, sentenciado a morte e eventualmente enforcado em 2 de junho de 1948.

Os médicos alemães envolvidos no programa de “eutanásia” também foram enviados aos países ocupados da Europa Oriental para contribuir com o extermínio em massa de judeus.

Vou pedir aos acusados ​​que se declarem culpados ou inocentes das acusações contra eles”,

anunciou o juiz Beals.

A partir daqui; os outros réus foram interrogados um a um. Todo mundo tinha um advogado. Todos se declararam inocentes das acusações contra eles.

Wolfram Sievers
Wolfram Sievers era Vendedor de livros, entrou para o NSDAP em 1929, e logo depois trabalhou em Dachau com August Hirt. Participou de experimentos de congelamento com prisioneiros de guerra. É estimado que ele foi responsável pela morte de 300 pessoas. Sievers foi sentenciado a morte em 20 de Agosto de 1947 por crimes contra a humanidade no Processo contra os Médicos, e enforcado em 2 de Junho de 1948.
O que era o programa de eutanásia

O objetivo do programa de eutanásia nazista foi o de eliminar pessoas com deficiências físicas e mentais. Na visão nazista, tais ações “limpariam” a raça “ariana” de pessoas consideradas geneticamente defeituosas e que eles consideravam um fardo financeiro para a sociedade.

Com isso encerramos essa triste matéria, cuja os fatos parecem surreais…

Até onde pode chegar à crueldade humana?
Parece que não a limite!

A Chave dos Mistérios Ocultos

Você já tem a chave, mas terás a coragem de abrir?

Deixe um Comentário