Ahnenerbe! Uma organização de ocultismo dos nazistas

Os nazistas sempre se prestaram ao papel de ótimos vilões por bons motivos. Suas filosofias pervertidas, suas crenças tortas, a maneira implacável como eles perseguiam seus objetivos malignos e seus muitos projetos secretos, criaram toda uma aura de misticismo inescrutável ao redor deles.
O Simbolo da Ahnenerbe
O Simbolo da Ahnenerbe

Acrescente a isso histórias bizarras a respeito de super armas, poderes ocultos, complexos secretos subterrâneos, buscas ao redor do globo por poderosos artefatos e você tem a receita perfeita para uma organização vilanesca da pior espécie.

Ainda assim, o que muitos desconhecem é que a maneira que os nazistas são retratados nos filmes e na ficção não estão completamente absurdos fora da realidade.

Para enfrentar o mundo, Hitler sabia que seriam precisas várias coisas. Para vencer era necessária toda a ajuda possível, inclusive a paranormal, e, acima de tudo, era fulcral que a sociedade aceitasse o nazismo como uma crença inquestionável.

Ambas as tarefas foram atribuídas à nova seita que se dedicou ao estudo do ocultismo e a implementar o ideal nazi junto da população.

De fato, os nazistas estavam profundamente envolvidos em pesquisas, explorações e experimentos que eram tão estranhos e fantásticos que beiravam o delirante.


Os gregos sabiam da existência dos gigantes bíblicos Nephilins?

Encontradas evidências de que uma mulher papa realmente existiu

Inscrições Estranhas Encontradas no Misterioso Sarcófago Negro Gigante

Descoberto um artefato gigante do mundo antigo sob um lago na Turquia


Eles também estavam enredados em um mundo oculto e bizarro que escolheram acreditar, ser real. A verdade, de fato, pode, e frequentemente é, mais estranha do que podemos imaginar.

Trata-se de uma combinação poderosa que torna os nazistas algo muito mais peculiar e ainda mais terrível do que qualquer ficção.

Oficialmente a ‘Ahnenerbe’ era uma organização criada para valorizar as tradições alemãs e procurar a origem da raça ariana. Na realidade, tratava-se de um grupo de estudo das ciências ocultas com um simples objetivo:

Destruir o Cristianismo e instaurar uma nova religião nazi na Alemanha.

Adolf Hitler e muitos membros do Partido Nazista tinham interesse no mundo oculto, algo que é bem conhecido e documentado. O próprio partido surgiu com base em fraternidades ocultistas e sociedades secretas, aumentando sua influência de maneira meteórica até se converter em uma força política devastadora.

Um emblema rúnico típico da Karotechia
Um emblema rúnico típico da Karotechia

Esse intenso interesse no ocultismo e no misticismo levaram a uma significante expansão de um cabal secreto conhecido como Ahnenerbe.

A Ahnenerbe foi fundada em primeiro de julho de 1935, por ninguém menos do que Heinrich Himmler, comandante das SS (corpo militar de elite dedicado, entre outras coisas, à proteção de Hitler), que se tornaria dentro de poucos anos um dos expoentes na estrutura de poder nazista e o notório líder da SS.

Heinrich Himmler, foi o responsável pela criação da ‘Ahnenerbe’ e era um dos muitos obcecados com o ocultismo.

Himmler foi certamente o mais fanático crente no ocultismo, professando uma fé cega nas ‘forças desconhecidas que nos rodeiam”.

O nome da Organização significa literalmente “herança de nossos antepassados”, e teve seu início como um instituto dedicado a pesquisa arqueológica, antropológica e cultural a respeito da História dos Povos Germânicos.

Os membros da Ahnenerbe tentavam desesperadamente provar esse ponto, que nas suas mentes deturpadas, serviria como comprovação de que eles teriam direito a Conquistar o Mundo.

Na prática, um dos propósitos principais da Ahnenerbe era comprovar as teorias de superioridade racial do Povo Ariano, do qual os alemães acreditavam descender diretamente.

Nesse sentido, eles eram agentes de propaganda em busca de evidências pseudo-científicas que pudessem comprovar suas ideologias pervertidas.

Com esse objetivo, essa organização sombria patrocinou dezenas de expedições e escavações arqueológicas ao redor do mundo em lugares tão diferentes quanto Alemanha, Grécia, Polônia, Islândia, Romênia, Croácia, Africa do Norte, Oriente Médio, Rússia e Tibet.

O propósito dessas expedições eram localizar e recuperar artefatos e relíquias capazes de corroborar suas teorias de que eles descendiam de uma Raça Superior (The Master Race).

Alguns membros chegavam ao ponto de acreditar candidamente que a civilização ariana ainda habitava cidades ocultas no interior do planeta ou outros lugares escondidos do planeta, e que seria questão de tempo até estabelecer com eles contato.

Uma vez no poder as temíveis SS assumiram a liderança. Um corpo de elite ou de monges guerreiros, como ele [Hitler] gostava de chamá-los, integrando os que formariam uma autêntica Ordem Negra que seguiria os preceitos do antigo paganismo germânico e os dogmas de fé no nazismo como crença religiosa”.

Ainda segundo informações, o primeiro departamento da organização foi criado diretamente por Wirth, prestando especial atenção ao

estudo do antigo alfabeto rúnico que tinha particular importância no simbolismo nazi”.

Nazistas no Egito em uma Escavação
Nazistas no Egito em uma Escavação

A prova do interesse pelo alfabeto foi a escolha de um símbolo rúnico, representando a vida, para a ‘Ahnenerbe’.

Não se sabe exatamente em que momento a Ahnenerbe abandonou qualquer contexto científico, ingressando em um caminho que privilegiava o ocultismo.

Conhecendo o pedigree de alguns dos seus líderes não é de se surpreender que eles tenham seguido nessa direção. Herman Wirth, um dos fundadores do Instituto era um historiador holandês obcecado por encontrar a localização de Atlântida, lugar onde ele acreditava existir magia e tecnologia avançada.

Os objetivos da sociedade eram fundamentalmente três:

Investigar o alcance territorial e o espírito da raça germânica, resgatar e restituir as tradições alemãs, e difundir a cultura tradicional alemã entre a população. No entanto, por detrás destes objetivos haviam muitos mais.

Ao longo dos tempos a seita foi-se desenvolvendo e integrando atividades mais diversificadas, como:

As danças e canções tradicionais, folclore, lendas, geografia sagrada e inclusive ciências paranormais.
Uma das reuniões em Wewelsburg
Uma das reuniões em Wewelsburg

Entre as mais conhecidas encontrava-se a secção ocultista. A secção esotérica estava a caro de Friedrich Hielscher e Wolfram Sievers.

Himmler tinha um intenso fascínio por tudo que era ligado ao sobrenatural, uma devoção que beirava a loucura.

Muitos acreditam que Himmler tinha sérios problemas mentais, sendo que um dos seus desejos íntimos era substituir a Religião Cristã por uma que ele próprio escreveria baseando-se em princípios pagãos.


* Um novo estudo sugere que manchas de sangue no Santo Sudário podem falsas

* Jesus mudava de forma de acordo com o texto de 1.200 anos

* Catedral de Lincoln – O Maior Segredo da Maçonaria

Os misteriosos gritos que estão tirando o sono de uma cidade dos EUA


Entre as prioridades da ‘Ahnenerbe’ encontrava-se o fim do Cristianismo e a criação de uma religião própria do nazismo.

Um dos objetivos secretos do regime nazi era eliminar progressivamente a influência dos rituais católicos no povo alemão. Para isso, a organização contava com uma das figuras mais importantes e reconhecidas do ocultismo nazi, o

sumo sacerdote

Friedrich Hielscher.

Apesar de serem poucas as informações sobre este mestre do paranormal, as investigações concordam que era temido por todos os oficiais alemães, tanto que, o chefe da Gestapo (polícia secreta alemã), era um dos seus devotos.

Em suas bases de operação, eles lidavam com temas diversos, desde previsão meteorológica, até atividade psíquica, espiritualismo e condução de expedições aos rincões mais distantes do planeta.

Eles procuravam o lendário Santo Graal (Clique para ver), a localização de Atlântida, da Lança do Destino (Clique para ver) e muitos outros objetos carregados de significado místico.

O grupo também procurava portais e passagens para outros reinos, bem como civilizações perdidas que influenciavam as crenças de outras organizações como a infame Sociedade Thule.

Mapa de escavações e expedições arqueológicas realizadas na Europa
Mapa de escavações e expedições arqueológicas realizadas na Europa

Para acabar então com o Cristianismo, Hielscher criou, através de Himmler, uma religião baseada no sangue e coragem dos soldados alemães. Os feriados cristãos foram sendo substituídos por outros mais próximos da tradição pagã alemã.

O Natal, por exemplo, foi suprimido e, nesse dia, passou a ser comemorada a adoração do Sol. A Páscoa também desapareceu e tornou-se a festa ‘Ostara’, que celebrava o inicio da primavera, lembrando a deusa da fertilidade.

A ‘Ahnenerbe’ também queria acabar com o casamento tradicional e substitui-lo por uma cerimónia criada pelos nazis. Segundo o escritor, uma das mais curiosas práticas desta seita era o uso de uma língua desconhecida quando realizavam orações.

O desejo de dominar novas fontes de poder, levou a Ahnenerbe a criar uma divisão pseudo-científica, que ativamente perseguia a existência de armamento ancestral.

Acreditavam que antigos artefatos religiosos, mencionados em escrituras sagradas, poderiam ser usados como armas definitivas.

Simbolo da Sociedade Thule
Simbolo da Sociedade Thule

O grupo estava fortemente envolvido com áreas bizarras de ciência delirante, incluindo contatar inteligência alienígena fora da Terra e em outras dimensões.

Estava de acordo ainda com a controversa Teoria do Mundo de Gelo, que creditava a criação da Terra a partir de um imenso bloco de gelo que se chocou com o sol e disseminou luas invisíveis que descreviam órbitas a redor do planeta.

A Ahnenerbe também tinha interesse no poder oculto, mágico, ritualístico e psíquico. Tudo isso poderia se converter em armas para serem empregadas contra os inimigos.

Para tanto, eles criaram programas para treinar assassinos psíquicos, feiticeiros que acreditavam poder amaldiçoar à distância, bruxos que usavam sangue e cabelo em rituais, místicos que traçavam mapas astrais para planejar ofensivas e dezenas de outros projetos.

Mais do que qualquer outro grupo de pesquisa do paranormal durante a Segunda Guerra Mundial, o Karotechia procurou explorar o oculto em sua plenitude.

Com o apoio integral da SS e do Departamento de Estado, eles invadiram as bibliotecas e museus de Europa nos países ocupados em uma busca insaciável de conhecimento místico.

Em cada nação, agentes ligados a Karotechia realizavam pilhagem de livros, documentos e material a respeito das ciências ocultas.

Sociedade Thule o braço do Nazismo
Sociedade Thule o braço do Nazismo

Mas a função do Karotechia envolvia muito mais do que obter material de referência e pesquisa. Eles buscavam estudar e compreender o ocultismo sob uma ótica quase científica.

Nenhuma via de estudo deveria ficar inexplorada, não importando o quão peculiar pudesse parecer aos acadêmicos mais tradicionais da Ahnenerbe.

Os membros do Karotechia estavam protegidos diretamente por Himmler e deviam explicações somente ao Chefe da SS, o que lhes permitia estudar até mesmo a Cabala judaica e o Talmud.

Eles eram conhecidos por suas iniciais em documentos, e por nomes em código rúnicos de correspondência interna. Cada divisão à serviço da Karotechia tinha sua própria runa, usada orgulhosamente na lapela dos uniformes negros de seus membros, assim como os membros da SS utilizavam o duplo Sig – a runa da vitória.

A Organização também dedicava importância ao poder das Runas, o estilo de magia germânico por excelência.

Em 1942, a pedido de Himmler, a organização procedeu a experiências médicas em prisioneiros dos campos de concentração, tendo sido declarada organização criminosa em 1946.

Wolfram Sievers, o último diretor da organização, foi enforcado em 1948 por crimes contra a humanidade.

Comente