O misterioso desaparecimento do USS Cyclops no Triângulo das Bermudas

Nenhum pedido de socorro, nenhum bote salva-vidas à deriva no mar. Nada. Como se tivesse sido arrancado da Terra pelo próprio Deus, o USS Cyclops e toda a sua tripulação desapareceram sem deixar vestígios.

Museu Nacional da Marinha dos EUA
Museu Nacional da Marinha dos EUA

O Triângulo das Bermudas reivindicou seu quinhão de embarcações ao longo dos séculos, mas nenhuma é tão desconcertante para os historiadores da Marinha quanto o conto do desaparecimento em 1918 do USS Cyclops.

O navio nunca chegou ao seu destino em Baltimore, Maryland, a partir da cidade portuária de Salvador no Brasil, e um século depois as pessoas ainda estão se perguntando o que aconteceu com ele.

Leia: O Túmulo de Jesus esta no Japão?  –  Mistério! Smartphone aparece em pintura antiga

O Nome vem dos gigantes ferozes de um olho só da mitologia grega. Com 540 pés de comprimento e 65 pés de largura, era o maior cargueiro da Marinha dos Estados Unidos e possuía uma capacidade de carga de 12.500 toneladas.

Após a sua construção na Filadélfia em 1910, as manchetes dos jornais elogiavam seu tamanho, chamando-o de

uma mina de carvão flutuante”.

História Naval dos Estados Unidos e Comando do Patrimônio
História Naval dos Estados Unidos e Comando do Patrimônio

Quando os Estados Unidos entraram na Primeira Guerra Mundial, o Ciclope foi equipado com armas de calibre 50 e ajudou a transportar médicos e suprimentos médicos do Hospital John Hopkins de Baltimore para a França.

Neste momento, o tenente-comandante George W. Worley serviu como comandante do poderoso navio.

Foi no início de janeiro de 1918, que o Ciclope foi designado para reabastecer navios britânicos na costa do Brasil. Menos de dois meses depois, seria para sempre.

Depois de chegar ao Brasil com 9.960 toneladas de carvão para navios ingleses, o Ciclope carregou seu casco com 10.000 toneladas de minério de manganês que seriam usadas para munições e começaram a subir o Atlântico.

Seu destino era Baltimore e, embora não houvesse paradas na programação quando o ciclope partiu do Brasil em 22 de fevereiro, ele parou em Barbados em 3 de março.

O comandante Worley informou que um dos motores do navio havia ficado inoperante por causa de um cilindro rachado.

O navio partiria para o seu destino em Baltimore, a cerca de 1.8000 milhas náuticas de distância, no dia 4 de março, mas nunca faria o seu embarque programado para o dia 13 de março em Maryland.

O USS Cyclops foi embora para sempre sem deixar uma pista. Ele estaria perdido em algum lugar na região triangular ligada pelas Bermudas, Miami e Porto Rico.

Outra vítima do misterioso Triângulo das Bermudas.

Procurando por respostas
Capitão George W. Worley, comandante do USS Cyclops
Capitão George W. Worley, comandante do USS Cyclops

 

O que aconteceu com o navio de transporte da Marinha tem sido uma fonte de debate para o século passado, sem respostas claras.

Mais de 100 navios e aviões desapareceram dentro das linhas invisíveis do Triângulo das Bermudas, e os esforços para localizar o Ciclope perdido foram exaustivos.

Navios da Marinha exploraram a rota que, segundo se acreditava, o Ciclope e as tripulações transmitiam, dia após dia, qualquer sinal de contato. Tudo isso se mostrou infrutífero.

Várias teorias sobre o que aconteceu com o navio e seus homens surgiram nas semanas e anos após seu desaparecimento.

A possibilidade de um ataque do submarino alemão foi posta em causa, mas nenhum vestígio de detritos foi encontrado.

Veja também: Catedral de Lincoln – O Maior Segredo da Maçonaria  –  Uma frota de OVNIs causa pânico em várias cidades da China

Outros alegaram que os mares revoltos poderiam ter afundado o navio que já estava sobrecarregado com sua pesada carga de minério de manganês.

Isso poderia ter sido uma possibilidade, mas nenhuma tempestade foi relatada e não houve pedidos de socorro do navio.

Como outros desaparecimentos no Triângulo das Bermudas, alguns especularam que o Ciclope foi sugado pelas profundezas do oceano por um gigantesco monstro marinho ou um fenômeno sobrenatural.

Claro, a Marinha não deu muita atenção a isso e, em vez disso, voltou seu foco para o comandante do navio. Uma das teorias mais intrigantes sobre o desaparecimento do navio gira em torno de seu comandante.

O tenente-comandante George W. Worley nasceu na Alemanha como Johan Frederick Wichmann e mudou seu nome depois de vir para os Estados Unidos.

Worley teria sido repugnado por sua tripulação por causa de sua frequência por repreender seus homens e puni-los pelas menores ofensas.

Foi no início de janeiro de 1918, que o Ciclope foi designado para reabastecer navios britânicos na costa do Brasil. Menos de dois meses depois, seria para sempre
Foi no início de janeiro de 1918, que o Ciclope foi designado para reabastecer navios britânicos na costa do Brasil. Menos de dois meses depois, seria para sempre

Especula-se que ele era pró-Alemanha durante a guerra e pode ter entregado o Ciclope aos alemães, embora nenhum registro alemão tenha sido encontrado para respaldar essa teoria.

Houve momentos em que parecia que o mistério do destino dos Ciclopes finalmente poderia ser revelado, mas eles nunca deram certo.

Na década de 1960, um mergulhador da Marinha acreditava que havia localizado seus destroços ao largo da costa da Virgínia, o que teria respaldado um rumor de avistá-lo nessa área por um petroleiro de melaço, mas a busca não resultou em nada.

Para a Marinha e para aqueles que tinham parentes a bordo do navio, o USS Cyclops continua sendo um conto de tragédia que termina com um ponto de interrogação.

Só quero que ele seja encontrado”,

                 disse Marvin Barrash, sobrinho-neto de um dos homens que se perdeu com o navio.

Eu quero que o 309 esteja em repouso, assim como as famílias.”

 

Fonte: aqui

Comente