Encontram a mais antiga evidência da peste negra, nos ossos da mulher…

Uma nova descoberta atrasou a linha do tempo da praga negra na Europa ainda mais cedo do que pensávamos anteriormente.

Uma nova cepa da bactéria Yersinia pestis foi identificada em ossos de 4.900 anos de idade em um cemitério neolítico na Suécia.

antiga evidencia da peste negra

É a cepa mais antiga já identificada e a mais basal que já vimos, ou seja, a cepa mais próxima da origem genética das bactérias.

Yersinia pestis tem sido uma praga absoluta para a humanidade ao longo da história, eliminando repetidamente vastas faixas da população.

Ela foi responsável pela praga de Justiniano, que eclodiu em 541 dC, matando 25 a 50 milhões de pessoas; a peste negra do século XIV, que matou 75 a 200 milhões de pessoas na Eurásia; a grande praga de Londres de 1665-1666 dC, que matou 100.000 pessoas, quase um quarto da população da cidade, em apenas 18 meses; e a Terceira Pandemia, que eclodiu em 1855 e matou 12 milhões de pessoas na Índia e na China.


* É possível que um papa medieval tenha feito o 1º Robô?
* Conheça algumas das mais estranhas e bizarras doenças de um livro de fotografias
* Milagre? Como o tumor cerebral de um padre desaparece logo antes de ser operado
Médico do CDC alerta: A vacina contra a gripe desastrosa está causando um surto mortal de gripe

A peste é talvez uma das bactérias mais letais que já existiram para os seres humanos”,

disse o geneticista Simon Rasmussen, da Universidade Técnica da Dinamarca e da Universidade de Copenhague.

O tipo de análise que fazemos aqui nos permite voltar no tempo e ver como esse patógeno evoluiu e que teve um enorme efeito sobre nós.”

Apenas alguns meses atrás, uma equipe diferente de pesquisadores anunciou que haviam encontrado a mais antiga e inequívoca evidência da praga até hoje, nos ossos de pessoas que viviam na estepe da Eurásia há 3.800 anos.

Outra pesquisa realizada no início deste ano também encontrou uma rota de migração para a peste de Justiniano que sugeria uma origem mongol.

Mas se a bactéria se espalhou na Europa antes, isso poderia ajudar a explicar um mistério que tem intrigado os cientistas, a saber, o fim dos primeiros agricultores europeus.

Estas eram pessoas que migraram do Oriente Médio por cerca de 9.000 anos e se reuniram em assentamentos de até 20.000 pessoas.

Essas pessoas, chamadas de cultura Trypillia, desenvolveram tecnologia, como cerâmica, roda e metalurgia, e mantiveram o gado.

Mas há cerca de 5.400 anos atrás, elas simplesmente desapareceram. Seus assentamentos deixaram de ser construídos, e houve uma mudança drástica no genoma que começou cerca de 4.500 anos atrás, sugerindo um novo influxo de pessoas da estepe, que acabou substituindo a Cultura Trypillia.

Então, o que aconteceu com os trypillianos?

É um mistério desconcertante com muitas explicações potenciais que foram muito debatidas. Talvez eles apenas assimilassem a outras culturas.

a aldeia de Trypillia
A aldeia de Trypillia

Talvez eles tenham sido conquistados. Talvez seus recursos acabaram e eles tiveram que seguir em frente.

Mas Rasmussen e sua equipe acreditam que poderia ter sido outra coisa.

A cepa de Yersinia pestis encontrada na Suécia foi separada das outras cepas há cerca de 5.700 anos, antes do influxo das populações de estepe.

Estes enormes assentamentos trippillianos, sem saneamento adequado, e com seres humanos que vivem perto de animais, poderiam ter sido um lugar incrível para a criação de patógenos.

A peste poderia ter evoluído bem nesses assentamentos europeus.

Acreditamos que nossos dados se encaixam. Se a peste evoluísse nos assentamentos, quando as pessoas começassem a morre, os assentamentos seriam abandonados e destruídos”,

disse Rasmussen.

Os médicos medievais se vestiam assim durante as crises da Peste Negra
Os médicos medievais se vestiam assim durante as crises da Peste Negra

Isso é exatamente o que foi observado nesses assentamentos depois de 5.500 anos atrás.

A praga também teria começado a migrar ao longo de todas as rotas comerciais possibilitadas pelo transporte rodoviário, que se expandiu rapidamente por toda a Europa nesse período.

E essas rotas comerciais são o caminho que a peste poderia ter terminado na Suécia, há 4.900 anos.

praga negra a primeira evidencia

Mas neste momento, essas hipóteses estão longe de ser definitivas, particularmente porque a Yersinia pestis ainda não foi identificado em nenhum local de assentamentos ou vestígios de trypillian.

Esse é o próximo passo na investigação.

Nós não encontramos a arma fumegante, mas é em parte porque ainda não a vimos, e realmente gostaríamos de fazer isso, porque se pudéssemos encontrar a praga nesses assentamentos, seria um forte apoio para essa teoria.”

Fonte: aqui.

Comente