Antigos textos tibetanos previram a pandemia de coronavírus há 2.500 anos

No verão de 2008, uma vidente idosa que começou a receber premonições aos 5 anos publicou um livro que continha uma previsão sinistra.

Por volta de 2020, uma doença grave semelhante à pneumonia se espalhará pelo mundo, atacará os pulmões e os brônquios e resistirá a todos os tratamentos conhecidos.

Quase mais intrigante do que a própria doença é o fato de que desaparecerá repentinamente tão rápido quanto veio, mas atacará novamente dez anos depois e então desaparecerá completamente.

Fim dos dias - previsões e profecias sobre o fim do dia mundo Livro escrito por Sylvia Browne
Trecho do livro Fim dos dias – previsões e profecias sobre o fim do dia mundo Livro escrito por Sylvia Browne, que previu a pandemia do Coronavírus

A previsão desapareceu da memória pública e a autora do livro, Sylvia Browne, morreu em 2013.

Mas a pandemia do coronavírus atraiu uma nova atenção para o livro de Browne, intitulado:

Fim dos Dias: Predições e Profecias sobre o Fim do Mundo.”

Durante o confinamento, chegou ao segundo lugar na lista de não-ficção da Amazon, e as cópias físicas agora são vendidas por centenas de dólares.



Mais uma profecia cumprida? OMS declara pandemia global de coronavírus

Menino indiano que previu coronavírus em 2019 alerta para nova pandemia

A misteriosa relação entre a pandemia de coronavírus, o n° 666 e o ​​anticristo

A história por trás do Crucifixo que ‘parou’ a praga há centenas de anos

Baba Vanga previu o coronavírus e o confinamento da população em todo o mundo



No entanto, esta não é a única previsão cumprida da chamada pandemia do século 21…

Uma “previsão” de 2.500 anos atrás

Antigos textos tibetanos previram a pandemia de coronavírus há 2.500 anos

De acordo com antigos textos médicos tibetanos, aqueles que viviam naquela época aparentemente sabiam um pouco sobre epidemias.

E, curiosamente, as epidemias descritas em textos antigos eram assustadoramente semelhantes ao surto de coronavírus que o mundo está experimentando agora.

Os textos médicos, chamados Gyud-Zhi, detalham as práticas medicinais no Tibete e nas regiões do Himalaia há cerca de 2.500 anos.

Eles descreveram as epidemias usando a referência “nyen-rim”.

De acordo com os textos, as pessoas se tornam cada vez mais gananciosas por apresentarem mau comportamento, egoísmo, uso indevido de poderes espirituais, guerras, lutas religiosas e o uso de produtos químicos para destruir a vida de humanos, animais e insetos.

Esses comportamentos perturbam tanto os maras (espíritos) quanto os Dakinis (deuses e deusas), fazendo com que a epidemia se espalhe entre os humanos pela respiração e depois se transforme em uma pandemia.

Conforme relatado pelo jornal indiano Deccan Herald, mudanças drásticas nas estações, infortúnio, deterioração do bem-estar físico e / ou emocional, medo, pânico e raiva, além de comer mais carne e outros alimentos que não são bom para a nossa saúde em geral, eles são a causa desta nova pandemia.

Aqueles que contraíram o nyen-rim (ou epidemia) tiveram infecções pulmonares, falta de ar, tosse, dores de estômago, febre, suores, fraqueza, espinhas escuras e disenteria (uma infecção intestinal que causa diarreia com sangue).

Antigos textos tibetanos previram a pandemia de coronavírus há 2.500 anos

Textos antigos revelaram que o vírus é cego, entrando pela pele no tecido muscular, depois nos canais circulatórios, profundamente nos ossos e, finalmente, nos órgãos.

O vírus, denominado “tre tre ho”, entrava no corpo pelos olhos, nariz, boca, orelhas, ânus e uretra, sendo as áreas do nariz e da boca as mais suscetíveis, que forçou as pessoas a usarem máscaras.

Eles o descreveram como invisível, de movimento rápido e composto de elementos de vento e fogo.

Para que os infectados se curassem do vírus, era preciso ingerir algumas ervas em forma de pílulas, pós, decocções, tônicos, pastas e cervejas medicinais.

Além disso, eles usaram amuletos abençoados com ervas dentro e colocados em volta do pescoço para ajudá-los a se recuperar do vírus ou evita-lo.

Eles também entoavam mantras para manter a mente relaxada e não desenvolver ansiedade e / ou depressão, pois isso fazia o vírus se espalhar ainda mais rápido.

Se um problema pode ser resolvido, não se preocupe; Se um problema não puder ser resolvido, não se preocupe. A preocupação não resolverá nenhum problema”,

disse um monge budista do século 8 chamado Shantideva.

Até agora, a pandemia COVID-19 infectou e matou milhões de pessoas em todo o mundo, mas o pior de tudo, sua origem permanece um mistério.

Existem epidemiologistas que afirmam que é artificial. E enquanto a comunidade científica tenta decifrar o COVID-19, encontramos um antigo texto médico tibetano que previu 2.500 anos atrás como a humanidade seria afetada por um vírus, mas não um vírus normal e atual, mas sim por um vírus causado por mau comportamento, egoísmo, mau uso dos poderes espirituais, guerras, lutas religiosas e o uso de produtos químicos para destruir a vida de humanos, animais e insetos.

E enquanto esperamos por uma vacina milagrosa, talvez a solução esteja no conhecimento tibetano.

Enraizada nos princípios budistas, a medicina tibetana considera as doenças como causadas por um estilo de vida desequilibrado e prescreve curas que requerem mudanças para o resto da vida, além de tratamentos específicos.

Antigos textos tibetanos previram a pandemia de coronavírus há 2.500 anos

A medicina tibetana é um sistema holístico que honra a profunda interconexão entre o corpo, a mente e o ambiente externo.

Cada uma dessas áreas deve ser abordada para se viver uma vida harmoniosa e saudável.

Muitos zombarão dessas crenças, mas neste momento não podemos descartar absolutamente nada.

Na verdade, a medicina tibetana tem muito a nos oferecer no mundo moderno com sua compreensão das emoções e como elas afetam nossos sistemas corporais de maneiras muito reais.

O que você amigo leitor(a) acha desses textos antigos?

Eles nos ofereceram a cura para o COVID-19?

Deixe sua opinião nos Comentários…
Compartilhe com seus amigos…

A Chave dos Mistérios Ocultos

Você já tem a chave, mas terás a coragem de abrir?

Deixe um Comentário