Um pigmento azul usado no Egito antigo poderia gerar eletricidade através do calor

Pesquisas descobriram que um pigmento colorido desenvolvido pelos antigos egípcios há milhares de anos que pode ter uma aplicação extremamente benéfica hoje em dia.
O azul egípcio é considerado o primeiro pigmento sintético
O azul egípcio é considerado o primeiro pigmento sintético

Em um artigo publicado pelo Journal of Applied Physics, uma equipe liderada por pesquisadores do Laboratório Nacional Lawrence Berkeley, do Departamento de Energia, descobriu que o pigmento, conhecido como azul egípcio, é 10 vezes mais fluorescente do que se pensava anteriormente.

Portanto, ele poderia ser usado para aumentar a eficiência energética em edifícios por resfriamento de telhados e paredes e, ao mesmo tempo, permitir a geração de energia solar através de janelas, dizem os autores.

Fluorescência é a emissão de luz de um objeto como resultado do bombardeio de outros tipos de luz ou radiação eletromagnética.


* Historiador afirma que uma pequena rocha é na verdade a ponta da Atlântida

* Encontraram um rosto antigo e supermassivo escondido dentro da Amazônia peruana: O rosto de Amarakarei

Encontraram uma impressionante máscara de estuque do governante Maia


Pesquisas anteriores mostraram que quando o azul egípcio absorve a luz visível, ele emite luz na faixa do infravermelho próximo.

Considerado o primeiro pigmento sintético, o azul egípcio, derivado do cálcio e silicato de cálcio, era rotineiramente usado em antigas representações de deuses e realeza no antigo Egito.

Era conhecido pelos romanos como

caeruleum”,

mas depois dos tempos romanos o pigmento foi reduzido em uso e a forma de sua criação foi esquecida até o século XIX.

Para o seu estudo, os cientistas revestiram as superfícies das amostras com compostos egípcios e compostos egípcios e os expuseram à luz solar, medindo a temperatura posteriormente.

Eles descobriram que os azuis fluorescentes podem emitir quase o dobro de fótons (ou partículas de luz) à medida que absorvem.

O azul egípcio é considerado o primeiro pigmento sintético.  Foi derivado de cobre e silicato de cálcio e foi rotineiramente usado em antigas representações de deuses e realeza no antigo Egito, como este papiro da época.


* Historiador afirma que uma pequena rocha é na verdade a ponta da Atlântida

* O misterioso desaparecimento do USS Cyclops no Triângulo das Bermudas

* A intrigante e misteriosa esfera mágica que apareceu em Atenas

É possível que um papa medieval tenha feito o 1º Robô?


As últimas descobertas reforçam nossa compreensão sobre quais cores são mais eficazes para resfriar telhados e fachadas em climas ensolarados.

Enquanto branco é a opção mais convencional e eficaz para manter um edifício fresco, refletindo a luz solar e reduzindo o uso de energia para o ar condicionado, os proprietários de edifícios muitas vezes exigem cores que não são brancas por razões estéticas.

Os cientistas de Berkeley mostraram anteriormente que os pigmentos vermelhos rubi fluorescentes podem ser uma alternativa eficaz ao branco. Agora, o azul egípcio pode ser adicionado à lista de opções de cores de resfriamento.

Além de seu potencial para resfriar edifícios, a fluorescência do azul egípcio também poderia ser usada para gerar energia.

Se as células solares forem aplicadas nas bordas das janelas tingidas com o pigmento azul, elas poderão converter as altas quantidades de energia refletidas no infravermelho próximo para produzir eletricidade.

Telhados e paredes reflexivos podem arrefecer edifícios e carros. Isso atenuaria o efeito do calor urbano e reduziria a necessidade de ar-condicionado, que utiliza grandes quantidades de energia e, portanto, contribui para a diminuição queima de combustíveis fósseis, um vetor do aquecimento global.

Ao refletir os raios do sol de volta ao espaço, esses materiais frios também liberam menos calor na atmosfera, o que ajuda a resfriar o planeta e neutralizar alguns dos efeitos do aquecimento.

Comente