Diversas startups já estão trabalhando na criação de avatares digitais de pessoas vivas e mortas. Outras já estão construindo, inclusive, robôs de pessoas reais.

Reencarnação digital: Patente da Microsoft permitirá “falar com os mortos”

É uma “reencarnação” digital de pessoas que já faleceram, a partir dos dados registrados nas redes sociais, como imagens, status e mensagens eletrônicas.
Diversas startups já estão trabalhando na criação de avatares digitais de pessoas vivas e mortas. Outras já estão construindo, inclusive, robôs de pessoas reais.
Diversas startups já estão trabalhando na criação de avatares digitais de pessoas vivas e mortas. Outras já estão construindo, inclusive, robôs de pessoas reais.

Você poderá criar um perfil de cada pessoa com base em nossas postagens na web e usar isso para “reviver” uma pessoa em um programa de computador.

Parece loucura?

É possível que, em pouco tempo, muitas pessoas tenham acesso para falar com seus entes queridos falecidos.

A Microsoft entrou com um pedido de patente que levanta a possibilidade intrigante de reencarnar digitalmente as pessoas como um bot de bate-papo.

Em vez de usar o método convencional de treinamento de bots de bate-papo usando conversas e material de uma grande amostra de usuários, a patente da Microsoft, descoberta por Ubergizmo, levanta a possibilidade de criar um bot de bate-papo a partir de dados de uma pessoa específica.

O sistema usaria “dados sociais” como “fotos, dados de voz, postagens em mídias sociais, mensagens eletrônicas [e] cartas escritas” para construir o perfil de uma pessoa.

A descrição da patente indica:

Os dados sociais podem ser usados ​​para criar ou modificar um índice especial sobre o assunto da personalidade de uma pessoa específica. O índice especial pode ser usado para treinar um bot de bate-papo para conversar e interagir com a personalidade de uma pessoa específica.”

O chat bot pode até soar como a pessoa real.



Por que Microsoft deixou 855 computadores no fundo do oceano por dois anos

Engenheiro cria um clone de Jesus com inteligência artificial que emite profecias apocalípticas

China cria um motor que pode “chegar a qualquer lugar do mundo em 2 horas”

Primeiro teletransporte quântico “sustentado” de longa distância alcançado



A patente declara:

Em alguns aspectos, uma fonte de voz de uma pessoa específica pode ser gerada usando gravações e dados de som relacionados à pessoa específica. Um modelo 2D / 3D da pessoa específica pode ser gerado usando imagens, informações de profundidade e / ou dados de vídeo associados à pessoa específica”.

A patente da Microsoft não é particularmente exigente sobre quem pode ser escolhido para ser o alvo de um de seus chatbots, e afirma que o assunto pode estar morto ou vivo.

A patente também indica que as pessoas podem treinar uma versão digital de si mesmas antes de morrer:

“A pessoa específica (representada pelo chat bot) pode corresponder a uma entidade passada ou presente (ou uma versão dela), como um amigo, um parente, um conhecido, uma celebridade, um personagem fictício, uma figura histórico, uma entidade, etc.

A pessoa específica também pode corresponder a si mesmo; por exemplo, o usuário que cria / treina o bot de bate-papo”.

A patente enfatiza o grau em que este chat bot será treinado para as características pessoais do indivíduo, em particular os ‘atributos de conversação’ da pessoa, ‘como estilo, dicção, tom, voz, intenção, duração e complexidade da frase / diálogo, tema e coerência.

Se o bot de bate-papo não tiver dados suficientes para fornecer uma resposta sobre um tópico específico, armazéns de dados de conversas de fontes coletivas podem ser usados ​​para preencher as lacunas, o que é quase literalmente pode colocar palavras na boca das pessoas.

A patente também aborda a complicada questão de gerenciar os perfis dos mortos, sugerindo que o bot pode até estar ciente (para não mencionar uma palavra melhor) que está imitando uma pessoa morta.

Por exemplo, se o bot fez uma pergunta sobre um evento que ocorreu após sua morte na vida real, tais perguntas podem indicar que a pessoa específica representada pelo índice de personalidade personalizado (por exemplo, parente falecido) possui uma percepção de consciência de que ele / ela está, de fato, falecido.

O chat bot pode até soar como a pessoa real.
O chat bot pode até soar como a pessoa real.

A ideia de reencarnar pessoas como bots de bate-papo obviamente levanta todos os tipos de implicações de privacidade que não são cobertas pela patente, que por natureza estão relacionadas à operação técnica do sistema.

Por exemplo, as pessoas terão o direito de optar por sair de tal sistema?

Os parentes dos mortos podem impedir que outros transformem seus entes queridos falecidos em bots de bate-papo?

Essas questões são, obviamente, discutíveis até que a Microsoft (ou outra pessoa) entregue um protótipo funcional.

Você pode ver mais detalhes da patente da Microsoft clicando aqui!

E você amigo(a) leitor(a) gostaria de transformar em uma “presença virtual” um ente ou amigo falecido?

Se sim ou não, essa “presença virtual” não seria apenas uma lembrança?

E sua consciência estaria ali?

Deixe sua opinião nos Comentários…
Compartilhe com seus amigos…
Curiosidades

Deixe um Comentário