É possível que um papa medieval tenha feito o 1º Robô?

A história está cheia de personagens controversos que deixaram para trás uma série de ideias e invenções chocantes.

Na virada do primeiro para o segundo milênio, um dos maiores matemáticos e astrônomos do Ocidente cristão, se não o maior deles, não estava em uma das escolas que se tornariam os embriões das universidades medievais:

Estava sentado no trono de São Pedro.

Como disse Gregorovius na sua História de Roma na Idade Média, foi

um gênio que iluminou com luz vivíssima a sua época”. E abriu “um novo capítulo na história da Igreja”,

observa Roberta Fidanzia no ensaio Silvestre II:

Um Papa na virada do ano mil.

Lendo a história de Gerbert de Aurillac, pode haver alguma coisa suspeita nesse sentido que poderíamos nos fazer questionar nossa compreensão da história antiga.

Mas, quem era “o douto francês Gerbert”, como é definido por August Franzen? Nascido em Auvérnia (França) por volta do ano 945, recebeu uma excelente educação na abadia beneditina de Aurillac.

Era um verdadeiro gênio: destacava-se em todas as artes do trivium (lógica, gramática e retórica) e do quadrivium (aritmética, música, geometria e astronomia).


* A profecia do Papa Francisco a humanidade caminha para o Apocalipse

* Os gregos sabiam da existência dos gigantes bíblicos Nephilins?

Homem se assusta ao ver atividade estranha na câmera de segurança

 Encontradas evidências de que uma mulher papa realmente existiu


É possível que algumas de nossas “invenções modernas” são realmente nada mais do que a redescoberta de algo que há séculos já foram criados?

Aurillac era um estudioso prolífico e professor que promoveu o estudo da aritmética e astronomia na Europa.

Ele foi o responsável pela reintrodução do (modelo de esfera celeste inventado por Eratóstenes em 255 a.C), esquecido no final da era de ferramentas greco-romanas.

Ele nasceu em 946, na cidade de Belliac, França. Em 969 Borrell fez uma peregrinação a Roma, tendo Gerbert com ele.

Aqui Gerbert conheceu o Papa João XIII e o imperador Otto I. O papa convenceu Otto empregar Gerbert como tutor de seu filho, o futuro Otto II.

Em 972, foi estudar em Reims. O arcebispo da Diocese o nomeou bem rapidamente magister da escola: espalhou-se a sua fama de mestre dotado de uma grande personalidade.

O imperador Otto II (973-983), aconselhado pelo Papa, o nomeou abade dos monges columbanianos de Bobbio: nesse lugar, Gerbert, em 983, abriu uma escola que se tornou famosa.

Depois, retornou a Reims; também ali renovou a escola, que se tornou lar de uma cultura aberta para a geometria, a história, a astronomia, a física, a lógica, a poesia, obtendo um sucesso de dimensões continentais.

imperador Otto II
imperador Otto II

Em Reims, Gerbert, depois de vários acontecimentos, foi nomeado arcebispo de Ravena. Em seguida, o imperador Otto III (996-1002) nomeou como sucessor para a sede pontifícia o seu amigo e tutor Gerbert, que, primeiro papa francês, assumiu o nome de Silvestre II (314-335) para simbolizar a colaboração entre o papado e o império.

Obras e invenções estranhas

Mais do que um político, Gerbert era um cientista e tinha que ser, sem dúvida, um dos homens mais sábios do seu tempo.

Ele é o exemplo mais marcante do tipo de melhoria no nível dos prelados que impuseram os imperadores alemães fora de uma igreja em crise profunda, dominado por pornocracia e a simonia.

Gerbert foi uma figura de grande importância científica, religiosa e política, que não poderia ser ignorado por seus sucessores ao trono papal.

Ele foi responsável por uma série de trabalhos que lidam com a aritmética, geometria, astronomia e música; Além disso, ele era um brilhante professor de gramática, lógica e retórica.

Ele tinha aprendido a usar algarismos arábicos e poderia realizar cálculos mentais extremamente difíceis para as pessoas que pensavam em termos de números romanos.

A sagacidade e inteligência de Gerbert, foi muitas vezes muito longe do entendimento de seus contemporâneos, tanto é que, em algumas de suas invenções o povo enxergou como um pouco de magia, bruxaria e satanismo, por isso Gerbert passou a ser considerado como um mágico.

Inicio-se então a crença de que Gerbert estava na posse de um livro de magias roubado de um filósofo árabe durante sua estadia prolongada na Espanha.

Suas contribuições ainda precisam ser mais estudadas, porém tem-se que ele introduziu na Europa, a esta época, o uso de algarismos indo-arábicos porém, segundo consta, propostos por ele mesmo, não os de origem arábica!

Outras contribuições suas foram: a invenção de um ábaco; também a invenção de um instrumento de observação do Sol; e o estudo de tubos de órgãos, usando o sistema numérico de base 12!

Mas o que realmente chamou a atenção, em particular, era cabeça de bronze mecânica contemporânea, construído por

ele”.

Isso poderia ser um robô do passado?

A cabeça foi destruída, ou talvez escondida, com a morte do Papa Silvestre II, mas as referências a sua existência ainda existem na Biblioteca do Vaticano, um lugar cheio de segredos e coleções que poderia agitar o arquivo mundo.

Isso poderia ser um robô do passado?
Isso poderia ser um robô do passado?

A história de Gerbert nos diz duas coisas importantes: que havia um monte de ideias, descobertas e invenções no passado, que agora podem ser vistos nos tempos modernos e, por algum motivo, foi proibido na história, à espera de ser redescoberto pelas novas gerações.

Em segundo lugar, talvez uma das razões da ocultação foi devido a superstição: a inventividade e inteligência foram proibidos e rotulados como obras de demônios.

Talvez, então, agora com a difusão da cultura e do conhecimento seria o verdadeiro remédio para a superstição, que marca o início de um verdadeiro caminho da “humanização” de toda a comunidade humana.

O grande passo da humanidade atual é; redescobrir os mistérios do passado sempre com a mente aberta.

Comente