Um Bug Oculto Na Estrutura Da Digitalização Global É Capaz De Destruir Toda A Civilização Humana

Um bug oculto na estrutura da digitalização global é capaz de destruir toda a civilização humana

Digitalização é a integração de tecnologias digitais na vida cotidiana, digitalizando todas as coisas e eventos ao redor de uma pessoa e da sociedade.
Cada vez mais países estão adotando seus programas nacionais de desenvolvimento de inteligência artificial. A tecnologia de intrigar várias coisas e sistemas da Internet, como uma casa inteligente, está se desenvolvendo ativamente.

Um Bug Oculto Na Estrutura Da Digitalização Global É Capaz De Destruir Toda A Civilização Humana

Os primeiros primórdios de uma digitalização total da economia começaram a aparecer com o advento das primeiras criptomoedas. Então, muitos países anunciaram planos de converter suas moedas nacionais em digital.

Por exemplo, na China, o yuan digital já está sendo testado, embora até agora em um quadro limitado.

A tendência é óbvia e compreensível que em 10 a 20 anos, a humanidade entrará na era da informação, a digitalização se tornará parte integrante de nossa civilização e cada pessoa terá seu próprio lugar digital neste sistema e deixará sua marca em qualquer ação.

Todos os tipos de histórias de terror (como o surgimento de inteligência artificial maliciosa, o levante de máquinas contra pessoas etc.) são especulativos demais, ou até mesmo fantásticos.

Há uma ameaça muito mais real e sinistra do que os eventos mostrados no filme Terminator

The Terminator foi aclamado pela crítica especializada, tendo 100% de aprovação dos especialistas no site Rotten Tomatoes.
The Terminator foi aclamado pela crítica especializada, tendo 100% de aprovação dos especialistas no site Rotten Tomatoes.

Provavelmente, todo usuário avançado de PC se depara com uma situação em que um computador em perfeito funcionamento pode congelar, reiniciar ou desligar de repente.

Uma “tela azul da morte” repentinamente aparece no monitor, e todos os tipos de bugs aparecem em jogos e programas.

Em 99% dos casos, isso é um erro de software ou uma falha no código. No entanto, em 1% dos casos, esta é uma anomalia independente e não mais recorrente.

Uma anomalia semelhante é a falha de um dispositivo totalmente funcional, caso em que é impossível identificar a causa do erro no nível do software.

Portanto, é impossível traçar qualquer padrão de sua manifestação e evitar a ocorrência de tal anomalia no futuro.

A indústria microeletrônica começou a enfrentar tais anomalias já na década de 1970, quando os circuitos integrados tornaram-se criticamente pequenos.

Um pesadelo terrível de qualquer usuário de PC é o aparecimento da tela azul da morte.
Um pesadelo terrível de qualquer usuário de PC é o aparecimento da tela azul da morte.

Tornou-se óbvio quase imediatamente que as fontes de tais falhas são partículas de radiação cósmica de alta energia.

Uma vez em um circuito integrado, uma partícula pode desativá-lo completamente induzindo radiação secundária em elementos individuais do circuito (mas ainda, felizmente, na grande maioria dos casos, as partículas voam através do circuito sem causar danos físicos).

Na maioria das vezes, os raios cósmicos alteram o potencial das células de memória de um microcircuito, por exemplo, substituindo um bit de informação de zero a um.

Este efeito foi referido como “transtorno de evento único”

Dependendo de onde exatamente e que efeito a partícula teve no microcircuito, as consequências dessa “falha única” também diferem.

O programa pode simplesmente emitir um erro de dados críticos ou reiniciar automaticamente, tentando restaurar seu desempenho, ou pode continuar a funcionar, fornecendo dados já errôneos, o que pode provocar um efeito em cascata de um conjunto de erros.

E é bom se este programa for isolado (o bit inverso pode ser reescrito para o correto).

Novo Mecanismo Físico para Erros Suaves em Memórias Dinâmicas
O estudo “Um Novo Mecanismo Físico para Erros Suaves em Memórias Dinâmicas” descreve os mecanismos de tais eventos, sua correlação e frequência de ocorrência, com base na intensidade de irradiação de diferentes circuitos integrados.

E se for de acesso geral e servir de fonte de dados para a execução de outros programas ou sub-rotinas responsáveis, por exemplo, pela execução segura de processos perigosos para o homem ou a sociedade!

A situação é ainda mais agravada pela redução do tamanho dos circuitos integrados.

Assim, em circuitos feitos com tecnologia de 22 nanômetros, a frequência de ocorrência de “efeitos únicos” é aumentada em uma ordem de magnitude em comparação com circuitos baseados na tecnologia de processo de 130 nanômetros.

Com uma dimensão de 22 nanômetros, uma única partícula cósmica é capaz de atingir não um, mas vários elementos lógicos do circuito ao mesmo tempo.

A incidência de danos irreversíveis ao microssoma também está aumentando…

A sonda espacial New Horizons, lançada em 2006 e chegando a Plutão em 2015, usava o processador Mongoose-V ainda mais antigo e endurecido por radiação.

New Horizons
New Horizons é uma missão não-tripulada da NASA para estudar o planeta-anão Plutão e o Cinturão de Kuiper. Ela foi a primeira espaçonave a sobrevoar Plutão, e a fotografar suas pequenas luas Caronte, Nix, Hidra, Cérbero e Estige em 14 de julho de 2015, após cerca de nove anos e meio de viagem interplanetária e ainda sobrevoou o objeto 486958 Arrokoth.

No entanto, as falhas do computador ainda não podiam ser evitadas.

Este problema é especialmente agudo hoje na indústria espacial. A razão mais comum para a falha dos satélites é a falha dos componentes eletrônicos integrados.

Nossos eletrônicos de consumo geralmente não são adequados para operação no espaço, eles falham quase 100% do tempo em um curto período de tempo, diferente dos satélites podem funcionar por vários anos.

Portanto, todos os eletrônicos espaciais são fabricados de acordo com padrões especiais, eles são protegidos ao máximo e duplicados por vários processos paralelos.

É por isso que seu preço é excessivamente alto e não se assemelha à distribuição e uso em massa.

Por exemplo, alguns satélites usam circuitos integrados baseados na tecnologia KNS (silício sobre safira), o que garante resistência à radiação em condições espaciais.



Sugerimos a leitura das seguintes matérias

Tempestade solar de 500 km por segundo pode afetar tecnologia na Terra

homem paraplégico caminha novamente graças a uma técnica inovadora

Cientistas alertam que logo uma poderosa explosão solar pode causar o apocalipse da internet



O sistema binário é um sistema de numeração codificada que trabalha apenas com os dígitos O e 1.
O sistema binário é um sistema de numeração codificada que trabalha apenas com os dígitos O e 1.

Considere os casos mais socialmente significativos de falhas de computador devido a mudanças espontâneas de bits:

Em 2003, durante uma eleição na Bélgica um “distúrbio pontual” devido à exposição a uma partícula ionizante mudou um bit de informação de “0” para “1”, o que atribuiu 4096 votos adicionais ao candidato “x”, acrescentando para os 514 votos reais.

Em 2008, uma partícula de radiação ionizante alterou um pouco as informações da unidade de navegação inercial e controle de voo da aeronave Airbus A330, o que gerou dados incorretos sobre ângulo de ataque, altitude e velocidade de voo.

O piloto automático da aeronave reagiu a isso com um puxão brusco para baixo de tal força que 119 passageiros ficaram feridos de gravidade variável.

Além disso, o erro causou uma falha em cascata na operação de vários sistemas de bordo, o que impossibilitou a continuidade do voo com segurança.

Por mais de 30 anos de estudo ativo desse problema, nenhuma maneira confiável de proteger a eletrônica de partículas únicas de alta energia foi encontrada.

Esse tipo de falha pode acontecer em qualquer lugar, a qualquer hora

Por exemplo, o mais perigoso, na nossa opinião, pode ser o aparecimento de um erro no código do programa de inteligência artificial, que provocará o cancelamento de importantes travas de software.

digitalização
A digitalização é o processo em que se aplicam as tecnologias digitais para simplificar, melhorar e/ou automatizar operações, ou processos de negócio.
Isso poderia cancelar as 3 leis da robótica de Isaac Asimov que são:

1ª Lei: Um robô não pode ferir um ser humano ou, por inação, permitir que um ser humano sofra algum mal.

2ª Lei: Um robô deve obedecer às ordens que lhe sejam dadas por seres humanos, exceto nos casos em que entrem em conflito com a Primeira Lei.

3ª Lei: Um robô deve proteger sua própria existência, desde que tal proteção não entre em conflito com a Primeira ou Segunda Leis.

Mais tarde Asimov acrescentou a “Lei Zero”, acima de todas as outras:

Um robô não pode causar mal à humanidade ou, por omissão, permitir que a humanidade sofra algum mal.

Um erro no sistema bancário, que pode zerar de uma conta bancária pessoal, também será uma surpresa muito desagradável.

Mas e se o táxi autônomo do futuro, devido a uma falha sistêmica, bater em um poste com passageiros?

A digitalização universal – como uma nova etapa evolutiva da sociedade – pode ser uma das etapas do “grande filtro”
Enrico Fermi. (Smithsonian Institution)
Enrico Fermi. (Smithsonian Institution)

O Grande Filtro é uma hipótese proposta em 1996 por Robin D. Henson, destinada a resolver o paradoxo de Fermi, que procede da ausência de vestígios visíveis das atividades de civilizações alienígenas, que, de acordo com todos os cálculos, deveriam ter se estabelecido ao longo do universo durante sua existência.

Todos os saltos evolutivos – tanto fisiológicos quanto tecnológicos – são uma espécie de “Grande Filtro” que a civilização supera ou para de desenvolver ainda mais.

A barreira mais séria na forma do “Grande Filtro” principal é desconhecida pela ciência hoje. Talvez a digitalização de uma civilização inteligente seja a própria barreira.

Imagine uma sociedade que vive em um mundo digital, ambiente virtual e espaço de informação há pelo menos 50 anos.

E então de repente em algum lugar próximo (em uma escala cósmica) uma supernova irrompe, a radiação ionizante que destrói completamente esse ambiente…

Para nós, essa supernova pode ser a estrela Betelgeuse, que, aliás, pode explodir a qualquer momento!
A gigante Betelgeuse, é uma estrela de brilho variável e é das que se podem ser vistas da Terra.
A gigante Betelgeuse, é uma estrela de brilho variável e é das que se podem ser vistas da Terra.

Para a vida biológica na Terra, a explosão desta estrela não representará uma ameaça particular, porém o mesmo não pode ser dito sobre a eletrônica moderna.

Apesar de tudo isso, a digitalização é uma etapa necessária pela qual nossa civilização deve passar para aumentar sua produtividade milhares de vezes, mantendo o nível de consumo dos recursos primários.

Resta-nos apenas proteger o máximo possível e distribuir os data centers de tal forma que seja possível evitar um colapso total de todo o sistema devido a hóspedes indesejados na forma de partículas de radiação cósmica, o impacto do qual, há cerca de 50 anos atras, nem teríamos notado.

E você amigo(a) leitor(a), acha que a radiação cósmica pode afetar nossa “vida digital”?

Deixe sua opinião nos Comentários!
E compartilhe com seus amigos…

Convidamos você a nos seguir em nossa página no Facebook, para ficar por dentro de todas as novidades que publicamos:

A Chave dos Mistérios Ocultos
Catástrofes

Deixe um Comentário