Cientistas detectam aumento de reações nucleares nas ruínas de Chernobyl

Cientistas detectam aumento de reações nucleares nas ruínas de Chernobyl

Cientistas ucranianos descobriram o aumento nas reações de fissão nas ruínas da usina nuclear de Chernobyl, levantando preocupações de que uma nova explosão poderia ocorrer no local.
Cientistas detectam aumento de reações nucleares nas ruínas de Chernobyl
Cientistas detectam aumento de reações nucleares nas ruínas de Chernobyl.

35 anos após o pior acidente nuclear da história, cientistas ucranianos do Instituto para Problemas de Segurança de Usinas Nucleares (ISPNPP) detectaram um número excepcionalmente alto de nêutrons emanando de uma câmara inacessível nas ruínas do complexo da usina nuclear sugerindo que uma reação de fissão começou a ocorrer.

Nos últimos cinco anos, um sensor que mantém a contagem das emissões de nêutrons nas profundezas dos escombros da usina nuclear de Chernobyl acompanhou um aumento gradual na atividade.

Os nêutrons são partículas em um átomo e são um sinal de fissão – a divisão de um núcleo atômico que resulta na liberação de grandes quantidades de energia.

Dentro das salas e corredores da própria instalação demolida, combustível de urânio superaquecido coletado em piscinas misturado com revestimento de zircônio derretido, hastes de controle de grafite e areia liquefeita para produzir uma lava infernal que eventualmente se solidificou em monólitos de materiais contendo a radioatividade.

Conforme relatado por Richard Stone da Science Magazine, pesquisadores do Instituto para Problemas de Segurança de Usinas Nucleares (ISPNPP) em Kiev, Ucrânia, ainda não determinaram se o aumento observado nos nêutrons anuncia um desastre pendente ou se é mais como uma tempestade nuclear.

Há muitas incertezas”,

disse Maxim Saveliev do ISPNPP a Stone.

Mas não podemos descartar a possibilidade de um acidente.”

O pico das emissões de nêutrons da sala 305/2 aumentou cerca de 40% desde o início de 2016.

Esse aumento aponta para uma reação de fissão nuclear, razão pela qual os pesquisadores estão tentando avaliar se o aumento irá desaparecer, como outros picos em diferentes áreas das instalações de Chernobyl.

Causa desconhecida e soluções possíveis

A causa da reação não é totalmente compreendida, mas levanta algumas possibilidades bastante preocupantes.

Usina nuclear de Chernobyl.
Usina nuclear de Chernobyl.

De acordo com o portal da Ciência, os dados do ISPNPP sugerem que secar o combustível de alguma forma torna os nêutrons mais propensos a atingir e dividir qualquer núcleo de urânio.

Cientistas independentes como Neil Hyatt, professor de química de materiais nucleares da Universidade de Sheffield e membro do Comitê de Gerenciamento de Resíduos Radioativos do Reino Unido, também confirmaram que essa é uma possibilidade, embora não seja certa.

Agora vem a questão de como lidar com esse problema…

Um plano é usar um robô resistente à radiação especialmente desenvolvido para fazer furos no declive radioativo endurecido e inserir barras de boro, que atuam efetivamente como uma barra de controle em um reator e reduzem a quantidade de nêutrons.

Os cientistas podem ser obrigados a intervir na câmara, que não foi inserida desde o desastre, para potencialmente evitar outra explosão.



Outras matérias que você pode gostar:

Borboleta mutante encontrada na zona de exclusão de Chernobyl

Um Incêndio florestal em Chernobyl está causando aumento nos níveis de radiação

O enigma misterioso dos cavalos radioativos de Chernobyl

Imagem do porão de Chernobyl é realmente aterrorizante



Quando aconteceu o desastre nuclear em 26 de abril de 1986, grande parte do conteúdo do núcleo do reator Unidade Quatro derreteu em um calor intenso e abrasador, que fez com que cerca de 170 toneladas de urânio irradiado inundassem as salas da sala do reator no porão, onde eventualmente foi resfriado e endurecido como lava coagulada.

Os especialistas estão avaliando o problema para garantir que a reação se estabilize, pois isso poderia levar a uma reação nuclear descontrolada, o que seria profundamente preocupante.

No momento, eles estão usando sensores para rastrear um aumento no número de nêutrons na câmara, mas estão aumentando lentamente, sugerindo que ainda faltam alguns anos para descobrir como reprimir a ameaça, relata a revista Science.

Deixe sua opinião nos Comentários!
E compartilhe com seus amigos…

Deixe um Comentário