Uma enfermeira disse que ela se comunicou com um alienígena abatido em Roswell

Matilda O’donnell Mcelroy: A enfermeira que comunicou um alienígena em Roswell

Quando uma pessoa afirma ter tido contato direto com uma entidade biológica extraterrestre, ela será automaticamente apontada como uma farsa ou amplamente ridicularizada pela mídia, podendo até mesmo perder a carreira profissional ou o emprego.

Um desses casos ocorreu muitas décadas atrás em Roswell, no qual uma enfermeira afirmou ter falado com um alienígena. Apesar de todos os anos que se passaram, este incidente continua a ser objeto de análises e todos os tipos de comentários.

Vamos ver mais detalhes:

Essa estranha e misteriosa história foi publicada em 2008, mas ainda é pouco conhecida até mesmo entre os pesquisadores. É sobre uma mulher que supostamente viu corpos estranhos em Roswell e até se comunicou telepaticamente com um deles.

Em dezembro de 2020, o History Channel lançou um documentário baseado nos diários do oficial militar Jesse Marcel Sr., que liderou a investigação do estranho incidente em Roswell em julho de 1947, especialmente nos escombros estranhos (que não puderam ser perfurados) obtidos no local do acidente.

Após o lançamento deste documentário(você pode assistir dublado no final da matéria), o interesse no tópico Roswell é que aumentou novamente e logo alguns pesquisadores “revelaram” outra história oculta de Roswell sobre uma enfermeira que se comunicou telepaticamente com o único alienígena sobrevivente da queda do OVNI.

A revelação da história

Uma enfermeira disse que se comunicou com um alienígena abatido em Roswell…

Matilda O’donnell Mcelroy
Esquerda: Matilda O’donnell Mcelroy. – Direita: Imagem ilustrada do alien.

É sobre uma mulher chamada Matilda O’Donnell McElroy com o posto de Sargento-mor no departamento médico do Exército Feminino.

Em 2007, Matilda, de 83 anos, contatou o investigador Lawrence Spencer e contou-lhe uma história com a qual não queria levar para o túmulo.

Matilda começou a contar sua história da seguinte maneira:

Muitas pessoas foram mortas para descartar a possibilidade de revelar o conhecimento e isso me fez esconder da sociedade até agora. Apenas um punhado de pessoas na Terra viram e ouviram o que mantive em segredo por sessenta anos. Todos esses anos, pensei que as autoridades haviam cometido um grande erro, acreditando que seu objetivo era proteger a humanidade do conhecimento de que a vida extraterrestre não apenas existe, mas continua e continua a controlar agressivamente e invadir a vida diária de cada pessoa em para a terra”.

De acordo com Matilda, em julho de 1947, ela estava com um oficial militar no local da queda de um objeto desconhecido e foi enviada para lá especificamente como enfermeira militar treinada e experiente.

A mulher garantiu que só contou sua história porque, literalmente, alguns meses depois, queria morrer de eutanásia e não tinha nada a perder.

Comunicação telepática

Quando ela e o oficial chegaram ao deserto do Novo México no local do acidente, a mulher viu os destroços de uma nave estranha e os corpos de dois alienígenas.

Um estava morto e o outro vivo e consciente…

Quando Matilda tentou falar com o alienígena vivo, de repente ela começou a receber “imagens mentais” dele, que ela interpretou como uma tentativa de comunicação telepática.

Segundo a enfermeira, a comunicação com o alienígena era telepática.
Segundo a enfermeira, a comunicação com o alienígena era telepática.

Quando Matilda contou ao policial sobre isso, ela decidiu continuar este esforço e orientou Matilda a entrar em contato com o alien e se comunicar com ele, levando em consideração tudo o que ele diria ou mostraria a ela.

No processo de “comunicação” posterior, Matilda descobriu que o alienígena sobrevivente era uma mulher e que seu nome era Airl.

Matilda acrescentou o seguinte durante a narração de seu caso:

Nossa comunicação não era pela fala no sentido convencional, o corpo estranho nem tinha boca para falar. Nossa comunicação era por telepatia. No começo eu não conseguia entender, mas conseguia perceber imagens, sentimentos e impressões, mas era difícil para mim expressá-los oralmente. Depois que Airl aprendeu inglês, ela foi capaz de focar seus pensamentos com mais precisão usando símbolos e significados de palavras que eu pudesse entender. Aprender inglês foi um grande passo. Foi mais para mim do que para ela”.

Por conta disso, Matilda chegou a ser promovida para outra série e seu salário aumentou.



Você pode gostar dessas também:

Descobriram uma nave alienígena na antártica usando o google maps

Astrofísico renomado alerta que alienígenas exterminadores planejam uma invasão ao nosso planeta

Suposta espaçonave alienígena gigantesca gravada perto de Júpiter

Eles estão vindo? “Naves alienígenas usam o Sol como um portal”



Revelações do extraterrestre
A alienígena disse que eles têm uma base no Cinturão de Asteroides.
Imagem representativa.

A alienígena disse a Matilda que sua missão na Terra era de natureza expedicionária e que ela também era oficial militar, piloto e engenheira.

Ela disse que sua base é chamada de Força Expedicionária e está localizada no Cinturão de Asteroides. Matilda descreveu a aparência de Airl como uma criatura do tamanho de uma criança.

No entanto, não era uma criatura real, mas um biorobot-avatar, cujos tecidos eram feitos de material sintético e cujo corpo poderia ser possuído por um ser de uma ordem superior:

Um verdadeiro alienígena.

Matilda notou que Airl não deu a ela informações sobre seu idioma ou a localização de seu planeta. Ela não tinha certeza das intenções do exército e isso a fez se recusar a revelar informações confidenciais às pessoas.

A enfermeira descreveu isso como um sinal sério, porque se os alienígenas não estão seguros na Terra, então pode ser um grande problema para os humanos.

Airl descreveu sua cultura como muito forte, extremamente antiga e, acima de tudo, seu único objetivo era o progresso.

A alienígena disse que eles têm uma base no Cinturão de Asteroides.

Quando Matilda perguntou a Airl há quanto tempo ela estava visitando a Terra, ela respondeu:

Antes do aparecimento dos humanos. A Terra é um pequeno planeta na borda de uma estrela na galáxia. Isso torna a Terra muito isolada geograficamente das culturas planetárias mais concentradas e mais próximas do centro da galáxia.”

Matilda disse que também conseguiu obter as seguintes informações da alienígena:

Esses fatos óbvios tornaram a Terra adequada apenas para uso como zoológico ou jardim botânico, ou para uso atual como prisão, e nada mais. Essas criaturas foram capturadas, presas e transportadas para a Terra de várias partes do ‘Velho Império’. As estações subterrâneas onde essas criaturas foram preservadas (ou ainda estão preservadas) foram estabelecidas em Marte e na Terra nas montanhas Rwenzori na África, nos Pirenéus (entre Espanha e França) e nas estepes da Mongólia”.

Matilda conversou muito com Airl, mas em algum momento ela “morreu”, o que significa que o alienígena deixou o corpo de seu avatar.

Matilda não explicou ou não sabia o motivo.
Capa do livro Entrevista com o Extraterrestre de Lawrence R. Spencer. Disponível na Amazon.
Capa do livro Entrevista com o Extraterrestre de Lawrence R. Spencer. Disponível na Amazon(clique aqui).

A história de Matilda foi publicada no livro de Spencer de 2008, Alien Interview.

Obviamente, esta é uma narrativa surpreendente, que poderia ser considerada fantástica por algumas pessoas.

Real ou inventado, o que se pode resgatar aqui é que os fatos foram apurados e até um livro foi escrito sobre essa experiência. Além disso, a enfermeira expressou que não o havia revelado antes por medo de um atentado contra sua vida, e que o fazia agora, pois devido à sua idade avançada não tinha nada a perder.

Veja o documentário da The History Channel Brasil: Caso Roswell – Diário da Testemunha

O que você amigo(a) leitor(a) acha uma grande imaginação ou as verdadeiras memórias de uma enfermeira?

Deixe sua opinião nos Comentários!
E compartilhe com seus amigos…

Deixe um Comentário