Projeto científico identificou 95 ‘mundos frios’ perto do sol

Um grupo de cientistas descobriram 95 “mundos frios” perto do sol:
Objetos celestes, conhecidos como anãs marrons…

Projeto científico identifica 95 'mundos frios' perto do sol

Anãs marrons são objetos no espaço colocados em peso entre as estrelas mais leves e os maiores gigantes gasosos.

Embora eles não tenham sido capazes de sustentar a fusão nuclear usando hidrogênio em seus núcleos, como as estrelas normais fazem.

Que são maiores que palmeiras e têm um peso mais leve que as estrelas, revela um novo estudo.

Com a ajuda do Observatório W. M. Keck em Maunakea, no Hawaii, a equipa de investigação descobriu que vários destes mundos recém-descobertos estão entre os mais frios conhecidos, com alguns perto da temperatura da Terra e frios o suficiente para abrigar nuvens de água.

Publicada no Astrophysical Journal e em um servidor pré-imprensa arXiv.org, pesquisas revelam que

cerca de 95 mundos frios perto do Sol”,

Foram identificados pelo projeto científico cidadão ‘Backyard Worlds: Planet 9’.

Esses mundos legais oferecem a oportunidade de obter novas percepções sobre a formação e atmosferas de planetas além do Sistema Solar”,

disse o principal autor do estudo, Aaron Meisner, do NOIRLab da National Science Foundation.

Esta coleção de anãs marrons frias também nos permite estimar com precisão o número de mundos flutuando livremente no espaço interestelar perto do Sol.”



China cria um “sol artificial” e é mais quente que o nosso

Astrônomos descobrem megaestrutura drenando energia de uma estrela

A “porta para o inferno” na Sibéria continua a crescer em tamanho

Astrônomos descobrem uma ‘mini lua’ que orbita a Terra por 3 anos

Uma das falhas geológicas mais perigosas do planeta foi ativada

Astrônomos encontraram uma estranha estrela de nêutrons que “não deveria existir”



A nova descoberta preenche uma lacuna na gama de anãs castanhas de baixa temperatura, identificando um elo perdido e há muito procurado dentro da população de anãs castanhas.

Dados arquivados do Telescópio Nicholas U. Mayall de 4 metros do Observatório Nacional de Kitt Peak (KPNO) e do Telescópio Victor M. Blanco também de 4 metros do Observatório Interamericano de Cerro Tololo (CTIO) tornaram a descoberta possível.

Mundos ainda a serem descobertos.

De acordo com o comunicado, alguns dos mundos recém-descobertos estão entre as temperaturas mais baixas descobertas até agora, incluindo níveis próximos à Terra e são

frios o suficiente para abrigar nuvens de água”.

As temperaturas das anãs marrons recém-encontradas são fornecidas pelo Telescópio Espacial Spitzer da NASA.

Telescópio Espacial Spitzer da NASA
O telescópio espacial Spitzer foi inicialmente denominado de SIRTF, que significa Space Infrared Telescope Facility.

Pesquisadores do Backyard Worlds (aproximadamente 100.000 em todo o mundo) encontraram cerca de 1.500 mundos frios perto do sol.

Este documento é uma evidência de que o bairro solar ainda é território desconhecido e os cientistas são excelentes cartógrafos astronômicos”,

disse o coautor Jackie Faherty, do Museu Americano de História Natural, no comunicado.

O mapeamento das anãs marrons mais frias para as massas inferiores nos dá informações-chave sobre o processo de formação de estrelas de baixa massa, ao mesmo tempo em que fornece uma lista de alvos para estudos detalhados das atmosferas dos análogos de Júpiter.”

Apesar da dificuldade de encontrar anãs marrons, pesquisadores descobriram uma riqueza de informações nos últimos anos, como a anã branca “vampira”, que tem o nome por estar “sugado” a vida de uma anã marrom próxima.

Representação da Anã Branca "Vampira"
Representação da Anã Branca “Vampira”

Em agosto de 2018, um gigantesco, brilhante e “desonesto” objeto de massa planetária foi detectado, surpreendendo os cientistas pelo seu tamanho e pelo fato de não orbitar uma estrela.

A NASA explica que as anãs marrons são o

elo perdido entre planetas gigantes gasosos como Júpiter e pequenas estrelas de baixa massa”.

Anãs marrons são estrelas fracassadas do tamanho de Júpiter, mas elas não têm energia interna e não criam luz visível, tornando-as difíceis de identificar.

Anãs marrons foram descobertas pela primeira vez em 1994 e depois confirmadas no ano seguinte, em 1995.

Fonte: Aqui

Deixe sua opinião nos Comentários…
Compartilhe com seus amigos…

A Chave dos Mistérios Ocultos

Você já tem a chave, mas terás a coragem de abrir?

Comente