Laboratório Secreto de Alquimia Subterrâneo Descoberto em Praga Durante o Dilúvio

A cidade de Praga, a capital da República Checa, é conhecida por muitas coisas.

Mas um aspecto de sua história é frequentemente ignorado.

Praga era um grande centro do ocultismo e das artes das trevas no século XVI. A evidência para este lado de Praga emergiu com a descoberta em 2002 de um edifício antigo que parece ter sido um laboratório de alquimia…

O Speculum Alchemiae.
Speculum Alchemiae
Speculum Alchemiae

Em 2002, a cidade de Praga foi atingida por uma enchente devastadora que deixou 30 mil pessoas desabrigadas e pelo menos 16 pessoas mortas.

Durante a limpeza após a inundação, uma casa foi encontrada no bairro judeu, contendo numerosas instalações de laboratórios subterrâneos que datam do século XVI. Um exame mais aprofundado do edifício levou aqueles que acreditavam que era um laboratório de alquimia.

A descoberta consistiu em oficinas de alquimia com equipamento e uma rede subterrânea de túneis que ligavam três locais importantes em Praga:

A antiga Prefeitura, o Quartel e o Castelo de Praga. A casa é agora o local do museu alquímico, Speculum Alchemiae.


* Encontram um desenho de Jesus Cristo do século V e diferente da representação cristã clássica
* Encontram a mais antiga evidência da peste negra, nos ossos da mulher
A misteriosa identidade dos 144.000 do livro do Apocalipse

No século 16, Praga era o domínio do Sacro Imperador Romano Rudolf II (1552-1612). Rudolf II é conhecido por ter sido um grande patrono das artes e ciências.

Retrato do imperador romano sagrado Rudolf II por Hans von Aachen
Retrato do imperador romano sagrado Rudolf II por Hans von Aachen

Ele foi nomeado Sacro Imperador Romano em 1576 e chegou a governar na cidade de Praga em 1583. Até sua morte em 1612, Rudolf II ajudou a tornar Praga em um dos principais centros de pesquisa científica e produção artística na Europa.

Ele hospedou alguns dos cientistas, filósofos e artistas mais importantes do continente naquela época.

Alguns cientistas proeminentes que trabalharam em Praga sob seu patrocínio foram os astrônomos Tycho Brahe (1546-1601) e Johannes Kepler (1571-1630).

Além do interesse do imperador pela ciência, ele também parecia interessado pelo oculto. Rudolf II era um patrono dos alquimistas e interagia com figuras conhecidas do tipo mago, como John Dee e Edward Kelley.

Este laboratório do século XVI parece ter sido resultado do interesse do imperador em coisas arcanas que pertencem à sabedoria oculta das eras passadas.

Rudolf II: Entusiasta da Ciência e Ocultista?

Hoje existe uma clara separação entre o que é considerado ciência e o que é considerado misticismo e magia. Alquimia, astrologia e disciplinas similares são consideradas pseudociência pelos cientistas de hoje.

O museu Speculum Alchemiae em Praga mostra o lado oculto da cidade
O museu Speculum Alchemiae em Praga mostra o lado oculto da cidade

Nos séculos 16 e 17, no entanto, parece ter havido menos separação entre ciência e misticismo. Muitas figuras consideradas grandes cientistas hoje também eram fascinadas pelo ocultismo.

Johannes Kepler, por exemplo, também era astrólogo. Isaac Newton, além de fazer contribuições revolucionárias para o campo da mecânica clássica, também passou grande parte de sua vida estudando alquimia.

Robert Boyle, o pai da química moderna, também foi fortemente influenciado em seu pensamento pelos alquimistas anteriores.

Por outro lado, John Dee, conhecido por ser um alquimista e místico, também foi um brilhante matemático e astrônomo que também trabalhou na navegação.

Estas são todas as atividades que seriam consideradas ciência legítima hoje.

Como resultado, é possível que Rudolf II não tenha visto uma distinção importante entre seu interesse pela astronomia e pela matemática, por um lado, e seu apoio à alquimia, à astrologia e ao ocultismo, por outro.

Ele, como muitos intelectuais da época, pode tê-los visto como lados mundanos e fantásticos do mesmo espectro. Todas eram atividades científicas.

Razão para o sigilo

Embora a alquimia e disciplinas similares fossem consideradas disciplinas científicas legítimas na época, ainda havia algum risco em praticá-las.

Retrato de John Dee
Retrato de John Dee

O interessante que Rudolf II tenha escolhido construir este laboratório de alquimia no bairro judeu.

É possível que a razão disso tenha sido que, de certa forma, o judaísmo era mais amigável para as ciências ocultas do que o cristianismo. Assim, construí-lo ali teria despertado menos suspeita.

Legado da Alquimia
Parte do especulo Alchemiae
Parte do especulo Alchemiae

A alquimia não é mais aceita como uma forma científica de olhar para a natureza, mas há evidências históricas crescentes de que os primeiros alquimistas fizeram contribuições úteis à ciência e lançaram as bases para a fundação de campos posteriores como física e química.

Embora os alquimistas nem sempre entendessem os resultados de seus experimentos, os experimentos alquímicos ocasionalmente produziam descobertas reais e interessantes.

Um exemplo é a árvore do filósofo:

Árvore de Diana bem desenvolvida (Árvore Filosofal) crescida sobre haste de cobre de amálgama de prata / mercúrio colocada em solução 0.1 M de nitrato de prata - tempo de reação 2 h.
Árvore de Diana bem desenvolvida (Árvore Filosofal) crescida sobre haste de cobre de amálgama de prata / mercúrio colocada em solução 0.1 M de nitrato de prata – tempo de reação 2 h.

O resultado de um experimento alquímico que produziu uma estrutura de ouro semelhante a uma árvore. Um químico e historiador científico da Universidade John Hopkins, Lawrence Principe, usou textos e cadernos de alquimia para repetir o experimento e foi capaz de produzir a árvore do filósofo.

Os alquimistas não conseguiram transmutar os metais básicos em ouro, mas eles podem ter entrado em algo mesmo sem perceber.

É possível que a alquimia fosse uma protociência no século 16, precursora de um campo científico completo, em vez de uma pseudociência.

Isso faz com que o laboratório de alquimia seja um precursor de um laboratório científico. Em vez de ser um beco sem saída, o trabalho dos alquimistas medievais abriu o caminho para o trabalho dos químicos modernos.

 

Fonte: aqui

Comente