-A incrível bactéria que come metais pesados ​​e expele ouro

A incrível bactéria que “come” metais pesados ​​e expele ouro

Compartilhe esta matéria...
Pode não ser uma galinha dos ovos de ouro, mas existe uma bactéria capaz de absorver compostos tóxicos ricos em metais e deles extrair ouro, produzindo minúsculas pepitas de ouro.
Pode ser o cocô mais valioso do planeta, a bactéria em questão chama-se Cupriavidus metallidurans e vive em solos ricos em elementos tóxicos.

Conforme relatado na revista Metallomics, um grupo internacional de pesquisadores elaborou os processos moleculares que permitem esse depósito biológico de ouro.

Tudo tem a ver com como você lida com cobre e ouro no solo, tanto o cobre quanto o ouro são tóxicos em grandes quantidades, mas as bactérias evoluíram para exigir cobre para sobreviver.

O solo em que C. metallidurans vive é rico em metais pesados ​​tóxicos, que a bactéria converte em uma forma mais fácil de tratar. Se houver muito cobre, a bactéria pode ativar uma enzima especial, chamada CupA, que pode bombear todo o excesso de cobre e mantê-lo saudável.

C. metallidurans pode produzir pequenas pepitas de ouro.
C. metallidurans pode produzir pequenas pepitas de ouro.

Dietrich H. Nies, um microbiologista da Martin Luther University Halle-Wittenberg, disse em um comunicado:

“Além dos metais pesados ​​tóxicos, as condições de vida nesses solos não são ruins. Há hidrogênio suficiente para economizar energia e quase nenhuma competição. Se um organismo decide sobreviver aqui, ele precisa encontrar uma maneira de se proteger dessas substâncias tóxicas.”

No entanto, algo peculiar acontece quando o ouro está presente, compostos de cobre e ouro são extremamente tóxicos, então as bactérias precisam se proteger, para fazer isso, a CupA é inativada e outra enzima, a CopA, é ativada.



Sugerimos a leitura das seguintes matérias

Pesquisador mostra como um fungo comum remove mercúrio tóxico do solo e da água

Estranho ecossistema ‘alienígena’ encontrado em mina de urânio abandonada

Misteriosa substância “não identificada” está se espalhando nos sistemas aquáticos



Outra imagem das minúsculas pepitas de ouro.
Outra imagem das minúsculas pepitas de ouro.

Isso transforma os compostos de cobre e ouro em formas difíceis de absorver.

Nies acrescenta:

“Isso garante que menos compostos de cobre e ouro entrem no interior da célula. As bactérias são menos envenenadas e a enzima que bombeia o cobre pode se livrar do excesso de cobre sem impedimentos. Outra consequência: compostos de ouro de difícil absorção são transformados fora da célula em pepitas de ouro inofensivas com alguns nanômetros de tamanho.”

Os resultados da pesquisa foram publicados na revista Applied and Environmental Microbiology.

Deixe sua opinião nos Comentários!
E compartilhe com seus amigos…

Convidamos você a nos seguir em nossa página no Facebook, para ficar por dentro de todas as novidades que publicamos:

A Chave dos Mistérios Ocultos(clique ou toque para abrir)


Descubra mais sobre A Chave dos Mistérios Ocultos

Subscribe to get the latest posts sent to your email.

A Chave dos Mistérios Ocultos
Curiosidades

Deixe um Comentário