Foto: UNICEF - by A.Romenzi
Categorias:

Porque as máscaras de várias crianças tiveram que ser analisadas?

Um grupo de pais enviou as máscaras faciais de seus filhos a um laboratório para análise e foi isso que eles encontraram…
Foto: UNICEF - by A.Romenzi
Foto: UNICEF – by A.Romenzi

Esses pais contrataram o laboratório por se preocuparem com a possibilidade de contaminação das máscaras que seus filhos que são obrigados a usar o dia todo na escola, colocando-as e tirando-as, colocando-as em várias superfícies, etc.

Isso os levou a enviar as máscaras para um laboratório no Centro de Pesquisa e Educação de Espectrometria de Massa da Universidade da Flórida.

Há mais de um ano, somos informados de que é necessário introduzir o uso forçado generalizado de máscaras, porque mesmo que a eficácia de conter a disseminação de COVID-19 seja apenas moderada, insignificante ou não, haverá zero desvantagens.

Gainesville, Flórida (16 de junho de 2021) – Um grupo de pais em Gainesville, Flórida, preocupados com os possíveis danos das máscaras, doou seis máscaras faciais a um laboratório para análise.

O relatório recebido mostrou que cinco máscaras estavam contaminadas com bactérias, parasitas e fungos, incluindo três bactérias patogênicas perigosas e bactérias que causam pneumonia.

A tabela abaixo, compilada por um grupo de pais, mostra o perigo potencial para cada patógeno:
A tabela abaixo, compilada por um grupo de pais, mostra o perigo potencial para cada patógeno.
A tabela abaixo, compilada por um grupo de pais, mostra o perigo potencial para cada patógeno.

A análise revelou os seguintes 11 patógenos perigosos nas máscaras:

– Streptococcus pneumoniae (pneumonia)

– Mycobacterium tuberculosis (tuberculose)

– Neisseria meningitidis (meningite, septicemia)

– Acanthamoeba polyphaga (ceratite e encefalite amebiana granulomatosa)

– Acinetobacter baumanni (pneumonia, bacteremia, meningite, IMP – resistentes aos antibióticos)

– Escherichia coli (intoxicação alimentar)

– Borrelia burgdorferi (causa a doença de Lyme)

– Corynebacterium diphtheriae (difteria)

– Legionella pneumophila (doença dos legionários)

– Staphylococcus pyogenes serótipo M3 (infecções graves – alta incidência)

– Staphylococcus aureus (meningite)

Metade das máscaras estava contaminada com uma ou mais cepas de bactérias que causam pneumonia.

Um terço estava infectado com uma ou mais cepas de bactérias que causam meningite e também patógenos bacterianos perigosos e resistentes a antibióticos.

Além disso, patógenos menos perigosos foram identificados, incluindo patógenos que podem causar febre, úlceras, acne, infecções por fungos, faringite, doença periodontal, febre maculosa das Montanhas Rochosas e muito mais.

As máscaras estudadas eram novas ou recém-lavadas antes de vestir e foram usadas por 5 a 8 horas, principalmente por crianças de 6 a 11 anos. Uma máscara foi usada por um adulto.



Veja também:

Virologista da OMS diz que o novo coronavírus é a ‘Doença X’, e pode matar 80 milhões de pessoas

Um estudo científico mostra que os humanos têm a capacidade de regenerar partes do corpo com a mente

Cientistas constroem uma célula artificial que cresce e se replica como uma célula natural

Índia usará mantra poderoso para curar os infectados por coronavírus



Porque as máscaras de várias crianças tiveram que ser analisadas

Uma camiseta usada por uma das crianças na escola e máscaras não usadas foram testadas como controles. Nenhum patógeno foi encontrado nos controles.

As proteínas encontradas em uma camiseta, por exemplo, não são patogênicas para os humanos e são comumente encontradas no cabelo, na pele e no solo.

A chefe do estudo, Sra. Amanda Donoho, observou que esta pequena amostra aponta para mais necessidades de pesquisa:

Precisamos saber o que vestimos no rosto de nossos filhos todos os dias. As máscaras criam um ambiente quente e úmido propício para o crescimento de bactérias.”

Deixe sua opinião nos Comentários!
E compartilhe com seus amigos…
Convidamos você a nos seguir em nossa página no Facebook, para ficar por dentro de todas as novidades que publicamos:

Deixe um Comentário