Cientistas ainda não sabem exatamente o que acontece quando você se comunica com os mortos.

Os cientistas provam que a comunicação com os mortos é real

Quando a maioria de nós ouve o termo “médium”, pensamos em tabuleiros de ouija, cartas de tarô e bolas de cristal.

Mas a verdade é que ser médium significa muito mais do que tudo isso…

Os cientistas provam que a comunicação com os mortos é real

Em outras palavras, um médium é alguém que pode se comunicar com as almas do outro lado. No entanto, ao contrário da crença popular, os médiuns não falam com os mortos, eles são simplesmente sensíveis e intuitivos o suficiente para ouvir, sentir e ver as informações vindas do outro lado.

Existem várias maneiras de os médiuns terem “conversas” com o falecido. Alguns optam por se submeter à possessão, agindo como um “recipiente” para os espíritos que precisam de uma forma humana para se comunicar com este mundo.

Muitos médiuns também são empáticos e, portanto, capazes de compartilhar as experiências daqueles em ambos os lados do véu, e alguns interagir com espíritos tão claramente quanto fazem com aqueles neste plano físico.

Apesar de todas essas informações, muitas pessoas afirmam ouvir ou sentir os mortos. De Celine Dion a Kesha e pessoas normais, é realmente muito mais comum do que você pensa.

E agora uma nova pesquisa científica mostrou que a mediunidade e outras habilidades como a clarividência são completamente reais.

Mais que um sexto sentido

De acordo com os pesquisadores que participaram deste estudo, as pessoas que ouvem as vozes dos mortos estão experimentando comunicações clariaudientes(significa a experiência de ouvir algo na ausência de um estímulo externo, cujo a mesma experiência é atribuída aos espíritos dos mortos).

Mais que um sexto sentido

O estudo, que incluiu 65 médiuns da União Nacional de Espíritas (SNU) e 145 pessoas normais, descobriu que os médiuns são mais propensos a atividades mentais imersivas, como atividades imaginativas ou vivência de estados alterados de consciência, e muitas vezes têm problemas auditivos incomuns.

65 por cento dos participantes que ouvem os mortos revelam que costumavam se comunicar com eles dentro da cabeça. No entanto, um em cada três médiuns afirmou ter tido comunicação espiritual de dentro e de fora da cabeça.

O relatório do estudo revelou que os médiuns eram menos propensos a se preocupar com a opinião dos outros.

Eles também sentiram o desejo de saber por que ouvem essas vozes estranhas e tendem a ter uma crença maior em atividades paranormais em comparação com os outros.

Nossas descobertas falam muito sobre ‘aprendizado e anseio'”,

disse o Dr. Adam Powell, da Durham University, e principal investigador do estudo.

Para os nossos participantes, os princípios do espiritismo parecem dar sentido tanto às extraordinárias experiências da infância quanto aos frequentes fenômenos auditivos que vivenciam como médiuns praticantes. Mas todas essas experiências podem resultar mais de certas tendências ou habilidades iniciais do que simplesmente acreditar na possibilidade de entrar em contato com os mortos, se tentarmos o suficiente.”

O estudo, que foi publicado na revista científica Mental Health, Religion and Culture, analisou como os médiuns vivenciam “vozes” espirituais e também comparou os níveis de absorção, propensão a alucinações, aspectos de identidade e crença no paranormal.



Confira:

DNA Fantasma: Como um cientista russo tentou provar a existência da alma

A morte não existe, de acordo com a teoria científica baseada na física quântica

Médico prova nossos entes falecidos nos esperam no momento de nossa morte

Médico descobre o peso da alma: 21 gramas



Os resultados mostraram que níveis elevados de absorção e suscetibilidade a esse fenômeno auditivo foram relacionados a comunicações clariaudientes mais frequentes.

Além disso, quase 80% dos médiuns disseram que a comunicação espiritual auditiva fazia parte de suas vidas diárias, e cerca de metade dos participantes disseram ouvir as vozes dos falecidos diariamente, e mais de 30% relataram uma experiência de clariaudiência.

As experiências espíritas de clarividência e clariaudiência são de grande interesse científico, tanto para antropólogos que estudam experiências religiosas e espirituais quanto para cientistas que estudam “experiências patológicas alucinatórias”.

Mas é importante notar que, independentemente deste novo estudo e das muitas teorias por aí, os cientistas ainda não sabem exatamente o que acontece quando você se comunica com os mortos.

Até o momento, nenhum estudo explora especificamente os correlatos neurofuncionais de fenômenos visuais alucinatórios na população enlutada.”

escreveu Daniel Collerton em seu livro The Neuroscience of Visual Hallucinations.

Como os especialistas apontam, não há como antecipar esses eventos, então qualquer tentativa de controlá-los em um laboratório é totalmente impossível.

Cientistas ainda não sabem exatamente o que acontece quando você se comunica com os mortos.

Também não houve estudos sobre a população de médiuns espíritas, o que pode ser o motivo pelo qual muitas pessoas estão mais inclinadas a acreditar que comunicar-se com os mortos nada mais é do que um engano psicológico.

Os pesquisadores da Durham University continuam a analisar a clariaudiência e a mediunidade, trabalhando com praticantes para obter uma melhor compreensão de como é receber essas experiências.

Descobrimos que a ciência, na tentativa de encontrar uma explicação lógica e racional para a clariaudiência e mediunidade, apresentou resultados realmente inesperados e inexplicáveis.

Elas não apenas mostraram que a comunicação com os mortos é real, mas também sem saber que há vida após a morte física, ou pelo menos algum tipo de comunicação com outra realidade completamente diferente da nossa.

E você amigo leitor(a) já teve experiências mediúnicas?

Deixe sua opinião nos Comentários…
Compartilhe com seus amigos…

Deixe um Comentário