Médico descobre o peso da alma: 21 gramas

Muitos leitores podem ter visto o filme 21 Gramas (Alejandro González Iñárritu), em que Sean Penn, Naomi Watts e Benicio Del Toro, entre outros, o filme gira em torno de histórias de acidentes com carro.

Guillermo Arriaga, roteirista, levou o título de um episódio histórico do escritor francês André Maurois em seu romance de 1931 Le peseur d’âmes (A balança de almas):

A balança de almas
A balança de almas

Um experimento no início do século XX pelo Dr. Duncan MacDougall, que ele tentou demonstrar sua teoria de que o peso que as pessoas perdem quando morrem é devido à alma que é libertada do corpo.

Duncan MacDougall praticou medicina em Haverhill, Massachusetts, nascido em 1886, seu estágio anterior como médico não tem muito significado.

É a partir de 1901 que entra na história para levantar a hipótese de que a leve perda de peso que os cadáveres experimentam logo após a morte poderia ser devida ao progresso da alma, o que implicaria que ela não apenas existiria, mas teria massa e portanto, poderia ser medida.

Duncan MacDougall em 1911
Duncan MacDougall em 1911

Para isso, ele selecionou seis pacientes de lares que estavam prestes a morrer.

Eles tinham idades, origens e doenças diferentes, sendo quatro deles pacientes com tuberculose, outro com diabetes avançado e o restante de uma condição não especificada.

Já fase terminal, o paciente era transferido com todo o resto, desde suas roupas até os lençóis e cobertores, para uma cama especialmente projetada para calcular seu peso.

Sua precisão era industrial, com uma margem mínima de erro de 0,28 gramas.

O primeiro que morreu teve uma perda de peso a uma taxa de uma onça por hora (28,7 gramas), até que ele parou de respirar e a quantidade de repente subiu para 0,75 onças (21,2 gramas).

O segundo perdeu 0,50 onças (14,17 gramas), mas após a ausculta, regrediram novamente e o registro aumentou para uma onça e meia (43,5 gramas). O terceiro perdeu meia onça, que pouco depois se tornou uma onça (28,7 gramas).


Os 7 sintomas que antecedem a morte
* Os Desafios da Vida: Obrigatórios vs Opcionais
* Capela de São Roque: Um Santuário da Vida em um Cemitério
*Os animais tem alma? E que acontece quando eles morrem?

A sala foi descartada do estudo porque, no momento fatal, a cama da balança não estava devidamente ajustada. Ao morrer, o quinto baixou três oitavos de onça que logo se recuperou para voltar a perdê-los pouco a pouco minutos depois.

Finalmente, o sexto também teve que ser excluído da investigação porque ele perdeu a vida antes que a cama pudesse ser ajustada.

As conclusões do estudo não foram publicadas até seis anos depois. Foi em abril 1907 na prestigiosa revista Journal of the American Medical Association, sob o pomposo título The Soul(a alma):

Hipótese sobre substância da alma juntamente com a evidência experimental da existência de tal substância.

Mas no mês anterior o The New York Times já teve acesso ao texto, publicando um artigo intitulado Soul has weight, says a doctor (a alma tem peso, diz um médico).

Corte do artigo do New York Times
Corte do artigo do New York Times

Imediatamente, a comunidade científica rejeitou o trabalho de MacDougall, considerando-o defeituoso em profundidade e forma.

Eles criticaram seu sistema de pesagem, que consideravam insuficientemente exato para tal objetivo, bem como o número limitado de sujeitos empregados, que ficou muito abaixo do mínimo ideal.

Em relação a este último, o próprio MacDougall reconheceu que a pesquisa deveria ser repetida com um número adequado de pacientes.

Ele também foi criticado por usar os dados seletivamente, como escolher os 21 gramas do primeiro paciente como um resultado efetivo sem levar em conta os outros.

O Reputado médico Augusto P. Clarke advertiu que no momento da morte há um súbito aumento da temperatura do corpo porque os pulmões param, fazendo uma transpiração póstumo; aquelas 21 gramas que estavam faltando eram água que se perdia na transpiração.

almas

MacDougall respondeu que, além de parar os pulmões assim fez o coração e, portanto, tal aquecimento não ocorreria na ausência de circulação sanguínea.

Assim começou um interessante debate entre os dois médicos nas páginas da Medicina Americana que durou vários meses.

Hoje em dia, é claro, a hipótese dos 21 gramas da alma é descartada pelo mundo acadêmico.

Considera-se que não havia tecnologia em 1901 para declarar a hora exata da morte, que as conclusões foram obtidas a partir da análise de um único paciente ignorando outros, que o número de indivíduos da amostra era muito pequena para ser considerada significativa e que o método usado para pesar os corpos não tinha a precisão adequada.

Ou seja, as mesmas objeções que já haviam sido feitas em 1908.

Quanto a MacDougall, ele não desistiu e insistiu em sua ideia de quantificar a alma, apenas mudando o ponto de vista.

Assim, em 1911, ocorreu-lhe a tentativa de obter fotografias de almas no momento de deixar o corpo e afirmou ter capturado uma luz semelhante à do éter interestelar”.

Uma das fotografias de Cottingley
Uma das fotografias de Cottingley

Pode soar um estrambótico, mas na segunda década do século XX que fez moda teve teosofia, parapsicologia, ocultismo, espiritismo e outras pseudociência, acreditava-se que a fotografia foi capaz de captar o que o olho humano poderia ver.

Além disso, se a fotografia foi não o suficiente, MacDougall também testou com raios X.

Usando um dispositivo radiológico, o Galen persistente cuidadosamente revista os corpos de várias pessoas próximas à morte e garantiu ao The New York Times viu doze almas.

Ele não repetiu o experimento do peso e com certeza só conseguiu descobrir a verdade em 15 de outubro de 1920; em primeira mão, foi a data em que ele morreu.

 

Fonte: aqui

Comente