Foi assim que o Minotauro chegou no lago em Neuquén, na Patagônia Argentina

Foi assim que o Minotauro chegou no lago da Patagônia Argentina

Convidamos você a nos seguir em nossa página no Facebook, para ficar por dentro de todas as novidades que publicamos:

Foram dois artistas os responsáveis ​​pelas esculturas, que contaram como foi a operação e seus dados.

Chegou a hora da versão oficial, durante as últimas horas, especularam-se teorias sobre o que um Minotauro estaria fazendo no fundo do lago Mari Menuco.

Falou-se da Atlântida no fundo do lago, às forças sobrenaturais que se escondiam em Neuquén, histórias que deram vida a duas obras que ficaram submersas no mesmo dia e segredos que ainda não serão revelados.

Embora a descoberta tenha sido relatada nesta sexta-feira, as duas obras logo foram encontradas, os artistas responsáveis ​​são de Neuquén e neste verão iniciaram uma operação para que ambas as esculturas cheguem ao fundo, eles conseguiram em 19 de fevereiro de 2022 com várias testemunhas que mantiveram sigilo até agora.

Os dois escultores que desenharam as obras conversaram com LM Neuquén e pediram para preservar sua identidade.

Encontram um misterioso minotauro submerso em um lago em Neuquén, na Patagônia Argentina
Imagem submersa do misterioso Minotauro.

“É que o importante aqui são as obras e não nós”,

explicaram os escultores.

Após a “comoção” que sua história gerou, os dois artistas contaram a história completa, os segredos e os problemas que tiveram que passar.

Entre as dúvidas e preocupações que estes dois adeptos do mergulho livre tinham, nasceu a ideia, motivada pela escultura de Cantalicio Luna, que há anos está no fundo do lago.

“Se você me perguntar, há uma imagem que é fundamental para que tudo isso se torne realidade”.

Comentou, um dos protagonistas.

Um amigo de ambos havia chegado a Neuquén por causa da pandemia e tinha data marcada para retornar a La Plata, os três, mais outros amigos, estavam em uma piscina, aproveitando o verão, entre almoços, cervejas e vinhos, este terceiro jovem começou a desenhar o elemento chave para realizar tudo no seu computador.

Foi assim que o minotauro chegou ao lago
Foto aquática do minotauro.

“Ele montou em 3D, como deveria ser a jangada para levar as obras até o lago, essa foi a confirmação de que iríamos fazer”

Explicaram os escultores.

O projeto tinha um prazo, tinha que ser antes do terceiro fim de semana de fevereiro. Com essa confirmação e a jangada desenhada, os artistas definiram em qual escultura iriam submergir.

Por que essas obras?

Ao preservar sua identidade, nomes fictícios serão usados ​​para continuar narrando esta história, Eduardo é o autor do Minotauro e Adrián o da máscara, ambos são amigos desde a infância, e compartilham gostos e paixões.

O debate sobre quais trabalhos eles fariam, aconteceu em dezembro de 2021, quando a ideia começou a escorregar entre o desejo e a possibilidade.

Imagem da máscara submersa.
Imagem da máscara submersa.

“Quando começamos a discutir o que fazer, dissemos que deveríamos partir da mesma base e que cada um desse o seu foco.”

“E eu tinha duas cabeças de manequim na minha oficina, em que podíamos dar várias formas”,

comentou Eduardo.

Mas a rotina dos trabalhos de fim de ano e a ansiedade da ideia fizeram com que Adrián começasse sozinho em uma manhã.

“Cheguei em casa à noite, meio acabado e com muita vontade, e comecei a fazer um esboço. O desenho inicial, adorei”.

Relembrou Adrián.

Ele fez contas, tanto cimento, tanta areia, deu-lhe um resultado:

“Percebi que estava fazendo uma escultura que ia ser impossível ficar mexendo e mexendo várias vezes”.

O Lago Mari Menuco forma-se com o Lago Los Barreales, um complexo de lagos artificiais que oferece um cenário ideal para atividades aquáticas.
O Lago Mari Menuco forma-se com o Lago Los Barreales, um complexo de lagos artificiais que oferece um cenário ideal para atividades aquáticas.

Ele teve que mudar uma parte de sua ideia original e a projetou de forma que seu peso não ultrapassasse 250 quilos.

“Isso já foi muito”,

acrescentou.

Enquanto Adrián avançava com seu trabalho, Eduardo estava submerso em obrigações de trabalho, à medida que o dia D se aproximava, ele tomou uma decisão:

“Suspendi meu trabalho por 24 horas para pensar na ideia porque não podia deixar mais tempo passar”.

Nesse momento, Eduardo procurou uma explicação:

“Que trabalho vou querer submergir? O que me motiva a fazê-lo?”

“E entre as explicações, imaginei algum ser sobrenatural que cuida do fundo da água e que, ao mesmo tempo, é uma motivação para adultos e crianças mergulharem na área”.

Entre os elementos que encontrou na oficina para a montagem, estava um manequim.

Misterioso Minotauro submerso em um lago em Neuquén, na Patagônia Argentina.
Imagem vista acima da superfície da água.

“Assim que processei os dados e os vi, percebi que tinha minha escultura, ia ser um Minotauro, consegui resolver em duas semanas e antes do Dia D, e era algo que representava o que eu queria dizer”.

Explicou, ele.

Depois de conversar com um amigo da comunidade mapuche, Eduardo soube que essa figura poderia ser o gen ko do lago Mari Menuco.

“Quando contei a ele sobre essa figura, ele respondeu com sua visão de mundo e a história dessa energia, não tive dúvidas de que minha escultura seria esse Minotauro”.

Além disso, compartilhando a ideia entre os dois, os artistas concluíram:

“Obras subaquáticas, além de ser uma desculpa para o mergulho, são uma marca, serão capazes de expor as mudanças climáticas porque hoje estão a quatro metros acima do nível da água, mas com esse nível de seca, é possível que a curto ou longo prazo as esculturas não fiquem mais debaixo d’água.”

Operação submersa

Embora as esculturas tenham atendido às expectativas de ambos e a jangada tenha sido projetada no computador, a logística de percorrer 66 quilômetros com mais de 600 quilos entre as duas esculturas, foi uma verdadeira odisseia, e isso teve suas consequências.

Eles encontram um misterioso minotauro submerso em um lago em Neuquén, na Patagônia Argentina
Outra imagem submersa do misterioso Minotauro.

Na lista de prioridades, a primeira era terminar a balsa antes do dia D, conseguiram os elementos, e a única coisa que compraram foi uma corrente de 9 metros de comprimento para baixar as esculturas.

A jangada foi construída na oficina de Eduardo:

A  estrutura tinha aproximadamente 2 metros por 4 metros, nos vértices mais curtos, tinha dois barris de óleo reciclado que lhe davam flutuabilidade, em cima deles, havia um pedaço de madeira que lhes permitia ter estabilidade para poder remar e levar as esculturas para o meio da água.

Além disso, no meio da estrutura, havia uma roldana que levantava a escultura um metro e depois a baixava no local escolhido.

“Nós combinamos, tudo parecia estar funcionando bem, mas tínhamos de experimentar”.

Asseguraram os dois, e assim, no primeiro fim de semana de fevereiro, eles a carregaram em um caminhão e a levaram para o Lago Mari Menuco.



Sugerimos a leitura das seguintes matéria

Um misterioso Minotauro foi encontrado submerso na Patagônia Argentina

O estranho mistério da estátua fúnebre de Inez Clarke

Uma equipe de mergulhadores descobriu um templo submerso da “Atlântida Egípcia”

A Misteriosa Cruz submersa do Lago Michigan

Pirâmides submersas nas Bahamas: será que são reais?



“Fomos exclusivamente para ver se flutuava e passou no teste”,

disse Eduardo, esclarecendo que os cálculos haviam corrido bem e que a jangada estava em boas condições.

“Mas, além de parecer fácil, era complexo, tivemos que pegar todos os itens, que foram todos emprestados, doados ou sucata recuperada, e soldar, pintar e testar, tudo demorou muito e queríamos nos apressar para que ficasse pronto no dia D”.

esclareceu Adrián.

Escultura do Minotauro depois de quebrar um dos chifres.
Escultura do Minotauro antes de ser carregado.

Tendo todos os elementos para cumprir o objetivo, “o boca a boca” começou a alimentar o mistério.

“Amigos de amigos perguntaram o que estávamos planejando e queriam ser testemunhas, e de certa forma, também precisávamos de mãos para nos ajudar a mover as esculturas, e foi aí que percebemos que também íamos precisar de almoço, então o povo foi tomando conta, todos colaboraram e se formou um dia épico”.

acrescentou Adrián.

Dia D:

Entre problemas e comemorações

O dia D seria no último domingo, 20 de fevereiro, mas o plano foi modificado, o tempo era o único fator que eles não conseguiam “consertar”.

“Durante a semana percebemos que o domingo ia ser feio, pensamos primeiro em mudar a data para outro fim de semana, mas nosso amigo estava saindo, então tinha que ser sim ou sim naquele fim de semana, E assim foi, então, avançamos com a operação”.

Disseram os escultores.

Imagem da máscara e do minotauro sendo transportados.
Imagem da máscara e do minotauro sendo transportados.

Além disso, o Minotauro sofreu dois ferimentos; ambos os chifres foram quebrados.

“Quando chegamos, tivemos que descer até a praia mais próxima de onde queríamos submergir, foi difícil baixar a escultura do caminhão, éramos cerca de 10 pessoas tentando baixar, mas pesava 250 quilos”.

Comentou, Eduardo.

Eles conseguiram tirar o Minotauro do caminhão e desceram mais 300 metros até deixá-lo a dois metros da água.

“Até lá chegou a 0 km, mas quando o soltamos, o Minotauro não estava bem apoiado e caiu para o lado, foi aí que a trompa esquerda foi quebrada”.

Quando chegou a hora de submergir, eles, primeiro o içaram em uma base de duas rodas, viram, que a água estava sobre seus calcanhares e o engancharam na jangada.

“Durante esse engate, o Minotauro colidiu com uma das partes da jangada e o outro chifre quebrou”.

Continuou Eduardo, contando que “era parte das marcas e da dificuldade que gera”.

O minotauro sendo içado para de baixo da agua
O minotauro sendo içado para de baixo da agua.

Além dessas feridas, ambas as esculturas chegaram ao fundo do lago, eles submergiram o Minotauro primeiro e depois a máscara.

“Eles estão perto da escultura de Cantalicio Luna”.

Mas tanto Eduardo quanto Adrián disseram:

“Não vamos dar mais detalhes sobre o lugar”.

Com o objetivo de preservar suas obras e que os curiosos possam mergulhar e se surpreender com elas caso as encontrem, a localização exata permanecerá um mistério.

Desta forma, o Dia D tornou-se um evento épico, além de cumprir o objetivo, houve um almoço para as 20 testemunhas com música ao vivo, fogueira e comemorações.

Tudo ficou no segredo de um grupo de amigos até que Cristian disse a LM Neuquén que havia encontrado um Minotauro.

A história mudou e, em meio a tantos mistérios e desejos, as esculturas já estão em uma “viagem eterna”.

Deixe sua opinião nos Comentários!
E compartilhe com seus amigos…

Convidamos você a nos seguir em nossa página no Facebook, para ficar por dentro de todas as novidades que publicamos:

O Mundo dos Mistérios Ocultos(clique para abrir)

A Chave dos Mistérios Ocultos
Curiosidades

Deixe um Comentário