Cientistas mostram como ficar bilionário explorando asteroides

Várias empresas espaciais de private equity irão em uma corrida para reivindicar trilhões de libras em metais preciosos que se acredita ser possível existir dos asteroides.

O Reino Unido entrou agora na corrida, com a Asteroid Mining Corporation se tornando a primeira dessas novas empresas no país. Em teoria, o business case fala por si: a incrível despesa das missões espaciais seria mais do que compensada.

Mas como você pode explorar um asteroide? Como você escolhe um?

Estas são algumas das questões que foram consideradas na condução de um estudo de viabilidade para a corporação. Asteroides podem ser classificados como feitos de carbono, silício ou metal. As empresas de mineração estão particularmente interessadas em asteroides de metal, mas suas composições ainda não são bem compreendidas.

Pesquisas científicas sobre asteroides, como levantamentos de planetas menores pela NASA, se concentraram principalmente em descobrir as possíveis ameaças colocadas por colisões em nosso planeta. Nenhum asteroide foi amostrado diretamente.

As observações do telescópio foram realizadas juntamente com a análise de meteoritos (fragmentos de asteroides que caíram na Terra) sugerem que uma pequena porcentagem de asteroides contém altas concentrações de metais valiosos, como platina e ouro.

Portanto, antes de analisar como gastar nossos trilhões, devemos primeiro procurar possíveis alvos para a extração de asteroides. Mais de 750.000 asteroides foram identificados até o momento.

A grande maioria se pode descartar imediatamente como os encontrados no principal cinturão de asteroides que orbitam entre Marte e Júpiter, muito longe de ser considerados como alvos de mineração em potencial. Em vez disso, devemos nos concentrar nos asteroides próximos da Terra, o que reduz a pesquisa para aproximadamente 17.000 alvos.

Para reduzir ainda mais, as observações por satélite são necessárias com um telescópio e instrumentação espectrográfica. Um espectrógrafo analisa a luz solar refletida da superfície de um asteroide, decompondo-a de acordo com o comprimento de onda. Isso nos permite determinar a composição da superfície.

Por exemplo, se a luz de um asteroide parece avermelhada, isso sugere a presença de aglomerados de ferro e níquel na superfície. A platina é normalmente encontrada em tais grupos na Terra, então podemos inferir que ela pode estar presente nesses asteroides.

No entanto, só podemos observar como a luz interage com a superfície do asteroide, não com as camadas abaixo dela. E a superfície pode ter sido alterada por colisões com outros objetos no sistema solar ou por exposição à radiação.

Ao escolher um asteroide, devemos determinar se ele é grande o suficiente e se tem uma concentração suficientemente alta de metal valioso e amplamente usado.

Está se movendo rápido demais? Até que ponto está em órbita e quanto tempo levará para enviar uma sonda?

Segundo o professor Martin Elvis, um astrofísico da Universidade de Harvard, um asteroide deve ter um valor de um bilhão de dólares do mercado.

A maioria dos meteoritos na Terra é metálica, então pode ser determinado que a maioria dos asteroides também deve ter a mesma composição. Para cumprir este requisito, o asteroide deve ter mais de 1 km de diâmetro, conter mais de 10 partes por milhão de platina e ter uma velocidade relativa à velocidade da Terra inferior a 4,5 metros por segundo.

Existem mais de 17.000 asteroides perto da Terra, mas quantos deles estão em conformidade com a lei?

O professor Elvis fez uma estimativa teórica baseada em probabilidades e suposições. Por exemplo, de todos os meteoritos que caíram na Terra, aproximadamente 4% eram metálicos. Então podemos supor que 4% dos asteroides próximos da Terra também são metálicos.

Levando em conta esta e outras probabilidades, restam apenas 10 asteroides que são, teoricamente, economicamente valiosos e praticamente viáveis ​​de serem extraídos. Como os objetivos ainda não foram identificados diretamente, a tarefa agora é encontrar essas agulhas no palheiro.

A fase inicial do projeto de um satélite de prospecção está em andamento e a Asteroid Mining Corporation pretende lançá-lo em 2020. Isso entraria na órbita baixa da Terra e examinaria os céus em busca de asteroides próximos da Terra, reunindo dados espectrais e determinando sua composição para identificar alvos específicos. Em seguida, o alcance e a resolução do espectrógrafo necessário para determinar a composição serão identificados. Um projeto preliminar do telescópio também será desenvolvido. O próximo objetivo seria lançar uma sonda, coletar amostras para análises químicas detalhadas e fotografar a superfície do alvo para identificar um possível local de pouso. O objetivo final seria pousar uma nave de mineração na superfície do alvo e extrair todos os metais preciosos.

 

Fonte: Aqui

Comente