Encontrado antigo esqueleto revela como era a crucificação

A crucificação é certamente uma das piores formas de morrer. A julgar pelos registros históricos, dezenas de milhares de pessoas em todo o mundo antigo foram executadas usando esse método (incluindo um homem particularmente famoso). No entanto, a evidência arqueológica desta punição cruel e incomum é quase inédita.
A crucificação é certamente uma das piores formas de morrer
A crucificação é certamente uma das piores formas de morrer.

Arqueólogos descobriram agora o segundo pedaço de evidência física da crucificação. Durante a instalação de um oleoduto em Gavello, norte da Itália, os trabalhadores descobriram o esqueleto de um antigo homem romano em um túmulo isolado, conforme relatado na revista Archaeological and Anthropological Sciences. Arqueólogos se dirigiram para a cena e notaram uma lesão distintiva que acreditam ter sido causada pela crucificação um buraco do tamanho de uma moeda na parte de trás do calcanhar.

Crucificação ou crucifixão é um método de pena de morte no qual a vítima é amarrada ou pregada em uma viga de madeira e pendurada durante vários dias até a eventual morte por exaustão e asfixia.

Crê-se que o método tenha sido criado na Pérsia e trazido no tempo de Alexandre para o Ocidente. Os itálicos copiaram a prática dos cartagineses. Neste ato se combinavam os elementos de vergonha e tortura, e por isso o processo de crucificação era olhado com profundo horror. O castigo da crucificação começava com a flagelação, depois do criminoso ter sido despojado de suas vestes. No azorrague os soldados fixavam os pregos, pedaços de ossos, e coisas semelhantes, podendo a tortura do açoitamento ser tão forte que às vezes o flagelado morria em consequência do açoite. O flagelo era cometido ao réu estando este preso a uma coluna.

                     Veja também: Os animais tem alma? E que acontece quando eles morrem?   –   Teoria quântica revela que a vida continua após a morte

A única outra evidência arqueológica da crucificação vem de uma caverna funerária de Jerusalém em algum ponto neste primeiro século EC, que consistia de um pé de esqueleto com um ferrolho através dele. Esses restos recém-analisados ​​não são tão claros. Os pesquisadores dizem que a crucificação é a causa mais provável da lesão, mas pode haver explicações alternativas.

A importância da descoberta reside no fato de que é o segundo caso documentado no mundo”,

disse a arqueóloga Ursula Thun Hohenstein, da Universidade de Ferrara, escreveu ao jornal italiano Estense.

Os métodos exatos variam de cultura para cultura, mas a crucificação geralmente envolve amarrar ou pregar os membros de uma pessoa a uma grande viga de madeira e deixá-los pendurados ali. Às vezes, em poucas horas, mas muitas vezes em poucos dias, a vítima finalmente morre como resultado de exaustão e asfixia. É mais frequentemente associado com os romanos, no entanto, também foi praticado na antiga Pérsia, Assíria, Japão, o antigo mundo islâmico e muitos outros.

Era um método de morte torturante, muitas vezes aplicado aos desajustados da sociedade. Neste caso, os pesquisadores acreditam que o homem era provavelmente um escravo em seus 30 e poucos anos, que de alguma forma irritou seu mestre ou a comunidade local.

O contexto do enterro irregular, a falta de bens graves, a baixa estatura adulta e possíveis evidências de tortura sugerem uma condição de cativeiro ou escravidão para o indivíduo de Gavello”,

escreveram os autores do estudo.

Durante o período romano, o enterro de indivíduos considerados socialmente perigosos ou difamados (particularmente pessoas executadas) também envolveu a marginalização topográfica. O isolamento do local do enterro, como em Gavello, pode ter sido uma consequência da recusa da comunidade pelo indivíduo na morte como na vida.”

 

Fonte: aqui

Comente