Crianças albinas vítimas de bruxaria na Tanzânia

A bruxaria causa a morte e o exílio de milhares de crianças na África, as mais afetadas são as crianças albinas, que são acusadas de feitiçaria ou usadas para vários rituais.
A cruel caça aos albinos em África
A cruel caça aos albinos em África

Em uma semana, 10 foram mortos na Tanzânia, o país com a maior taxa de mortalidade infantil, devido à superstição. Em 4 de março, a polícia da Tanzânia encontrou dez crianças desmembradas na região de Njombe.

O governador, Christopher Ole Sendeka, anunciou que os assassinatos estão relacionados à feitiçaria, já que as crianças não tinham órgãos internos, dentes e genitais; partes do corpo que são frequentemente usadas em alguns rituais de feitiçaria na África.

Nossos filhos não estão mais seguros em nossa sociedade e temos que parar com isso o mais rápido possível”,

disse Sendeka em relação à longa história de assassinatos de crianças, enquanto anunciava que já há dois detentos acusados ​​de bruxaria e assassinato.


* Elefantes bebês no sudeste da Ásia são torturados por causa do turismo
* O mistério da civilizações antigas do Peru que deformavam a cabeça dos bebês
* Os pais mais jovens do mundo | 9 casos chocantes
* A maldição de konzo

Este é o caso mais recente de um fenômeno generalizado nesse e em outros países africanos que se enfurece com os mais indefesos.

Falta de compromisso do governo até agora, as autoridades do país não resolveram o problema e a população de mais de 260 mil albinos ainda é vulnerável a ataques.

A Anistia Internacional alega a falta de compromisso do governo em realizar políticas públicas com impacto cultural que alterem os preconceitos sobre os albinos e, em particular, sobre os filhos de bruxaria.

De acordo com o diretor da ONG Africa direto, José María Márquez; os mais afetados pela superstição são crianças albinas, porque a falta de cor na pele da tornou-se alvo de perseguição e violência crença enraizada que o albinismo é um efeito

mágico dos espíritos malignos que possuem seus corpos”.

A vida dos negros albinos na África
A vida dos negros albinos na África

Para algumas pessoas, mutilação e tortura são a única maneira possível de fazer esses espíritos partirem.

O isolamento das comunidades albinas é responsável pela Tanzânia, que tem uma das maiores taxas de albinismo no mundo – 1 em cada 4.000 cidadãos sofrem com isso, em comparação com 1 em cada 20.000 na Europa.

Segundo o Dr. Pedro Jaén, chefe de um grupo de dermatologia do continente,

continuam vivendo isolados por causa da perseguição, eles se casam e têm filhos. Então, é um problema de consanguinidade e endogamia“.

Através de enganos e promessas de um futuro melhor, eles convencem as famílias a entregar seus filhos voluntariamente.

A triste realidade dos albinos
A triste realidade dos albinos

O membro de uma criança albina pode custar mais de 3.000 euros no mercado negro, e todo o corpo cerca de 60.000, de acordo com dados do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados; números astronômicos para um país em que a renda média é inferior a dois dólares por dia.

A Fundação Under the Same Sun alega que existem aproximadamente 160 ataques contra albinos todos os meses e mais de 76 assassinatos por ano.

Autoridades locais e várias organizações internacionais descobriram que muitos desses casos estão relacionados a redes comerciais que lucram com a feitiçaria.

Estima-se que os traficantes ataquem os albinos para abastecer os feiticeiros locais que prometem riqueza em troca de pedaços do corpo de uma criança.

Só em uma semana, os dez filhos de um casal (nem todos eram albinos) foram mutilados, cortaram suas partes íntimas com facões e os queimaram vivos antes de preparar misturas com seus espólios.

Embora o governo da Tanzânia e alguns dos outros países tenham feito esforços para desencorajar a prática da feitiçaria, é uma tradição tão arreigada que até mesmo muitos políticos se apegam a ela com a esperança de chegar ao poder.

Criança albina na África. Crédito - AFP
Criança albina na África. Crédito – AFP

Tanto é assim que o parlamento da Tanzânia pediu aos políticos que não recorressem à feitiçaria durante as campanhas eleitorais.

Circuito comercial

O circuito comercial do tráfico de crianças composto principalmente de Burundi, Quênia, República Democrática do Congo, Moçambique, África do Sul e Suazilândia não está necessariamente relacionado às práticas rituais tradicionais do continente.

Embora seja verdade que muitos deles são realizados com oferendas de animais e amuletos, somente a partir da década de 80 aumentou o número de mortes de crianças, especialmente albinos, para realizar os rituais.

A Anistia Internacional determinou que alguns dos maiores promotores da perseguição infantil são os pastores das igrejas evangélicas luteranas, que se espalharam por todo o país desde aquela época.

Os pastores se aproveitam da superstição da Tanzânia (93%, segundo o Pew Research Center dos Estados Unidos) para culpar crianças por infortúnios familiares.

Se em uma família há problemas econômicos ou alguém sofre de uma doença, é comum o pastor interpretar que os males vêm do membro mais jovem.

A tribo dos fantasmas
A tribo dos fantasmas

E se ela é uma mulher, albina ou sofre alguma deficiência, é mais provável que seja acusada de bruxa ou de trazer má sorte.

Nesse contexto, o machismo e a discriminação são fundamentais para determinar quem aponta a feitiçaria e quem é isolado da comunidade.

Pesquisas realizadas sobre o assunto apontam que quando uma criança denuncia as violações que sofre por um parente, vizinho ou um líder religioso, é marcado como malicioso, possuído ou lascivo, características atribuídas a bruxaria.

O mesmo presidente, John Magufuli, contratou feiticeiros durante o concurso presidencial de 2015.

Devido à pressão internacional, a Tanzânia proibiu a feitiçaria em Janeiro daquele ano por temer que o fanatismo político desencadeasse uma onda de violência contra crianças albinas.

No entanto, para muitos, a proibição não resolve o problema da estigmatização e discriminação que existe no país e, muito menos, dos lucros milionários que o negócio produz.

Além disso, acrescentam que a proibição cobria ainda mais essas redes e, portanto, dificultava a localização dos líderes de cada uma delas.

Albinos são cruelmente mutilados
Albinos são cruelmente mutilados

Alguns líderes locais apoiam mas não para desacreditar as religiões e crenças indígenas do continente, porque embora eles insistem que deve atacar aqueles que usam o pretexto de bruxaria para assassinar e lucrar com isso, também reiterou que as tradições africanas são ricas e diversificada em simbologias, por isso os ataques a crianças em nome da feitiçaria, por sua vez, afetam aqueles que defendem a preservação cultural e ritual da Tanzânia.

O vídeo a seguir é parte de um documentário chocante filmado por seis anos, chamado:

In the Shadow of the Sun”

conta a história de dois membros de uma comunidade albino na África e luta intensa com pessoas que tratam deles como o diabo encarnado. (Em inglês).

Comente