Cientistas americanos contradizem a NASA e alertam sobre o impacto de um asteroide apocalíptico a qualquer momento.

Cientistas americanos contradizem a NASA e alertam sobre o impacto de um asteroide apocalíptico a qualquer momento

Antes da matéria principal vamos voltar sessenta e seis milhões de anos atrás, onde os dinossauros tiveram o pior dia da história…
A Terra está prestes a sofrer um novo evento de extinção em massa como o que ocorreu há 30 milhões de anos.
A Terra está prestes a sofrer um novo evento de extinção em massa como o que ocorreu há 30 milhões de anos…

Com o impacto devastador de um asteroide, um reinado que durou 180 milhões de anos terminou abruptamente. Cerca de 75% dos animais da Terra, incluindo dinossauros, repentinamente foram extintos ao mesmo tempo.

Então, como tudo isso foi causado por uma rocha caindo na costa da América Central?

O asteroide colidiu em alta velocidade e vaporizou efetivamente. Ele formou uma enorme cratera, então houve uma devastação total na área imediata.

Uma grande onda explosiva foi gerada e uma onda de calor de tal magnitude que lançou grandes quantidades de material incandescente na atmosfera.

A fuligem viajou por todo o mundo. Não bloqueou completamente o Sol, mas reduziu a quantidade de luz que atinge a superfície da Terra.

Então teve um impacto no crescimento das plantas. Como dominó, estava subindo pela cadeia alimentar, causando o colapso do ecossistema.

A redução na vida das plantas teve um grande impacto na sobrevivência dos herbívoros, o que por sua vez significa que os carnívoros também sofreram por ter menos comida. Foi o fim de sua civilização.

Mas tudo tem seu ciclo, e agora seria a nossa vez de sofrer o mesmo destino?

O momento chegou…

Cenários pós-apocalípticos como o escrito acima costumam ser o enredo dos sucessos de bilheteria de Hollywood. Mas os pesquisadores acreditam que são mais fatos científicos do que ficção científica, já que a Terra está prestes a sofrer um novo evento de extinção em massa como o que ocorreu há 30 milhões de anos.

Um asteroide de 10 quilômetros de diâmetro é tão grande que seria muito difícil detê-lo.
Asteroides podem se transformar em luas ou satélites naturais. Estima-se que muitas luas de diversos planetas tenham surgido dessa forma. Um exemplo bastante conhecido entre os astrônomos é Fobos, que orbita ao redor de Marte. Asteroides também podem possuir suas luas.

Eles descobriram que incidentes globais catastróficos ocorrem aproximadamente a cada 27 milhões de anos.

E com a última extinção em massa há 66 milhões de anos, quando os dinossauros foram destruídos por um asteroide ou cometa, eles acreditam que a Terra já passou dessa época.

Eventos catastróficos, como impactos de asteroides e erupções, seguem um ciclo.

Com uma nova análise estatística, publicada na revista científica Historical Biology, pesquisadores americanos concluíram que quedas de grandes cometas ocorrem a cada 26 a 30 milhões de anos quando eles passam pela galáxia.

Se atingirem a Terra, impactos cataclísmicos podem criar escuridão e frio generalizados, incêndios florestais, chuva ácida e destruição da camada de ozônio. Isso potencialmente mataria a vida terrestre e marinha.

Os cientistas também descobriram que as oito extinções em massa que ocorreram na terra e nos oceanos coincidiram com os tempos de erupções de basalto, onde uma enorme quantidade de lava flui para a superfície da Terra.

Isso criaria um efeito estufa mortal e menos oxigênio no oceano…

 



Confira estas:

FT3, o gigantesco asteróide que poderia destruir a Terra em Outubro

Os cientistas confirmam que o asteroide Apophis atingirá a Terra em 2068

NASA confirma que o objeto misterioso que se aproxima da Terra não é um asteroide

Um grande asteróide irá impactar a Terra, será como um “Ctrl-Alt-Delete”



Segundo o professor Michael Rampino, do Departamento de Biologia da Universidade de Nova York e autor do estudo, qualquer ameaça depende de como nosso planeta orbita a Via Láctea.

Parece que os impactos e pulsos de grandes corpos da atividade interna da Terra, criando um vulcanismo de inundação de basalto, podem estar marchando na mesma taxa de 27 milhões de anos que as extinções, talvez impulsionadas por nossa órbita na galáxia.”

O professor Rampino disse ao jornal britânico Daily Mail.

Essas novas descobertas de extinções em massa súbitas e coincidentes na terra e nos oceanos, e do ciclo comum de 26 a 27 milhões de anos, demonstram a ideia de eventos catastróficos globais periódicos como gatilhos para extinções.

Na verdade, já se sabe que três das mortes massivas de espécies em terra e no mar ocorreram ao mesmo tempo e que foram os três maiores impactos dos últimos 250 milhões de anos, cada um dos quais pode causar um desastre global e causar extinções em massa.

As extinções em massa globais foram aparentemente causadas pelos maiores impactos cataclísmicos e vulcanismos massivo, talvez às vezes trabalhando juntos”,

concluiu Rampino.

O que aconteceria se esses eventos massivos acontecessem amanhã?

O estudo do professor Rampino é verdadeiramente alarmante e contradiz agências espaciais como a NASA, que nos dizem que nenhum impacto apocalíptico de asteroide é esperado nos próximos 100 a 200 anos.

Mas a verdade é que um novo evento de extinção em massa como o de 30 milhões de anos atrás pode ocorrer a qualquer momento.

O impacto de um asteroide seria devastador.
O impacto de um asteroide seria devastador…

E se isso acontecesse, nos encontraríamos antes do verdadeiro Apocalipse. Por exemplo, para um asteroide de 10 quilômetros de diâmetro, não importa onde ele atinja, oceano ou terra seria imaginável a catástrofe.

Vale lembrar que o ponto mais profundo dos oceanos fica na Fossa das Marianas, com apenas 10.984 metros de profundidade.

Além disso, a velocidade típica das rochas espaciais é de cerca de 30 quilômetros por segundo.

Um asteroide de 10 quilômetros de diâmetro é tão grande que seria muito difícil detê-lo.

Ao contrário dos asteroides menores, não seria muito retardado pela fricção do ar. Ele passaria pela atmosfera como se não estivesse ali.

Quando chegasse à superfície, bateria com tanta força que não importaria se fosse no oceano ou na terra. O impacto com a crosta terrestre acabará por parar o asteroide.

A energia do impacto vaporizaria a rocha espacial e grande parte da crosta terrestre, criando uma cratera com mais de 100 quilômetros de diâmetro e lançando os detritos da rocha no ar.

Alguns desses detritos irão tão rápido que voarão para fora da atmosfera da Terra e entrarão em órbita ao redor da Terra.

Cientistas americanos contradizem a NASA e alertam sobre o impacto de um asteroide apocalíptico a qualquer momento.
Os asteroides podem alcançar centenas de quilômetros, mas também pode ser de alguns poucos metros.

A maioria dos destroços cairá de volta na Terra, em todas as partes da Terra, não apenas perto do local do impacto e irão aquecer a atmosfera a tal ponto que iniciaria incêndios florestais e queimará tudo o que não está protegido no subsolo.

A combinação de poeira do impacto e fuligem dos incêndios florestais permaneceria na atmosfera da Terra por cerca de um ano, bloqueando a luz do sol.

Sem a luz solar, grande parte da vida vegetal na Terra e no mar, morrerão.

Muitas espécies de animais, inclusive a raça humana, desapareceriam na catástrofe inicial ou nos anos seguintes devido à falta de alimentos e à devastação geral do meio ambiente.

Aconteceu há 66 milhões de anos e agora sabemos que acontecerá novamente a qualquer momento.

E você amigo(a) leitor(a) está pronto para a nova extinção em massa?

Deixe sua opinião nos Comentários…
Compartilhe com seus amigos…
A Chave dos Mistérios Ocultos
Catástrofes

Deixe um Comentário