A única mulher no mundo que não sente dor ou ansiedade

Jo Cameron tem uma “superpotência” incomum. Ele afirma que não sente dor física ou psicológica, além de nunca ter sentido medo.

A única mulher no mundo que não sente dor ou ansiedade

Ela vive em Iverness, na Escócia, e é uma das duas pessoas no mundo diagnosticadas com uma rara mutação genética.

Há seis anos atras, quando foi submetida a uma cirurgia, descobriu que era diferente.

Os médicos não acreditaram que ela não precisava de analgésicos no pós-operatório e determinaram que Cameron sofre uma mutação genética.

Embora a ideia de uma vida sem dor possa parecer atraente a princípio, a dor é realmente muito útil para a vida.

Caso contrário, você não sabe quando está com o calor de uma queimadura ou a dor de uma torção ou fratura no tornozelo.

Olhando para trás, percebo que não precisava de analgésicos, mas se você não precisa deles, não pergunta por que não”,

disse Cameron.

Eu sempre fui uma alma feliz sem estar ciente de que havia algo diferente em mim”,

ela acrescentou.



Os Dons extraordinários e a última e mais misteriosa profecia do Padre Pio

Milagre? Como o tumor cerebral de um padre desaparece logo antes de ser operado

O mistério da mulher que chora lágrimas de vidro e os médicos não sabem explicar

Mulher alega ter encontrado um “Misterioso Artefato Alienígena”

Mulher diz ser a dona do Sol por usucapião e quer cobrar pelo seu uso



Jo Cameron
Jo Cameron

Na cozinha, com frequência, Jo queima o braço no fogão. Só percebe quando a pele começa a cheirar a carne chamuscada. Nem assim notou que era insensível à dor.

Ela garante que não tem vontade de mudar, mas reconhece que a dor tem sua importância.

A dor existe por uma razão, para te avisar. É um alerta”. Seria bom ter um aviso quando algo está errado”,

afirma, Jo.

A análise do DNA revelou duas importantes mutações genéticas:

Algumas informações sobre seu DNA em um gene que os pesquisadores chamam de FAAH-OUT desapareceram, o que significa que ele é inativo.

Jo Cameron (esquerda) só descobriu que era diferente aos 65 anos, depois de uma cirurgia
Jo Cameron (esquerda) só descobriu que era diferente aos 65 anos, depois de uma cirurgia

Essa combinação genética incomum causou a Cameron um nível mais alto de anandamida em suas células. A causalidade dessa mutação é a redução quase total da sensação de dor e ansiedade, além do aumento da dopamina, que é o que nos faz sentir felizes.

Médicos acreditam que ela também consegue se curar mais rápido que o normal. Os especialistas dizem que Jo tem uma combinação muito específica de genes que a torna mais esquecida e a faz se sentir menos ansiosa.

Esses poderes distinguem Cameron de outros seres humanos. Suas feridas cicatrizam simbolicamente rapidamente, e ele não sente emoções como preocupação ou medo.

Embora a dor sirva como um “sistema de alarme” para nos manter seguros, quando sofrem dor crônica, os efeitos podem ser insuportáveis.

Jo Cameron (à direita) teve sinais durante a vida, mas nem ela nem a família perceberam que a tolerância dela em relação à dor era maior que o comum
Jo Cameron (à direita) teve sinais durante a vida, mas nem ela nem a família perceberam que a tolerância dela em relação à dor era maior que o comum

Jo também não tem medo. Recentemente, ela bateu o carro. Nem ligou para o episódio, que deixaria muita gente chateada.

Depois da batida, conta Cameron, a outra motorista estava tremendo.

Já ela, estava calma.

Não tenho esse tipo de reação. Não é questão de ser corajosa, é que o medo simplemente não vem”.

Rastreando a condição

Pesquisadores acreditam que haja mais pessoas como Jo Cameron no mundo.

Especialistas acreditam que estrutura genética de Jo Cameron pode ajudar outras pessoas a lidar com a dor de forma diferente
Especialistas acreditam que estrutura genética de Jo Cameron pode ajudar outras pessoas a lidar com a dor de forma diferente

Um em cada dois pacientes após cirurgias ainda sentem dor de moderada a grave, apesar de todos os avanços no desenvolvimento de analgésicos. Resta saber se novos tratamentos poderiam ser desenvolvidos com base em nossos resultados”,

disse o anestesista Devij Srivastava.

Agora eles esperam que Jo Cameron (e outros como ela) possam descobrir como lidar com a dor no futuro.

Isso pode ajudar as pessoas com dor crônica ou melhorar o tempo de recuperação daqueles que foram submetidos à cirurgia.

O caso de Jo vai virar artigo acadêmico na publicação British Journal of Anaesthesia, assinado pelo médico Srivastava and James Cox, da UCL.

Se gostou:

Curta e Compartilhe…

A Chave dos Mistérios Ocultos

Você já tem a chave, mas terás a coragem de abrir?

Comente