A menor estrutura é uma esteira criada pelo movimento do LMC por esta região.

Uma bolha de matéria escura parece estar flutuando fora de nossa galáxia

Um grupo de estrelas que passa pelo espaço intergaláctico está sendo aprisionado por uma massa de matéria escura.
A menor estrutura é uma esteira criada pelo movimento do LMC por esta região.
Imagem da Via Láctea e da Grande Nuvem de Magalhães (LMC) em um mapa do halo galáctico circundante. A menor estrutura é uma esteira criada pelo movimento do LMC por esta região.

Os cientistas aparentemente procuraram por toda a parte no espaço por matéria escura, que é a substância indescritível e invisível que se acredita constituir a maioria das coisas no universo.

Agora, uma equipe de astrofísicos está olhando para fora, além de nossa própria galáxia, onde acreditam que uma gota de matéria escura pode estar oculta à vista de todos.

Atrás da Grande Nuvem de Magalhães, uma galáxia anã que está em um curso intensivo com a Via Láctea, tem um punhado de estrelas presas no que parece ser um rastro cósmico, de acordo com uma pesquisa publicada na revista Nature.

Mas as estrelas, que parecem suspensas no espaço, podem na verdade estar presas em uma grande massa de matéria escura que as arrasta para longe.

Acreditamos que essa estela seja feita de matéria escura e carregue estrelas com ela, que é a forma como podemos detectá-la”,

disse o co-autor do estudo e pesquisador da Universidade do Arizona, Nicolás Garavito-Camargo, em um comunicado à imprensa.



Outras matérias:

Cientistas alertam para o impacto iminente de um “furacão de matéria escura” na Terra

Pela primeira vez, os astrônomos podem ter ouvido o ‘zumbido’ do fundo do universo

Cientistas mostram que o cérebro humano pode ser conectado ao Universo



Vigília invisível

Tal como acontece com a forma como se acredita que as massas gigantes de matéria escura ajudam a manter juntas galáxias inteiras, os astrofísicos por trás do novo artigo acreditam que as estrelas estão presas no lugar dentro da massa invisível.

Ao estudar como as estrelas se movem, eles podem finalmente ser capazes de observar e estudar empiricamente a própria matéria escura,”

relata o Live Science.

Você pode imaginar que o rastro de um navio será diferente se o navio invés de navegar pala água navegar pelo mel”,

disse o autor e astrônomo da Universidade de Harvard Charlie Conroy no comunicado.

Neste caso, as propriedades da estela são determinadas pela teoria da matéria escura que aplicamos.”

Se a equipe estiver correta, seu trabalho pode vir a ser um grande presente para a comunidade astrofísica mais ampla, que às vezes parece estar segurando um prego quente para tentar explicar, identificar e estudar a matéria escura.

Se certos modelos ou hipóteses sobre como a matéria escura se comporta entram em conflito com os dados observacionais diretos que coletam dessa estela, outros pesquisadores podem refinar e atualizar seus próprios modelos e eliminar aqueles que não são válidos.

Deixe sua opinião nos Comentários…
Compartilhe com seus amigos…

Deixe um Comentário