Visualizações de campo amplo e ampliação de um disco em formação de lua visto com o satélite alma.

Os astrônomos detectam o primeiro disco proto lunar ao redor de um mundo alienígena

Os astrônomos descobriram o primeiro disco ao redor de um planeta fora do sistema solar. E tem potencial para formar várias luas.
Visualizações de campo amplo e ampliação de um disco em formação de lua visto com o satélite alma.
Visualizações de campo amplo e ampliação de um disco em formação de lua visto com o satélite alma.

O impressionante disco circunplanetário é cerca de 500 vezes maior que os anéis de Saturno e envolve um planeta semelhante a Júpiter chamado PDS 70c.

Os cientistas viram muitos discos ao redor de estrelas distantes (protoplanetárias), e discos em forma de lua ao redor de planetas (proto-lua) como este eram suspeitos anteriormente, mas esta é a primeira vez que tal sistema foi definitivamente identificado, de acordo com pesquisadores.

Nosso trabalho apresenta uma detecção clara de um disco no qual os satélites podem estar se formando”,

disse Myriam Benisty, principal autora do estudo e astrônomo da Universidade de Grenoble e da Universidade do Chile, em um comunicado.

PDS 70c é um dos dois jovens gigantes gasosos localizados a aproximadamente 400 anos-luz da Terra.

Este mundo e sua contraparte, PDS 70b, ainda estão nos estágios iniciais de formação e fornecem uma oportunidade única de pesquisa para estudar planetas e luas em sua infância.

Veja o vídeo:

(Obs: O vídeo está em inglês; porém você pode ativar as legendas em português. (clique aqui e veja como fazer))

Mais de 4.000 exoplanetas foram encontrados até agora, mas todos eles foram detectados em sistemas antigos”,

disse Miriam Keppler, co-autora do estudo e pesquisadora do Instituto Max Planck de Astronomia.

Não é assim para os dois planetas observados pela pesquisa atual.

PDS 70b e PDS 70c, que formam um sistema que lembra o par Júpiter-Saturno, são os únicos dois exoplanetas detectados até agora que ainda estão em processo de formação.

Usando o Atacama Large Millimeter / submillimeter Array (ALMA), baseado no European Southern Observatory (ESO) no deserto de Atacama, no norte do Chile, os cientistas conseguiram medir o disco e descobriram que ele tem aproximadamente o mesmo diâmetro que a distância entre o Sol e a Terra (1 Unidade Astronômica ou cerca de 149.597.870 quilômetros).



Sugerimos que você veja também:

Vários radiotelescópios recebem um sinal misterioso de nossa galáxia

Os astrônomos receberam um sinal extraterrestre de um exoplaneta

Vários radiotelescópios recebem um sinal misterioso de nossa galáxia



Eles também descobriram que o disco continha material suficiente para formar até três satélites do tamanho da lua da Terra.

Ao contrário de seu companheiro, o PDS 70b não apresenta evidências claras de possuir este tipo de disco, indicando que o PDS 70c consumiu toda a poeira encontrada em seu local de nascimento.

O sistema PDS 70 visto com o satélite alma.
O sistema PDS 70 visto com o satélite alma.

Essas novas observações também são extremamente importantes para testar teorias de formação de planetas que não puderam ser testadas até agora”,

disse Jaehan Bae, co-autor e astrônomo do Carnegie Institution for Science, no mesmo comunicado.

Os cientistas teorizam que os planetas se estabelecem em discos empoeirados ao redor de estrelas jovens, abrindo caminho em sua órbita e empanturrando-se de material à medida que avançam.

Conforme um planeta cresce, ele pode formar seu próprio disco circunplanetário que continua a alimentar o jovem planeta com gás e poeira.

Dentro desse disco, partículas de gás e poeira também colidem e podem formar corpos cada vez maiores, resultando no nascimento de luas.

No entanto, os astrônomos ainda não compreenderam totalmente esses processos.

Em resumo, ainda não está claro quando, onde e como os planetas e as luas se formam”,

reconheceu Stefano Facchini, pesquisador de astrofísica do ESO e co-autor da pesquisa.

As últimas observações do PDS 70b e PDS 70c estão ajudando a lançar luz sobre esses processos de formação.

Os pesquisadores esperam poder revisitar o casal usando o Extremely Large Telescope (ELT) do ESO, que está sendo construído no Cerro Armazones, um pico no deserto chileno de Atacama.

Esta imagem, tirada com o Atacama Large Millimeter - submillimeter Array (ALMA), do qual o ESO é parceiro, mostra uma visão de perto do disco lunar em torno do PDS 70c.
Esta imagem, tirada com o Atacama Large Millimeter – submillimeter Array (ALMA), do qual o ESO é parceiro, mostra uma visão de perto do disco lunar em torno do PDS 70c.

O ELT será fundamental para esta pesquisa porque, com sua resolução muito maior, seremos capazes de mapear o sistema em grande detalhe”,

concluiu Richard Teague, co-autor do estudo e bolsista do Centro de Astrofísica de Harvard e o Smithsonian.

A pesquisa é descrita em um novo estudo publicado no The Astrophysical Journal Letters.

Deixe sua opinião nos Comentários!
E compartilhe com seus amigos…

Convidamos você a nos seguir em nossa página no Facebook, para ficar por dentro de todas as novidades que publicamos:

Deixe um Comentário