Dois “grandes pedaços de lixo espacial” com alto risco de colisão: desastre no espaço?

Especialistas dizem que há um “risco muito alto” de que dois grandes pedaços de lixo espacial:

Um satélite perdido e um velho foguete podem colidir em breve.

Dois satélites mortos com alto risco de colisão desastre no espaço

LeoLabs, uma empresa com sede na Califórnia que rastreia detritos espaciais, disse que sua modelagem sugere que os satélites se perderão por menos de 25 metros, mas que há até 20 por cento de chance de uma colisão.

A massa combinada dos dois objetos, que estão em órbita baixa da Terra a uma altitude de cerca de 615 milhas, é de cerca de 2,8 toneladas métricas, disse a empresa.

Estamos monitorando uma conjunção de risco muito alto entre dois grandes objetos perdidos no LEO(do inglês Low Earth Orbit: uma órbita terrestre baixa é uma órbita em que os objetos, como satélites, se encontram abaixo de 2000 km).

Vários pontos de dados mostram uma distância de estolagem <25m e Pc entre 1% e 20%.

A massa combinada de ambos os objetos é de aproximadamente 2.800 kg.

Detritos orbitais são definidos como qualquer objeto feito pelo homem orbitando nosso planeta que não tem mais uma função útil.



Cientistas confirmam a descoberta de um mineral nunca antes visto na natureza

Satélites da NASA detectam anomalia de 250 km na Antártida

Donald Trump diz que investigará completamente OVNIs e ameaças alienígenas

A NASA pagará $ 180.000,00 de dólares a quem conseguir resolver um problema

NASA realiza exercícios “apocalípticos” em caso de um possível impacto de asteroides contra a Terra



Pode incluir espaçonaves não funcionais, estágios de veículos de lançamento abandonados e outros detritos produzidos por missões espaciais.

Esses pedaços de lixo espacial viajam em velocidades muito altas, até 18.000 milhas por hora, mais rápido do que uma bala.

Dois "grandes pedaços de lixo espacial" com alto risco de colisão: desastre no espaço?

Essa velocidade significa que, apesar de seu pequeno tamanho, eles representam um risco significativo para espaçonaves e astronautas em órbita.

Até o momento, houve surpreendentemente poucas colisões na Órbita Terrestre Baixa (LEO).

Mas os especialistas estão cada vez mais preocupados com o aumento do número de satélites e da quantidade de detritos orbitais.

Em 1978, o cientista da NASA Donald J. Kessler propôs a ideia de que a densidade dos objetos no LEO poderia se tornar tão grande que as colisões entre os objetos criariam um loop de feedback(retorno do processo) de mais detritos espaciais e mais colisões.

A ‘síndrome de Kessler’, como essa hipótese é agora conhecida, poderia tornar muito difícil ou mesmo impossível a realização de missões espaciais nas próximas décadas devido ao alto risco de colisão com detritos espaciais.

O astrônomo Jonathan McDowell, do Harvard-Smithsonian Center for Astrophysics, que monitora as atividades espaciais, identificou os dois objetos espaciais preparados para um “encontro imediato”.

Dois "grandes pedaços de lixo espacial" com alto risco de colisão: desastre no espaço?

Ele disse que um deles é o extinto satélite de navegação russo “Parus” lançado em 1989, enquanto o outro é o foguete chinês ChangZheng-4c, lançado em 2009.

Qualquer colisão entre os dois objetos pode fazer com que eles se separem, produzindo muitas peças menores no processo.

A NASA afirma que existem milhões de pedaços de detritos espaciais menores do que uma bola de gude na órbita baixa da Terra e dezenas de milhares de pedaços maiores do que uma bola de futebol.

McDowell disse que o desastre que os dois objetos fariam se colidissem seria “muito ruim”, observando que a maioria dos destroços gerados permaneceria na órbita baixa da Terra “por décadas”.

Deixe sua opinião nos Comentários…
Compartilhe com seus amigos…

A Chave dos Mistérios Ocultos

Você já tem a chave, mas terás a coragem de abrir?

Deixe um Comentário