Detectam um buraco no Sol que gerou luzes do norte incomuns

Detectam um buraco no Sol que mede o equivalente a 20 a 30 planetas semelhantes à Terra

Convidamos você a nos seguir em nossa página no Facebook, para ficar por dentro de todas as novidades que publicamos:

Um buraco coronal perto do polo sul do Sol foi recentemente detectado pelo Solar Dynamics Observatory da NASA.
Mede entre 300.000 e 400.000 quilômetros de diâmetro, o que é “o equivalente a 20 a 30 planetas semelhantes à Terra alinhados em uma fileira”.

Embora buracos como esses, façam parte da atividade normal do Sol, Scott McIntosh, físico solar e vice-diretor do Centro Nacional de Pesquisa Atmosférica, observou que eles ainda são pouco compreendidos pelos cientistas, chamando esses eventos de “o ‘lado negro’ da atividade solar.”

Os buracos coronais aparecem como áreas escuras na coroa solar (parte externa da atmosfera do Sol), pois por serem regiões frias e menos densas que o plasma circundante fazem com que não brilhem tanto quanto em outras áreas da grande estrela.

São regiões de campos magnéticos unipolares abertos que permitem que o vento solar escape facilmente para o espaço, resultando em fluxos de vento solar em movimento rápido chamados de “correntes de alta velocidade”.

O Solar Dynamics Observatory da NASA observou um tornado surgir sobre o polo norte do Sol.
O Solar Dynamics Observatory da NASA observou um tornado surgir sobre o polo norte do Sol.

A fonte desses ventos solares rápidos, atinge velocidades entre 500 e 800 quilômetros por segundo, que podem atingir a Terra.

Campos magnéticos mais fortes, como os de uma ejeção de massa coronal, podem causar interrupções de energia ou interromper a tecnologia de comunicação.

Mas buracos coronais, mesmo grandes como este, são muito menos violentos. Assim, o principal efeito esperado é uma aurora boreal mais “vibrante”, que pode ser observada em latitudes mais baixas do que o normal, de acordo com o Centro de Previsão do Clima Espacial.

Tempestade solar severa desencadeada por condições raras

Sol buraco coronal.
Sol buraco coronal.

Assim, no último fim de semana, a tempestade geomagnética desencadeada pelo buraco solar atingiu a classe G3, posteriormente, foi elevado à classe G4, considerada grave.

Conforme relatado pelo portal The Post, a última vez que uma tempestade geomagnética de nível quatro ocorreu foi em 2017.

Bill Murtaugh, coordenador do programa do Centro de Previsão do Clima Espacial da NOAA , disse que os meteorologistas não esperavam uma tempestade dessa gravidade e que as condições que a causaram são muito raras.



Sugerimos a leitura das seguintes matérias

Algo sem precedentes acontece no sol: Um enorme tornado do tamanho de “14 terras” lança uma nuvem de plasma no espaço

Uma perigosa mancha solar gigante dobrou de tamanho em 24 horas e está apontando para a Terra

Ciclo solar 25 e a profecia do segundo sinal: A atividade sísmica está aumentando no sol



Estes foram registados por vários utilizadores nas redes sociais:

Clique nas imagens para amplia-las:.

O fenômeno pode se tornar uma preocupação, já que campos magnéticos poderosos de ejeções de massa coronal e explosões solares são conhecidos por acionar alarmes de alta tensão em sistemas de energia.

Da mesma forma, geram interferência nos satélites.

Referências: El Confidencial / NOOA.

Deixe sua opinião nos Comentários!
E compartilhe com seus amigos…

Convidamos você a nos seguir em nossa página no Facebook, para ficar por dentro de todas as novidades que publicamos:

A Chave dos Mistérios Ocultos(clique ou toque para abrir)

Luana Seretni
Notícias

Deixe um Comentário

Skip to content