Histórias sobre experiências de quase morte têm aparecido cada vez mais na mídia nos últimos anos, mas seus heróis são, em sua maioria, adultos. Aqueles que conseguem descrever o que sentiram e viram. Mas com as crianças tudo é muito mais complicado...

Como as experiências de quase morte afetam as crianças

Compartilhe esta matéria...
Histórias sobre experiências de quase morte têm aparecido cada vez mais na mídia nos últimos anos, mas seus heróis são, em sua maioria, adultos.

Aqueles que conseguem descrever o que sentiram e viram.

Mas com as crianças tudo é muito mais complicado…

Porque muitas vezes as crianças tomam tudo como certo e só falam sobre o que viram mais tarde e em circunstâncias aleatórias. A revista médica Critical Care Medicine descreveu um caso em que um bebê de seis meses foi hospitalizado e quase faleceu. Felizmente, eles conseguiram salvá-lo.

E três anos depois sua avó morreu e quando seus pais lhe contaram sobre isso, o menino perguntou calmamente:

“Ela voou pelo túnel até Deus?”

crianças que tiveram uma experiência de quase morte vendo portais de luz.
Imagem ilustrativa — Crédito: IA – A Chave dos Mistérios Ocultos.

Nunca se tinha conversado com essa criança sobre a experiência de quase morte, na qual voar através de algum túnel escuro é mencionado por quase todos que já passaram por isso, e seus pais têm certeza de que ele simplesmente teve essa experiência quando estava clinicamente morto no hospital. Outras crianças também dizem coisas semelhantes. Tom, de Berlim, de 4 anos, foi hospitalizado com obstrução intestinal. O estado da criança era tão perigoso que ela quase morreu durante a operação e depois se recuperou com complicações.

Logo após sua recuperação, o pai de Tom perguntou ao filho onde ele queria passear e ele respondeu:

“Aquele parque. Qual deles?”

Perguntou seu pai.

Como as experiências de quase morte afetam as crianças
Imagem ilustrativa – Crédito: IA – A Chave dos Mistérios Ocultos.

E o menino disse:

“Aquele em que passei pelo túnel quando estava no hospital. Havia um parque com muitas crianças e balanços. Estava cercado por uma cerca branca. Quando passei pela cerca, um homem me parou e disse que eu não poderia ir ainda, e me mandou de volta para o túnel e acabei de volta ao hospital.”

Na maioria das vezes, as visões de quase morte das crianças contêm os mesmos componentes recorrentes:

Um túnel, uma luz brilhante, um encontro com parentes falecidos, uma visão de um belo jardim ou parque, aproximando-se de algum tipo de cerca, após o qual alguém lhes diz que é muito cedo para eles irem para lá e voltarem.

E muitas vezes as crianças falam sobre como experimentaram um sentimento de grande felicidade e o posterior retorno de lá para o “mundo comum” às vezes tem um efeito muito deprimente sobre elas. Phyllis Marie Atwater, que coletou mais de uma centena de histórias infantis semelhantes sobre experiências de quase morte, algumas crianças ficaram tão chocadas com o retorno da “felicidade eterna” à realidade que posteriormente até tentaram cometer suicídio para volte lá novamente.

Como as experiências de quase morte afetam as crianças.
Imagem ilustrativa – Crédito: IA – A Chave dos Mistérios Ocultos.

Houve também crianças que, depois de voarem pelo túnel e saírem para o jardim, tiveram a opção de voltar ou ir mais longe. E eles escolheram voltar, porque tinham medo de incomodar os pais.

Se a criança já estava em idade consciente, ou seja, era um estudante, muitas vezes voltava porque precisava realizar algo na vida real. Natasha, de 33 anos, de Cardiff, nasceu completamente surda e, aos 9 anos, ficou gravemente doente com tosse convulsa.

Sua condição era tão perigosa que o médico disse que ela poderia não sobreviver naquela noite. E naquela noite a garota acordou com uma luz forte que entrava no quarto pelas frestas nas bordas da porta.

Como as experiências de quase morte afetam as crianças.
Imagem ilustrativa – Crédito: IA – A Chave dos Mistérios Ocultos.

“Eu podia ouvir alguém chamando meu nome, mesmo sendo completamente surdo. Levantei-me para ver o que era a luz e me virei para ver que ainda estava deitado na cama, dormindo e vi meu corpo. Então me vi em uma sala e percebi que alguém estava atrás de mim. Ele colocou a mão no meu ombro, mas me disse para não me virar. Ele disse que eu tinha que voltar porque era importante e tinha um trabalho a fazer.”

Natasha sobreviveu naquela noite e começou a se recuperar no dia seguinte. Mas por muito tempo ela teve medo de contar aos pais o que viu então. Ela pensou que eles a considerariam louca. A experiência a acompanhou por toda a vida e, embora ela não seja particularmente religiosa, ela diz que lhe deu força interior e autoconfiança.

“É como se eu estivesse aqui por um motivo.”

Como as experiências de quase morte afetam as crianças.
Imagem ilustrativa – Crédito: IA – A Chave dos Mistérios Ocultos.

Muitas crianças, como Natasha, têm medo de falar sobre sua experiência de quase morte, acreditando que serão chamadas de mentirosas ou anormais, mas outras não contam porque acham que isso está na ordem das coisas e acontece com todos.

Só quando crescem é que percebem que vivenciaram algo muito inusitado.

Na década de 1980, o Dr. Melvin Morse, que trabalhava em um hospital americano na unidade de terapia intensiva pediátrica, começou a coletar casos de experiências de quase morte em crianças. Ele se encontrou várias vezes com essas crianças para entender como suas vidas mudaram depois.



Sugerimos a leitura das seguintes matérias

Experiências reencarnatórias: Memórias antes da concepção

Sam, o garoto que provou ser a reencarnação de seu avô

A Misteriosa e Documentada Reencarnação das Gêmeas Pollock

A enfermeira de um hospício conta o que as pessoas veem antes da morte

Médico prova nossos entes falecidos nos esperam no momento de nossa morte



Morse observou 30 dessas crianças que sofreram morte clínica devido à parada cardíaca e, 10 anos depois da experiência, descobriu que todas as trinta estavam indo bem na escola, estavam mentalmente estáveis, felizes, tinham empatia bem desenvolvida e nenhuma estava viciado em drogas ou álcool.

Como as experiências de quase morte afetam as crianças.
Imagem ilustrativa – Crédito: IA – A Chave dos Mistérios Ocultos.

Segundo o Dr. Atwater, que também acompanhou essas crianças ao longo dos anos, elas tendem a ter relacionamentos mais longos com seus parceiros na idade adulta. No entanto, por alguma razão desconhecida, muitas pessoas que passaram por experiências de quase morte quando adultas muitas vezes se divorciam de seus entes queridos.

Além disso, as crianças que tiveram uma experiência de quase morte muitas vezes têm sensibilidade à luz e ao som, e a sua pressão arterial estava abaixo da média. Na idade adulta, muitos começaram a se considerar indivíduos altamente espirituais, ao mesmo tempo que separavam a espiritualidade da religião em que foram criados. Em alguns casos, essas crianças começaram a fazer aos sacerdotes várias “perguntas incomodas” que eles não conseguiam responder.

Deixe sua opinião nos Comentários!
E compartilhe com seus amigos…

Convidamos você a nos seguir em nossa página no Facebook, para ficar por dentro de todas as novidades que publicamos:

A Chave dos Mistérios Ocultos(clique ou toque para abrir)


Descubra mais sobre A Chave dos Mistérios Ocultos

Subscribe to get the latest posts sent to your email.

Andressa Dal Paz Balbinot
Mistérios da Vida

Deixe um Comentário