Cientistas criam acidentalmente hamsters zumbis..

Cientistas criam acidentalmente hamsters zumbis ultra agressivos

Convidamos você a nos seguir em nossa página no Facebook, para ficar por dentro de todas as novidades que publicamos:

No que soa como a premissa de um filme de terror, cientistas conduzindo um experimento de edição de genes em hamsters acabaram transformando as criaturinhas normalmente dóceis em monstros ultra agressivos.

De acordo com o portal científico EurekAlert!, cientistas da Universidade do Estado da Geórgia criaram hamsters editados por genes para estudos de neurociência social e descobriram que a biologia por trás do comportamento social pode ser mais complexa do que se pensava anteriormente.

A equipe de pesquisadores liderada pelo professor de neurociência Elliott Albers e pela distinta professora Kim Huhman usou a tecnologia CRISPR-Cas9 para eliminar as ações de uma via de sinalização neuroquímica que desempenha um papel crítico na regulação de comportamentos sociais em mamíferos.

A vasopressina e o receptor sobre o qual ela atua, chamado Avpr1a, regulam fenômenos sociais que vão desde a ligação de pares, cooperação e comunicação social até dominância e agressão.

hamsters machos e fêmeas apresentando altos níveis de agressividade

O novo estudo, publicado no Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS), descobriu que nocautear o receptor Avpr1a em hamsters e, assim, efetivamente remover a ação da vasopressina sobre ele, alterou drasticamente a expressão do comportamento social em hamsters.

“Ficamos muito surpresos com os resultados”,

disse o professor Albers.

“Antecipamos que, se eliminássemos a atividade da vasopressina, reduziríamos tanto a agressão quanto a comunicação social. Mas aconteceu o contrário.”

Em contraste, os hamsters sem o receptor mostraram níveis muito mais altos de comportamento de comunicação social do que seus homólogos com receptores intactos.

Cientistas criam acidentalmente hamsters zumbis ultra-agressivos

Ainda mais interessante, as diferenças sexuais típicas observadas na agressividade foram eliminadas com hamsters machos e fêmeas apresentando altos níveis de agressividade em relação a outros indivíduos do mesmo sexo.

“Isso sugere uma conclusão surpreendente”,

continua o professor Albers.

“Embora saibamos que a vasopressina aumenta os comportamentos sociais ao atuar em várias regiões do cérebro, é possível que os efeitos mais globais do receptor Avpr1a sejam inibitórios”.

Os hamsters utilizados na pesquisa foram hamsters sírios, que se tornaram cada vez mais importantes para estudos de comportamento social, agressão e comunicação.

Eles são as espécies em que a vasopressina foi mostrada pela primeira vez para influenciar a sociabilidade.

Segundo os cientistas, os hamsters fornecem um modelo poderoso para estudos de comportamento social porque sua organização social é muito mais semelhante à dos humanos do que a observada em camundongos, apesar de os camundongos serem os animais de laboratório mais utilizados.

hamsters machos e fêmeas apresentando altos níveis de agressividade

Hamsters também são animais de pesquisa únicos de outras maneiras, explicou o professora Huhman, que é diretora associado do Georgia State Neuroscience Institute.

“Sua resposta ao estresse é mais semelhante à dos humanos do que de outros roedores”,

disse a professor Huhman.

“Eles liberam o hormônio do estresse cortisol, assim como os humanos. Eles também têm muitos dos cânceres que os humanos têm. Sua suscetibilidade ao vírus SARS-CoV-2 que causa o COVID-19 os torna as espécies de roedores preferidas porque são vulneráveis ​​como nós.”

O trabalho com CRISPR em hamsters foi um grande avanço, dizem os dois pesquisadores.

“Desenvolver hamsters editados por genes não foi fácil. Mas entender os neurocircuitos envolvidos no comportamento social humano é importante, e nosso modelo tem relevância translacional para a saúde humana. Compreender o papel da vasopressina no comportamento é necessário para ajudar a identificar potenciais estratégias de tratamento novas e mais eficazes para um grupo diversificado de distúrbios neuropsiquiátricos que vão do autismo à depressão”,

conclui o professor Albers.



Sugerimos a leitura das seguintes matérias

Que chance há de que os zumbis existam?

Sophia, a androide que quer destruir a humanidade, será fabricada em massa para combater o coronavírus

A história por trás do Crucifixo que ‘parou’ a praga há centenas de anos

Encontram a mais antiga evidência da peste negra, nos ossos da mulher…



Um perigo real

Pode parecer uma notícia científica curiosa, porém a realidade é bem outra. Esse tipo de experimento pode causar uma verdadeira catástrofe em todo o mundo.

Como sempre, a realidade é mais estranha que a ficção.

Lembre-se do filme de Danny Boyle 28 dias depois, quando os cientistas tentaram isolar os neuroquímicos específicos que causam raiva e agressão excessiva em humanos para desenvolver um inibidor que regula os problemas de controle da raiva.

Cena do filme 28 dias depois
Cena do filme 28 dias depois.

Depois de desenvolver com sucesso um inibidor, eles acreditavam que a entrega generalizada com uma pílula ou spray não funcionaria e decidiram usar o vírus Ebola como sistema de entrega.

Dentro de duas semanas, no entanto, vários genomas isolados no vírus Ebola reagiram ao inibidor e sofreram mutação, fazendo com que o inibidor tivesse o efeito oposto:

Em vez de inibir a raiva, fez com que seus hospedeiros fossem preenchidos com raiva constante e intensa criando o vírus da raiva zumbi.

Como podemos ver, os cientistas não aprendem.

Nós da Chave dos Mistérios Ocultos somos totalmente contra experimento como este, pois nenhum ser vivo deveria ser usado de cobaia, experimentos deste gênero são uma “tortura” para qualquer animal!

E você acha amigo(a) leitor(a) acha que esse experimento científico é perigoso para a humanidade?

Deixe sua opinião nos Comentários!
E compartilhe com seus amigos…

Convidamos você a nos seguir em nossa página no Facebook, para ficar por dentro de todas as novidades que publicamos:

O Mundo dos Mistérios Ocultos(clique para abrir)

A Chave dos Mistérios Ocultos
Notícias

Deixe um Comentário