A Morte do Sol Porque os Povos Antigos Tinham Medo dos Eclipses.

A Morte do Sol! Porque os Povos Antigos Tinham Medo dos Eclipses?

O sol e a lua sempre estiveram presentes na história da humanidade e, juntamente com o resto das estrelas, serviram de explicação para vários fenômenos naturais.

Os eclipses, principalmente, chamaram a atenção dos primeiros seres humanos…

A Morte do Sol Porque os Povos Antigos Tinham Medo dos Eclipses.
A Morte do Sol? – Mal presságios, sacrifícios, manifestação da fúria divina, entre outras insanidades que ocorria na momento do eclipse.

Para os nossos primeiros ancestrais foi um fenômeno em que a fonte vital de energia desapareceu, sem saber se o seu abandono seria transitório ou definitivo.

Para os povos antigos as divindades viviam no céu, e um eclipse poderia significar a manifestação da fúria divina.

Por isso os gregos designaram o fenômeno com o nome de

eclipse”,

que significa:

desaparecimento” ou “abandono”…

É um dos espetáculos naturais mais impressionantes e belos. Mas até não muito tempo atrás, ele foi saudado com medo profundo e desencadeou as reações mais inesperadas.

Um mau presságio

O desaparecimento momentâneo da luz: era como se o Sol saísse da Terra, um acontecimento dramático, um mau presságio que anunciava acontecimentos negativos.

Esse sentimento foi compartilhado por muitas culturas, embora a interpretação de cada uma fosse diferente.

Os eclipses eram considerados um mau presságio para todas as culturas, em todos os lugares e todos os continentes até o início do século 20
Os eclipses eram considerados um mau presságio para todas as culturas, em todos os lugares e todos os continentes até o início do século 20.

Todo mundo estava com medo, eles estavam apavorados porque um eclipse no céu era a pior profecia”,

disse Bradley Schaefer, professor de Astronomia e Astrofísica da Universidade Estadual de Louisiana, à BBC Mundo.

Todas as culturas, em todos os lugares e em todos os continentes até o início do século 20, se sentiam assim.”

Céu, casa dos deuses

Na busca de explicações para entender porque houve tal coincidência entre civilizações tão distantes, a primeira ideia que Schaefer encontra é o fascínio e o respeito que o céu infundiu como lugar onde viveram deuses ou heróis.

Se você vir algo acontecendo no céu, algo dramático como a queda de um meteoro ou um eclipse, isso só pode ser um sinal do céu, uma mensagem dos deuses”,

imagina Schaefer, colocando-se no lugar de nossos ancestrais.

O fato de o céu ter escurecido de repente não era um bom presságio.

Os povos originários do Chile não foram exceção. Para os mapuches são Antü e Küyen(sol e lua em união).

As suas observações do céu serviam sobretudo para organizar as suas tarefas agrícolas e rituais.

Segundo o naturalista francês Claudio Gay, os nativos temiam o escuro. Em seu livro “Usos e costumes dos Araucanos”, ele relata que durante um eclipse solar os mapuches atiraram pedras no sol enquanto ele se escondia atrás da lua.

Mapa do eclipse de 1715 por Edmond Halley.
Mapa do eclipse de 1715 por Edmond Halley.

Daniela Palma, astrónoma e aluna do Mestrado em Astrofísica do Instituto de Física e Astronomia do U. de Valparaíso, afirma:

“Encontramos semelhanças na forma como interpretamos os eclipses, mesmo com culturas mundiais que, em sua maioria, consideravam os eclipses fenômenos que anunciavam grandes calamidades para a comunidade.

Mas, além das conotações místicas, a importância do Sol na natureza sempre foi algo evidente para os povos indígenas; a sua força, luz e calor permitiram-lhes ter uma série de conhecimentos práticos que aplicaram no dia-a-dia”…

Eventos transitórios

Na história da astronomia de várias culturas, há uma série de fenômenos naturais que sempre foram temidos:

Cometas, meteoros, eclipses lunares e eclipses solares.

Antes da era moderna, esses quatro fenômenos tinham algo em comum:

Eram imprevisíveis.

Um eclipse total do sol foi um fenômeno inesperado e não compreendido em sua natureza, o que explica o medo que produziu.

Adoração ao sol

Outro elemento que as culturas ancestrais compartilhavam, mesmo em níveis diferentes, era a adoração do Sol como se fosse um deus.

Geografia do grande eclipse solar de julho de 1748.
Geografia do grande eclipse solar de julho de 1748.

Mesmo na cristandade moderna, embora não se diga muito, temos parte dessa adoração, por causa da forma como recebemos os solstícios ou como relacionamos Jesus com a luz”,

diz Schaefer.

Um eclipse solar total foi como a morte de um deus…

Foi interpretado como o presságio da morte do rei, do imperador ou mesmo do fim da humanidade. Em todas as sociedades do mundo, eclipses e cometas eram os fenômenos mais temidos”,

afirma o astrofísico.

Da Babilônia aos Astecas

Para compreender o alcance dessas teorias, vamos relembrar alguns exemplos de como diferentes civilizações reagiram ao longo da história aos eclipses totais do sol.

Na Babilônia, ocorreu o eclipse mais antigo que foi datado com precisão, o chamado eclipse da Babilônia.

O dia foi transformado em noite no dia 26 do mês de Sivan, no sétimo ano do reino e houve um incêndio no meio do céu”,

narram as escrituras.

O eclipse foi observado no sul da Babilônia em 31 de julho de 1062 AC.

Uma referência da Bíblia, no Apocalipse, relaciona os eclipses do sol e da lua com os terremotos:

E eu vi, quando o sexto selo foi aberto, um grande terremoto ocorreu, e o Sol ficou preto como tecido de crina de cavalo, e a Lua inteira se transformou em sangue”.

(Apocalipse 6:12).

Observação do eclipse na China antiga. Os astrônomos observam calmamente o evento enquanto os servos, aterrorizados, se prostram no chão para aplacar o mau presságio.
Observação do eclipse na China antiga. Os astrônomos observam calmamente o evento enquanto os servos, aterrorizados, se prostram no chão para aplacar o mau presságio.

No sul da Ásia, os eclipses deixaram uma variedade de lendas e superstições nas quais foi interpretado que o sol foi comido por dragões ou outros monstros.

Na Grécia, os astrônomos foram grandes observadores do fenômeno e isso deixou vários registros históricos.

No clássico de Homero, “A Odisséia”, há uma referência a um eclipse provavelmente observado em 1178 aC:

E o Sol morreu no céu e uma névoa maligna cobre tudo.”

Na América pré-colombiana também existem mitos e lendas relacionadas ao cosmos e eclipses.

Os maias e os astecas deixaram narrativas sobre batalhas estelares entre deuses para obter os melhores lugares do universo.

Os historiadores dizem que, para vencer o medo e lutar contra os espíritos malignos, nossos ancestrais gritaram, usaram todos os tipos de dispositivos capazes de produzir ruído ou atirar flechas para o céu.

Para os e aimarás(um povo estabelecido desde a Era pré-colombiana no sul do Peru, na Bolívia, na Argentina e no Chile), os eclipses estão relacionados aos conflitos entre o sol e a lua.

Um matéria publicada na revista Diálogo Andino em 2014 escrito por Persis B. Clarkson e Luis Briones Morales, aponta que os antigos povos Tarapaco do norte do Chile acreditavam que um eclipse solar ocorre porque a lua (água) o vence.

Para evitar essa morte, eles acendiam fogueiras nos lugares mais altos para ajudá-lo a recuperar as forças e fazê-lo brilhar novamente.

Se a coroa do eclipse fosse avermelhada, esperavam guerras, se fosse branca, então se preparavam para um ano frio e se fosse amarelo, dias quentes e incêndios.

Quando parecia mais azul, previa um ano chuvoso.

Mais conhecimento, menos medo

A sociedade moderna em geral se livrou desses medos, mas eles não aconteceriam até o início do século XX.

Mapa de um eclipse de 1869.
Mapa de um eclipse de 1869.

Surgem então livros populares que explicam o fenômeno, começa a ser ensinado nas escolas e o eclipse não é mais visto como o fim do mundo, a morte de um deus ou de um rei.

Essa conexão foi interrompida…

Por um lado, eles já podem ser previstos. E, por outro lado, o conhecimento geral do que causa um eclipse é ampliado.

Se você parar para pensar sobre isso, é apenas uma sombra, e quem tem medo de sombra” ,

disse Schaefer.

Uma vez que você tem um evento previsível, isso não significa mais quebrar a harmonia da natureza.”

Depois de entender isso, o medo se perde…

E deslumbre aparece…



Arqueólogos recriam o antigo perfume egípcio usado por Cleópatra

Espada anglo-saxônica de prata dourada gravada com uma suástica é leiloada

Arqueólogos descobrem outra Esfinge Enterrada no Templo de Kom Ombo

Estudante encontram figuras que podem ser da cidade bíblica de Ziclague



Compartilhe isso com amigos:
Deixe sua opinião nos Comentários…

Referências:

pt.wikipedia.org/wiki/Aimar%C3%A1s

bbc.com/mundo/noticias-40983436

Curiosidades

Deixe um Comentário