Emma, a vaca que chorou ao pressentir que seria abatida.

O Reino Unido reconhecerá legalmente que os animais têm sentimentos

Por lei, os sentimentos dos animais serão reconhecidos no Reino Unido.
A vaquinha Emma é um desses seres vivos que se tornaria hambúrguer, picanha, etc. A fazenda de gado leiteiro em que ela vivia faliu, e as últimas 25 vacas do local foram destinadas ao abate. Ao ser colocada em um trailer, seus olhos arregalados e cheios de lágrimas revelavam pavor e desespero de um animal que sentia seu fim próximo. É de partir o coração!
Emma, a vaca que chorou ao pressentir que seria abatida.

O Governo do Reino Unido propôs um conjunto de medidas que inclui o reconhecimento dos animais como seres com sentimentos, a proibição da exportação de animais vivos e da importação de troféus de caça.

Este é o projeto de lei do bem-estar animal apresentado no Parlamento. O projeto Animal Sentience Bil contempla que os animais podem experimentar sentimentos como dor ou alegria.

Também estabelece um plano de ação para proteger os animais de estimação, a vida selvagem e o gado. O plano visa melhorar os padrões e erradicar as práticas cruéis para os animais, tanto nacional como internacionalmente.

Em cima da mesa estão uma série de leis, como proibir a exportação de animais vivos, a importação de troféus de caça de animais ameaçados e o reconhecimento formal de uma consciência ou sentimento animal, para os animais de estimação ou criação.

Poderá, também, ser proibida a entrada de marfim e barbatanas de tubarão no território, e, até, de foie gras – paté de fígado de um ganso ou pato forçosamente alimentados, uma iguaria da culinária francesa.

Entre outras iniciativas, serão proibidas as exportações de animais vivos para abate, bem como a manutenção de macacos e outros primatas como animais de estimação.

Somos uma nação de apaixonados por animais, fomos o primeiro país no mundo a aprovar leis para o bem-estar animal. O nosso plano de ação respeitará o compromisso de banir a exportação de animais vivos para abate e engorda, proibir a criação de primatas como animais de estimação e criar novas leis para combater o contrabando de cachorros”,

afirmou o secretário de Estado para o Ambiente, George Eustice, citado pelo The Guardian.

Como nação independente, estamos agora em condições de chegar mais longe que nunca para consolidar o nosso excelente historial.”



Confira outras matérias:
Nossos animais falecidos podem nos visitar?
Os animais tem alma? E que acontece quando eles morrem?
O enigma misterioso dos cavalos radioativos de Chernobyl
Tartaruga “caveira” é encontrada em uma praia no Reino Unido


Os microchips obrigatórios para gatos também serão introduzidos junto com a repressão à caça à lebre, um esporte sangrento no qual cães como galgos perseguem lebres pelos campos.

Além disso, esta lei visa garantir que os impactos no bem-estar animal sejam levados em consideração ao estabelecer a legislação e a política, e criar um órgão de supervisão independente para garantir que assim seja.

Também será criado um Comitê de Sensibilidade Animal composto por especialistas na área.

O problema é que muito tempo o homem usa animais em experiências, ele vem buscando conhecimento científico e também para o benefício da nossa saúde.
Há algum tempo, se observa a luta constante de pessoas que lutam pelos direitos dos animais, de não se usar nenhuma espécie, seja cachorro, rato ou gato para o experimento que for.

James West, representante da organização de defesa dos direitos dos animais Compassion in World Farming, defendeu que algumas destas medidas resultaram de longos anos de ações de sensibilização:

Há muito que apelamos para uma legislação britânica que reconheça os animais como seres “sencientes” (com sentimentos) e que tenha em conta os seus sentimentos na implementação de políticas.”

E, acrescentou, citado pelo The Guardian:

Há décadas que fazemos campanha por isto: é hora de pôr, finalmente, termo a este comércio cruel e desnecessário.”

Sem surpresa, os ativistas do bem-estar animal receberam bem o plano de ação e instaram o governo a torná-lo “apenas o começo” de uma estratégia abrangente e em evolução de saúde e bem-estar animal.

Vale lembrar que o Reino Unido foi o primeiro país do mundo a aprovar legislação para proteger os animais em 1822 com a Cruel Treatment of Livestock Act e, posteriormente, a histórica Lei de Proteção Animal em 1911.

A acusação foi instaurada por Richard Martin , também conhecido como "Humanity Dick", e o caso tornado-se memorável porque ele trouxe o burro ao tribunal.
Uma pintura do julgamento de Bill Burns, a primeira condenação mundial por crueldade contra animais sob a Lei de Martin de 1822, depois que Burns foi encontrado batendo em seu burro.

Ao longo dos anos, eles realizaram reformas para proibir o uso de gaiolas para galinhas poedeiras e, mais recentemente, o aumento da pena máxima por crueldade contra os animais de seis meses para cinco anos de prisão.

Da mesma forma, lembremos que o Senado dos Estados Unidos aprovou por unanimidade em 5 de novembro de 2019 uma lei que transforma os crimes de crueldade contra os animais em crimes federais e, portanto, processáveis ​​em todos os Estados. Iniciativas que valem a pena replicar em todos os países do mundo.

Se você quiser ajudar nessa batalha clique aqui!
A utilidade ou o princípio da maior felicidade, como fundamento da moral, sustenta que as ações são certas na medida em que elas tendem a promover a felicidade e erradas quando tendem a produzir o contrário da felicidade. Por felicidade entende-se prazer e ausência de dor, por infelicidade, dor e privação do prazer.
As evidências de hoje indicam que muitos animais sentem alegria, tristeza, pena…
E nosso querido Brasil, será que fará uma lei assim?
Deixe sua opinião nos Comentários!
E compartilhe com seus amigos…

Deixe um Comentário