Cookie Consent by Free Privacy Policy GeneratorAtualizar preferências de cookies

Há um planeta adicional no céu, comparável em brilho a Marte e Júpiter.

Maldek ou Phaethon: O enigma do “quinto planeta” que não se fala

Convidamos você a nos seguir em nossa página no Facebook, para ficar por dentro de todas as novidades que publicamos:

Há um planeta adicional no céu, comparável em brilho a Marte e Júpiter.

”Então, uma noite, ela explode repentina e inesperadamente, como uma nova em nosso sistema solar. Ele se expande e acende para um brilho diurno, depois desaparece. Em poucos meses, a vanguarda atinge a Terra. O céu, dia e noite, está em chamas com grandes chuvas de meteoritos brilhantes. Tal espetáculo deixaria uma impressão mais sinistra e profunda nos habitantes da época.”

Timothy Unruth. Phaeton: O Planeta Perdido. Um mundo antigo que pereceu 1995.

De tempos em tempos, a existência de um planeta enigmático, chamado quinto, e que no passado se argumenta fazer parte do nosso sistema solar, vem experimentando um grande renascimento há alguns anos.

Esta super-terra, como é popularmente conhecida, é fonte de incessantes controvérsias, e onde o mundo científico parece não ter uma opinião uniforme.

O mito de Phaethon, que esconde segredos do nosso passado planetário.
O mito de Phaethon, que esconde segredos do nosso passado planetário.

Há uma posição dominante, que parece se esquivar dessa ideia, negando qualquer abertura para uma futura revisão do assunto.

Mas apesar dessas reviravoltas, atualmente acumulamos uma enorme quantidade de dados, o que nos leva a pensar que nem tudo é fantasia. Vamos navegar atrás de seus mistérios.

Phaethon – O Radiante Imprudente:

“Aqui jaz Phaethon, que fez a jornada através do Sol, desafiou a todos, embora a fraqueza o tenha traído.”

A mitologia grega está repleta de histórias intrigantes e insights incompreensíveis se você não tiver a chave certa. Phaethon, conhecido como o brilhante ou radiante, representa um desses exemplos. Todos conheceram o seu desfecho trágico, marcado pela morte.

Faetonte (ou Phaethon) um asteroide que chega a 5,8 km de largura e é conhecido como o pai da chuva de meteoros Geminídeas.
Faetonte (ou Phaethon) um asteroide que chega a 5,8 km de largura e é conhecido como o pai da chuva de meteoros Geminídeas.

Mas, quem é esse herói irresponsável, que estava prestes a destruir a terra, sendo o próprio Zeus, o carrasco de seu destino? Os cronistas relatam que Phaethon é filho de Hélios, personificação do Sol, e um dos grandes Titãs.

Homero, o grande rapsodo grego, descreve Hélios como um brilhante cavaleiro viajando pelo firmamento celestial, comandando quatro corcéis soltando fogo. Eles são Phlegon (o ardente), Aethon (o resplandecente), Pirois (o ígneo) e Eoo (o amanhecer).

Quero que o leitor preste atenção nesta primeira pista, pois se alternar cavalo com dragão expelindo fogo, o cenário muda completamente, pois dragão declara esoterismo, refere-se a grandes iniciados.

As lendárias serpentes nagas…

Estátuas Nagas.
Estátuas Nagas.

Hélios, portanto, é um iniciado solar, um habitante do submundo tártaro e um senhor que tudo vê. Levando em conta um personagem tão importante, é impossível conceber o fracasso de Phaethon, mas aconteceu.

Sua inexperiência em manusear a fantástica carruagem de seu pai, obrigou Zeus a tomar providências sobre o assunto, pois segundo o que é narrado, e atento leitor com estas falas, Faetonte em sua caminhada celeste, virou-se muito alto, fazendo com que a Terra esfriasse, e fazendo por sua vez, a vegetação secou e queimou. O continente africano também foi afetado, tornando-se depois um deserto.

Esta é uma primeira pista emergente, por trás do véu do mito. A segunda vem de um cronista grego de luxo, ninguém menos que o filósofo Platão. E é que em seu famoso diálogo Critias, onde a Atlântida é referenciada pela primeira vez, são introduzidas alusões a Phaethon, revelando a si mesmo, sua estrutura cósmica. A transmissão desses mistérios é colocada na boca de Sólon, um dos sábios mais importantes da Grécia.

Sólon (possivelmente entre -638 e -558 a.C.) foi um aristocrata, poeta e estadista grego, um dos representantes máximos da cultura de Atenas.
Sólon (possivelmente entre -638 e -558 a.C.) foi um aristocrata, poeta e estadista grego, um dos representantes máximos da cultura de Atenas.

Vejamos esta passagem:

“Phaethon, filho de Hélios, tendo atrelado os cavalos à carruagem de seu pai, porque não era capaz de dirigir no caminho de seu pai, queimou tudo o que havia na terra e foi destruído por um raio. Agora isso está na forma de um mito, mas na realidade significa um declínio de corpos movendo-se no céu ao redor da terra, e uma grande conflagração das coisas na terra, repetindo-se após longos intervalos.”

Essa revelação surge de ecos mais antigos, como Platão proclama em Crítias, já que Sólon admite ter herdado as informações de sacerdotes egípcios. Mas há uma ligação ainda mais estreita entre o infeliz Faetonte e a terra das pirâmides, pois há rumores de que ele nasceu lá.

Em busca do quinto planeta:

 “Entre as órbitas de Marte e Júpiter falta um planeta. Todas as leis da gravitação defendem sua existência. Mas há apenas um cinturão de asteroides ali, qual a causa do desaparecimento do que seria o QUINTO planeta?”

Mário Leget. O enigma do quinto planeta, 1980.

Fragmentos recuperados em 2010 ligados ao caso Tunguska. Eles mostram padrões estranhos, que parecem se assemelhar a algum tipo de escrita.
Fragmentos recuperados em 2010 ligados ao caso Tunguska. Eles mostram padrões estranhos, que parecem se assemelhar a algum tipo de escrita.

Esta seção poderia ser intitulada, como Phaethon deixou o armário mitológico, para se infiltrar no mundo acadêmico.

Puro sensacionalismo, diriam alguns, e teriam razão, se não fosse por alguns estudiosos que lançaram em ideias temerárias sobre o sistema solar, que, no desenvolvimento de suas hipóteses, acabariam ligando Phaethon.

Tal provocação começou a ganhar adeptos no século XVII, principalmente devido ao impulso dos astrônomos alemães, sendo um de seus maiores representantes Johann Daniel Titius, 1729-1796, que formularia a lei que leva seu nome, acrescentando posteriormente Johann Bode, 1747-1826, como segundo no comando, embora como plágio. Essa equação matemática enunciada por Titius permite prever com incrível confiabilidade, a distância dos planetas em relação ao sol.

Selo comemorativo, comemorativo do quadragésimo aniversário do evento de Tunguska, e cujas derivações podem ser ligadas, com o enigma do Faetonte.
Selo comemorativo, comemorativo do quadragésimo aniversário do evento de Tunguska, e cujas derivações podem ser ligadas, com o enigma do Faetonte.

Mas esta brilhante descoberta produziu um paradoxo inesperado, quando se deduziu que a Lei de Titius-Bode só poderia ser cumprida em sua totalidade se fosse admitida a existência de um quinto planeta, uma vez orbitando entre Marte e Júpiter.

O mundo científico ficou perplexo, e uma corrente de ansiedade logo se espalhou entre vários estudiosos, obcecados em encontrar evidências, sobre aquele mundo perdido.

Uma proposta que rapidamente ganhou popularidade foi a lançada pelo astrônomo alemão Heinrich Wilhelm Matthäus Olbers, 1758-1840, que em 1802 declarou que fragmentos do cinturão de asteroides eram remanescentes de um antigo planeta desaparecido. Esta tese, continuação da Lei de Titius-Bode, foi batizada de Teoria Disruptiva, acrescentando dados adicionais aos já enunciados.

No mesmo espírito, Johann Gottlieb Radlof, 1775-1846, chamado o pai do catastrofismo alemão, publicou em 1823, “Destruição dos grandes planetas Hesperus e Phaeton, e posterior destruição e inundação da terra”, antecipando suas ideias quase um século , aos promulgados posteriormente pelo estudioso russo Immanuel Velikovsky, 1895-1979, em seu célebre Worlds in Collision, 1950.

O livro publicado por Johann G. Radlof, chamado o pai do catastrofismo, e onde Phaeton é apontado pela primeira vez, como a causa do dilúvio.
O livro publicado por Johann G. Radlof, chamado o pai do catastrofismo, e onde Phaeton é apontado pela primeira vez, como a causa do dilúvio.

Em 2003 o escritor britânico Trevor Palmer, no seu livro «Dangerous planet Earth: catastrophes and catastrofism through the age», revelou algumas curiosidades sobre a obra de Johann Gottlieb Radlof, expressando:

“Radloff, argumentou que um grande planeta entre Júpiter e Marte, poderia ter sido despedaçado em tempos históricos por um impacto de cometa. Ele especulou que outra parte do planeta destruído havia encontrado Marte e foi lançado em uma órbita quase circular ao redor do Sol, perto de Vênus. Enquanto outro fragmento colidiu com a Terra, dando origem a mitos que descrevem batalhas no céu, entre vários deuses.”

Os astrônomos alemães, até então os eixos dominantes da polêmica, foram sucedidos por pesquisadores russos, que, no início do século XIX, se lançaram na arena midiática.

Phaeton e a trilha de Tunguska:

“O quinto planeta do sistema solar do passado, do passado, passou por uma órbita irregular, periodicamente se aproximando cada vez mais de Júpiter, até entrar na zona crítica de ruptura da gravidade das marés, e simplesmente se despedaçar. , tornando-se o aglomerado de asteroides de os tempos atuais” .

Cinturão de asteroides entre Marte e Júpiter, possíveis restos de Phaethon.
Cinturão de asteroides entre Marte e Júpiter, possíveis restos de Phaethon.

O Livro de Urântia.

Embora Johann Gottlieb Radlof tenha sido o primeiro a apresentar Phaethon , como um santo patrono catastrófico, os estudiosos russos começaram sua própria cruzada. Quem primeiro assumiu o cargo foi o astrônomo Sergei Vladimirovich Orlov, 1880-1958, que em 1949 reivindicou Phaethon como sua própria invenção. Um ano depois, em 1950, o acadêmico Vasily Fasenkov entrou na luta, declarando que Phaethon foi destruído após colidir com Júpiter, embora mais tarde ele tenha se desculpado de promover sua proposta.

Teorias ousadas sobre Phaethon continuaram a crescer, tornando-se cada vez mais populares. Mas não foi até 1959, quando um evento curioso retornou Phaethon à arena da mídia. Aconteceu um brilhante meteorito, descrito como uma espécie de projétil cósmico, penetrou em Příbram, região da Tchecoslováquia, cuja trajetória outrora calculada determinou sua origem, localizada em algum lugar entre Marte e Júpiter.

Uma segunda evidência foi apresentada no Himalaia, a Cordilheira Karakórum, em 1975. Lá, nas chamadas montanhas negras, durante uma expedição organizada pelo prestigiado geólogo russo Pavel Florensky, foram detectados misteriosos fragmentos verdes brilhantes, que outrora analisado acabou por ser tektites.

Restos do meteorito Příbram que em 1959 foi recuperado na Tchecoslováquia. Alguns estudiosos sugerem que podem ser restos do Faetonte desaparecido.
Restos do meteorito Příbram que em 1959 foi recuperado na Tchecoslováquia. Alguns estudiosos sugerem que podem ser restos do Faetonte desaparecido.

De acordo com o que foi dito, esses cristais “eram os restos de meteoritos nunca antes encontrados na Terra”. Os estudiosos russos que examinaram essas amostras, determinaram as tektites, nasceram como resultado de uma violenta explosão, sendo posteriormente lançadas em direção à Terra.

Enquanto desenvolvo este trabalho, uma informação inesperada se infiltra na história narrada, conectando Phaethon, com o enigma não resolvido de Tunguska, 1908. Leonid Kulik, 1883-1942, como uma pista notável, sendo o primeiro estudioso russo especialista em Mineralogia, que realizou algumas das expedições mais lembradas, em suas tentativas de esclarecer o que aconteceu em Tunguska.

Kulik estava convencido de que uma rocha de enormes dimensões, estimada em 37 metros de diâmetro, explodiu na taiga siberiana. Durante a sua vida procurou vestígios desse impacto, que acreditava ser um meteorito, mas as suas investigações não o conseguiram provar.

Possíveis restos de Maldek - Meteorito encontrado em Tunguska em 2016
Possíveis restos de Maldek – Meteorito encontrado em Tunguska em 2016.

Uma anomalia:

E aqui uma anomalia que este escritor questiona. Outro dos grandes crentes do Phaethon foi o cientista Yevgeny Leonidovich Krinov, 1906, 1984. Especialista em mineralogia e astronomia, Krinov esteve envolvido nas expedições realizadas por Kulik em Tunguska.

Essas experiências dariam origem a uma obra considerada essencial hoje, O Meteorito de Tunguska, publicada em 1949. Mas em 1975, mesmo ano da descoberta das referidas tectitas, Krinov assumiu uma posição controversa, pois decidiu ordenar a destruição de 1.500 negativos filmada por Kulik em Tunguska, durante a exploração de 1938, argumentando que o filme estava infectado com contaminante de nitrato. Muitos se perguntam se ambos os eventos, Tunguska e Phaeton, guardam segredos vinculantes e de derivações insuspeitadas.

Alexander Peterovich Kazantsev – Antigos Astronautas e Phaeton:

Se havia um nome associado à Phaethon, era Alexander Peterovich Kazantsev, que ganhou fama como promotor do assunto, nos anos sessenta. Nascido em Akmolins, Rússia , em 1906, ele se formou na Universidade Politécnica de TOMSK como engenheiro eletromecânico. Estudos posteriores levaram-no a aventurar-se na literatura de ficção científica, obtendo importantes prêmios como escritor, devido aos seus fabulosos ensaios. Mais tarde trabalhou como ufólogo, sendo considerado um dos primeiros pioneiros, sobre a presença de alienígenas nos tempos antigos.

Ainda hoje não nascem árvores no local
A explosão de Tunguska foi o maior impacto de um corpo celeste que a Terra sofreu em toda a história da civilização. Ainda que o epicentro estivesse despovoado, pessoas em centenas de lugares da Ásia e Europa testemunharam o ocorrido.

Em 1946 sua fama aumentou, quando apresentou suas opiniões sobre Tunguska, afirmando que o evento foi produto de uma explosão termonuclear, devido à incursão fracassada de uma nave extraterrestre nos céus siberianos. Além de lidar com os enigmas de Tunguska, Kazantsev também se interessou por um assunto que ao longo dos anos se tornou uma obsessão, a busca pelo planeta perdido.

Como forma de exorcizar suas ideias, em 1974 publicou “PHAETAE”, traduzido para o português como “A destruição de Faena“, onde especula que o planeta foi habitado por uma civilização avançada , que após uma violenta destruição nuclear, seus sobreviventes, foram forçados a se refugiar na Terra, buscando escapar da devastação. E a partir deste ponto, adicionarei outra coisa mais tarde.

Um ano depois de lançar seu romance, Kazantsev volta à briga com Phaethon, observando em um mundo exclusivo, “aquele planeta, que se acredita ter orbitado entre Marte e Júpiter, foi destruído nos tempos antigos por uma explosão termonuclear, desencadeada por uma raça avançada de humanidades, e cujos restos podem ser observados, no atual cinturão de asteroides.



Sugerimos a leitura das seguintes matérias

Mídia canadense afirma que a Nasa disparou mísseis contra Nibiru para evitar o apocalipse

Um enorme objeto escuro bloqueou a visão do sol do satélite

Suposta espaçonave alienígena gigantesca gravada perto de Júpiter

Astrônomos ficam intrigados com a presença de anéis misteriosos em uma imagem do Telescópio Espacial James Webb



Paralelamente a esta declaração contundente, Kazantsev também afirmou ter feito moda, as intrigantes estatuetas japonesas de Dogu, datadas de 8.500 anos, alegando representar astronautas de Phaethon.

Figuras de dogu: Essas esculturas têm uma estranha semelhança com os trajes espaciais usados ​​pelos astronautas. Além disso, há sinais do uso da tecnologia, veja os óculos, o capacete, etc.
Figuras de dogu: Essas esculturas têm uma estranha semelhança com os trajes espaciais usados ​​pelos astronautas. Além disso, há sinais do uso da tecnologia, veja os óculos, o capacete, etc.

Apesar de seu enorme prestígio, Kazantsev, que morreu em 2002, foi objeto de violenta controvérsia devido à sua defesa da vida extraterrestre, onde muitos críticos viram a ficção científica como a principal causa por trás de suas afirmações bizarras. Como se isso não bastasse, uma dúvida ainda maior parece cercar Kazantsev, se prestarmos atenção a uma história que o liga ao nosso amado George Hunt Williamson.

George Hunt Williamson – Canalizando Maldek:

“O Antigo Testamento está literalmente cheio de referências ao fim do planeta conhecido pelos antigos da Terra como Lúcifer, e que as inteligências do espaço exterior chamam de Maldek, (língua de prata). Às quais devem ser adicionadas citações inteiras de versículos de comentaristas como Isaías, Tiago, Josué e também de Êxodo, durante o período de Moisés.”

George Hunt Williamson. Other Tongues – Other Flesh(Outras Línguas – Outra Carne), 1953.

Este escritor não descansará até que George Hunt Williamson receba os créditos que merece por seu trabalho, que atualmente está sendo ignorado. A amnésia parece não ter fim, talvez dominada pelo preconceito em relação ao personagem. Quem escreve, ele os teve, ele não nega, embora a banda finalmente caiu. Vamos cuidar desses dados.

Outras línguas. Outras Carnes. George Hunt Williamson, e um texto chave, publicado em 1953, e de notável influência para autores posteriores.
Outras línguas – Outra Carne de George Hunt Williamson, e um texto chave, publicado em 1953, e de notável influência para autores posteriores.

Em 1953 publicou um livro que alcançou grande repercussão nos meios ufológicos, «Other Tongues – Other Flesh(Outras Línguas – Outra Carne)» , obra sem tradução para o espanhol, sendo seu mentor nada menos que o americano George Hunt Williamson.

A idéia apresentada em Other Tongues – Other Flesh trata das transmissões ditadas pelos «irmãos do espaço», que segundo Wiliamson, o escolheram como meio para as suas comunicações com o mundo, utilizando como técnica de recepção a escrita automática e os sinais de rádio. A maior parte das notas do texto tratava das origens das antigas civilizações estelares e terrestres, tendo como referência principal, enigmas sobre o Sistema Solar.

De acordo com as leituras obtidas através dos seus mensageiros espaciais, materializadas no terceiro capítulo de Other Togues – Other Flesh, «Maldek e Malona», a Terra deve o seu nascimento a um planeta já extinto, Maldek, destruído por uma conflagração nuclear, que teria orbitado entre Marte e Júpiter.

Williamson escreve:

“Isto significa Maldek, era um mundo de iniquidade que explodiu, e queimou, causando a contaminação dos outros planetas do sistema solar. Devido à sua maldade, Maldek (a língua), incendiou seu vórtice, liberando o poder do terrível hidrogênio, reduzindo-o a um estado invisível.”

A Destruição do Planeta Maldek e Seus Habitantes, causou a Transferência Kármica Subseqüente de Entidades para a Terra
A Destruição do Planeta Maldek e Seus Habitantes, causou a Transferência Kármica Subsequente de Entidades para a Terra.

 É interessante observar que a maioria dessas comunicações comentadas por Williamson ocorreu no Arizona, que, em artigo anterior, apontamos como região de capital importância, se olharmos o que aconteceu com os Hopis. Vamos lembrar do Arizona, a famosa terra dourada.

Além de Maldek, Williamson fornece dados mais do que sugestivos sobre Marte, antecipando uma discussão de mais de trinta anos sobre a artificialidade de seus satélites.

“Após a destruição de Maldek-Lúcifer, ocorreram desastres terríveis em Masar (Marte). Ocorreram grandes erupções vulcânicas. Muitos de nosso povo pereceram. Marte literalmente se tornou um deus flamejante horrível e furioso. Evidentemente, o povo de Marte sabia o que estava por vir, então eles construíram os dois satélites artificiais chamados Fobos e Deimos, criados em um momento de grande medo.”

Agregando:

“As luas são balanceadoras dos planetas com os quais estão conectadas.”

Alexander P. Kazansetv foi um grande defensor do Phaethon, que utilizou como recurso para alguns de seus romances de ficção científica.
Alexander P. Kazansetv foi um grande defensor do Phaethon, que utilizou como recurso para alguns de seus romances de ficção científica.

Passemos agora à questão das estatuetas de Kazantsev Dogu. Sabemos muito bem como o escritor russo divulgou ao mundo sua visão de alienígenas de Phaethon, que, fugindo da destruição de seu planeta, buscaram refúgio na Terra. As estatuetas Dogu seriam a representação desses viajantes interplanetários. Essa é a tese de Kazantsev.

E este escritor se pergunta reivindicações legítimas, ou roubo total?

De acordo com o que pude investigar, Williamson esteve no Japão na década de 1960, e foi nesse país que ele entrou em contato com essas figuras, que mais tarde surpreenderiam o mundo. Está comprovado que dois anos depois, em 1962, o americano enviou fotografias e relatórios de suas observações ao russo, que na época já era “consultor do programa espacial soviético”.

Diz-se que ele respondeu à carta dela dizendo que as “fotografias eram muito interessantes”, e catalogando-as como de suma importância.

Em 1963, Kasantsev publicou seu famoso ensaio sobre o mistério das estatuetas de Dogu , tomando muito cuidado para não mencionar seu misterioso benfeitor, que, como sabemos, foi iludido mais uma vez, na redação dos créditos.

Zecharia Sitchin e tabuleta da mitologia suméria.
Zecharia Sitchin e tabuleta da mitologia suméria.

Suponho que o leitor se perguntará meu silêncio sobre Zecharia Sitchin e Tiamat, aliás, Faeton-Maldek. Após esta explicação, Sitchin está longe de ser digno de atenção neste momento.

Antes de fechar esta janela sobre Faeton, gostaria de acrescentar um episódio pouco conhecido envolvendo Cueva de los Tayos e Maldek, em dados exclusivos incluídos em meu livro sobre o assunto, Cueva de los Tayos. Segredos Subterrâneos dos Mundos Esquecidos, publicado em 2016.

Segredos subterrâneos sobre Phaethon

Esta história que agora vou compartilhar foi-me narrada por uma testemunha argentina, que me confiou uma revelação surpreendente, envolvendo Juan Móricz, Tayos e Maldek. Vamos ter em mente sobre Tayos, existem muitas versões, mas sem medo de dúvida, estamos diante de uma das mais explosivas.

Ao que parece, durante suas incursões nos labirintos de Tayos, Móricz se deparou com três corpos de gigantes loiros, do tipo albino, além de murais decorados com signos, -uma espécie de mapa de rotas- e adornando o recinto, colunas de estilo fálico. , cuja escrita encontrou, lembrou o cuneiforme.

Cueva de los Tayos de Coangos.
Cueva de los Tayos de Coangos.

Móricz estava convencido de que esses restos eram vestígios de um planeta chamado Phaethon, que teria orbitado entre Marte e Júpiter, e que uma vez destruído, como resultado de uma guerra civil entre seus habitantes, alguns sobreviventes se mudaram para a Terra , residindo sempre desde dentro. A testemunha também me disse que Móricz teria manifestado a intenção de divulgar um livro, que seria intitulado.

“O Império do Deus Falo”,

onde ele iria contar toda a sua verdade. Até aqui.

Conclusão

 O artigo propõe uma tentativa abreviada, de um assunto pouco explorado pelos estudiosos, embora nos últimos tempos, tenha visto um renascimento de sua atividade por meio de novos divulgadores, como é o caso do chamado informante norte-americano Corey Goode, com suas afirmações sobre uma antiga super terra planetária .

Outras nomenclaturas referem-se ao planeta desaparecido, como Tiamat, Planeta Amarelo, Satânia, Lúcifer, Astra, estabelecendo-se como herança de narrativas lendárias. Alguns sensitivos supõem que, após o colapso de Maldek, a Terra entrou em uma encruzilhada cósmica.

Deixe sua opinião nos Comentários!
E compartilhe com seus amigos…

Convidamos você a nos seguir em nossa página no Facebook, para ficar por dentro de todas as novidades que publicamos:

A Chave dos Mistérios Ocultos(clique para abrir)

A Chave dos Mistérios Ocultos
Mistérios

Deixe um Comentário

Перегляньте огляди мобільних казино

Перевірити відгуки про мобільні казино – найпростіший крок. Окрім того, що це один із найважливіших кроків, це також передбачає читання оглядів інших геймерів. Відгуки важливі в будь-якій ситуації, оскільки багато клієнтів діляться своїми знаннями про казино. Однак просто читання відгуків не допоможе вам вирішити, чи це казино є кращим вибором для гри. Тому вам слід дотримуватися всіх інструкцій, викладених у цьому посібнику, щоб дізнатися більше про це мобільне казино.

Рейтинги дають багато інформації про казино https://catalog.sumy.ua/, але це не означає, що їм завжди можна довіряти. Можливо, позитивний відгук про казино був оплачений мінімальними скаргами. Тому необхідне ретельне дослідження, а читання рецензій має бути частиною цього дослідження.

Skip to content