NASA realiza exercícios “apocalípticos” em caso de um possível impacto de asteroides contra a Terra

A NASA realiza ‘exercícios de mesa’ na nova edição da Conferência de Defesa Planetária realizada de 29 de abril a 3 de maio em Maryland (EUA) – a fim de se preparar para um possível impacto de asteroides ou cometas contra a Terra.

Pela primeira vez, a Agência Espacial Europeia (ESA) irá cobrir um grande exercício internacional de impacto de asteroides ao vivo, por meio das redes sociais (principalmente com a conta @esaoperations, no Twitter).

A cobertura destacará as ações que podem ser tomadas por cientistas, agências espaciais e organizações de proteção civil.

A agência espacial norte-americana disse que o treinamento gere um impacto cenário fictício de Near Earth Objects (NEO, por sua sigla em Inglês), desenvolvido pelo Centro do Estudo da NEO Jet Propulsion Laboratory (JPL, na sigla em inglês) da NASA.

Os especialistas trabalham com a hipótese de um asteroide descoberto em 26 de março, descrito como potencialmente perigoso.


O asteroide do fim dos tempos: Apophis! Impactará nosso planeta daqui a dez anos
Astrônomos descobrem megaestrutura drenando energia de uma estrela
Astrônomos encontraram uma estranha estrela de nêutrons que não deveria existir

Em um Tweet postada na segunda-feira, a agência observa que, após a realização de exercícios de incêndio, terremotos e furacões, é hora de saber o que a ver com a queda hipotética de um asteroide no nosso planeta.

pDC tem 1% de chance de atingir a Terra em 2027.

Após vários meses de monitoramento, simulação estipula que o asteroide 2019 batizado como

pDC”,

que tem 1% de chance de atingir a Terra em 2027.

O cenário fictício que ocorrerá nos próximos cinco dias começa com a descoberta de que um objeto próximo da Terra (chamado em inglês de NEO, near-Earth object).

De acordo com a recreação, o PDC 2019 está localizado em 57 milhões de quilômetros, mas se aproxima de quase 50.000 quilômetros por hora, à medida que se torna cada vez mais brilhante.

Neste cenário hipotético, a Nasa e outras agências espaciais ao redor do mundo terão que rastrear e reunir informações sobre o objeto – se o impacto é inevitável ou onde ele irá cair, por exemplo.

A simulação não é roteirizada, os participantes não sabem como a situação irá evoluir de um dia para o outro, e eles precisarão orientar seus planos com base nas atualizações diárias que receberem.


De onde vem os asteroides que podem ameaçar a Terra
A verdade escondida sobre asteroides que ameaçam a terra
Astrônomos detectaram lasers misteriosos direcionados para a Terra vindos de uma nebulosa

O objetivo é simular como essas organizações trabalhariam em conjunto para o bem comum.

Departamento de Defesa Planetária da NASA

Os participantes desempenhando papéis como

governo nacional’, ‘agência espacial’, ‘astrônomo’ e ‘escritório de proteção civil”

discutirão o reconhecimento e possíveis missões para resolver o problema, bem como formas de mitigar os efeitos do impacto se não for possível evitar a colisão.

Sob essas condições, especialistas avaliam possíveis preparações para missões para mitigar o perigo.

Outros cenários foram analisados pelos especialistas das agências espaciais que participam na conferência é a eventual ameaça de um cometa, detectado em 4 de abril, também como um esquema de ficção que poderia impactar a Terra em 28 de fevereiro, 2021.

Missão Hera pretende defender o planeta contra colisão de asteroides

Estes tipos de exercícios, que fazem parte de um plano desenvolvido ao longo de dois anos publicado pela Casa Branca em 2018, é frequentemente usado para planejar o gerenciamento de desastres e ajudar a informar as partes envolvidas sobre aspectos importantes a fim de levá-los a realizar uma resposta bem sucedida.

Esta é a sétima vez que a NASA participa de uma dessas simulações.

O principal objetivo dos cientistas é analisar como os observadores do NEO, bem como a NASA, os serviços de emergência e os cidadãos, podem responder a uma previsão de impacto real e às informações correspondentes em desenvolvimento.


Asteroide reforça a tese de que há um planeta oculto no sistema solar
Satélites da NASA detectam anomalia de 250 km na Antártida
Algo grande está chegando? O orçamento da Defesa Planetária da NASA subitamente aumenta

Eles também tentam determinar os detalhes mais precisos possíveis sobre a posição, o movimento orbital e as características do NEO em questão no caso de uma ameaça desse tipo ser descoberta.

Nosso clima político atual consiste em um orçamento que é esticado ao máximo. Este fato sobre o orçamento atual faz com que este aumento significativo para o PDCO seja um fato estranho. O PDCO tem apenas dois anos e supervisiona a busca de objetos próximos à Terra, como asteroides, que podem causar danos ao planeta. O PDCO é importante porque o impacto de um asteroide pode causar danos significativos à Terra e seus habitantes. Nos últimos anos, a NASA declarou consistentemente que não há nenhuma ameaça séria. Este aumento significativo no orçamento põe em causa este pressuposto.

Lindley Johnson, do Departamento de Defesa Planetária da NASA, disse que esses exercícios são realmente úteis para entender o que especialistas em gerenciamento de desastres precisam saber.

Esses exercícios nos ajudarão a desenvolver comunicações mais eficazes entre nós e nossos governos”,

Lindley Johnson acrescentou.

Além da NASA e do Escritório de Coordenação de Defesa Planetária, representantes dos Departamentos de Estado e Defesa dos EUA também participarão da conferência e a Rede Internacional de Alerta de Asteroides, entre outras agências, bem como a Agência Federal de Gerenciamento de Emergências dos EUA (FEMA, por sua sigla em inglês).

Comente