A expedição segue viagem até a Antártica, até a Terra Ellsworth.

A Misteriosa Expedição De Jacques Yves Cousteau À Antártica

Existem muitos rumores e contos sobre a Antártica, nascidos do fato de que este continente ainda não foi suficientemente explorado.
Jacques - Yves Cousteau.
Jacques – Yves Cousteau.

Jacques-Yves Cousteau também visitou esta parte ‘fora da tela’ de nosso planeta com uma expedição não muito simples e usual.

O que aconteceu com eles lá, a gente ainda não sabe até o fim, a informação é sigilosa. Mesmo assim, algo vazou e deu origem a muitos rumores.

Alguém pensa que Cousteau encontrou alienígenas, alguém afirma que ele encontrou a cidade secreta dos nazistas.

Ainda, outros acham que a expedição acabou em alguma estrutura antiga, na qual uma armadilha foi acionada, por isso as vítimas apareceram e a expedição teve que retornar.

Mas existe outra, uma quarta versão plausível.

Jacques-Yves nasceu em uma família de advogados que trabalhava para bilionários americanos que patrocinavam projetos em universidades e no mundo científico.

Em conexão com o trabalho, sua família mudou-se para a América e Jacques aprendeu inglês muito rapidamente.

Desde pequeno ficou fascinado pelo mar e aos 20 anos ingressou na Academia Naval. Logo, ele fez uma viagem ao redor do mundo. Ele também visitou Xangai, viajou para a URSS e trabalhou como instrutor no cruzador Suffren.

Depois, houve a Segunda Guerra Mundial. Jacques-Yves serve na marinha no sul da França.

Seu primeiro filme, ’18 Meters Deep ‘, foi lançado em 1942, em plena guerra…

Seguiu com os filmes “Wreckage” (1943) e “Quiet Landscapes” (1944).

Tendo começado a fazer filmes sobre o mar, Cousteau torna-se famoso em todo o mundo. Ele tem permissão para explora quase qualquer lugar do mundo.

Seu navio “Calypso” caminha pelos mares e oceanos, e seu capitão se torna um homem famoso e rico. Ele deixa a Marinha em 1956 e se dedica apenas a atividades científicas.

Corre o boato de que, além de sua atividade científica principal, Cousteau às vezes cumpria encomendas, até a busca de petróleo árabe.

Tudo começou no outono de 1972 em uma expedição à Antártica

A expedição ocorreu em 1972 à Antártica e se tornou a mais misteriosa de todas as que já existiram.

Seu objetivo era estudar a vida do mundo animal da Antártica. Mas enquanto a tripulação atravessava o Atlântico em direção ao objetivo pretendido, Cousteau, por algum motivo, voou para Nova York e trabalhou com os arquivos por um longo tempo.

Ele também se reuniu com políticos nos Estados Unidos e assinou um acordo de cooperação com a NASA.

Jacques - Yves Cousteau no navio Calypso.
Jacques – Yves Cousteau no navio Calypso.

A agência americana presenteou Jacques com um helicóptero e prometeu fazer a varredura de satélites as partes da Antártica e do fundo do mar que ele apontasse.

A estranheza também estava no fato de que o mundo animal da Antártica foi mais bem estudado do lado leste – há colônias de pinguins e rotas de migração de baleias.

Mas o pesquisador escolhe a parte ocidental do continente.

Antes de chegar ao destino, a embarcação ancorou por um mês no Golfo de San Matias, na Argentina.

Um fato interessante é que nesta baía os submarinos nazistas naufragados estão localizados!

Em dezembro de 1972, a expedição segue viagem até a Antártica, até a Terra Ellsworth, que praticamente não possui fauna. Lá está a Fossa de Bentley, que é considerada uma das valas mais profundas do mundo, escondida por uma espessa camada de gelo.

Um dos mergulhadores do Calypso, Jean Andre, compartilhou com seu amigo Hans von Krantz que a tripulação teve a impressão de que Jacques-Yves estava procurando por algo ali.

No quinto dia da presença do Calypso na costa de Terra Ellsworth, os radares do navio detectaram um grande objeto em uma profundidade rasa.



Links:

Um misterioso livro descreve a autodestruição da civilização: E tudo está acontecendo como foi escrito!

Arqueólogos descobrem uma “parede” de 12 km com pinturas de 12.500 anos atrás na floresta amazônica

Foi descobertas montanhas que se parecem com ‘xales incas’ no Peru



Foi preciso examiná-lo, e então a decisão foi tomada:

Mergulhar!

A expedição segue viagem até a Antártica, até a Terra Ellsworth.
A expedição segue viagem até a Antártica, até a Terra Ellsworth.

No fundo do mar, havia um navio absolutamente intacto, mas por algum motivo submerso com um convés plano e quadrangular.

Era, sem dúvida, um porta-aviões, pintado de branco para que ninguém o pudesse ver. Também não havia marcações.

Assim que Cousteau foi informado sobre a descoberta, ele imediatamente relatou a alguém.

No dia seguinte, a equipe tentou entrar no navio, mas nada funcionou. O fato é que um dos mergulhadores se prendeu na parte metálica do navio, danificando sua roupa de neoprene e cortando gravemente a mão.

Eles tiveram que abandonar esta aventura e emergir. Cousteau considerou isso um mau sinal e decidiu não arriscar a saúde de seu povo.

Muito provavelmente, sua tarefa não era examinar o interior do navio. Ele apenas encontra-lo e indicar as coordenadas às autoridades americanas.

Jean Andre afirmou ainda que a tripulação denunciou às autoridades francesas o porta-aviões encontrado, mas não houve informações sobre navios naufragados na área.

Jacques Yves Cousteau usando o radio.
Jacques Yves Cousteau usando o radio.

Terminada a expedição, tudo o que foi filmado neste local por Cousteau em relação ao porta-aviões, foi apreendido pelos serviços especiais.

Alguns anos depois, outra expedição foi enviada ao mesmo lugar, mas não encontraram nada. O navio, sumiu como se nunca não estivesse ali.

Mas nem todas as informações foram ocultadas. Assim, muitos ficaram sabendo da missão secreta da expedição Cousteau.

Não está claro para onde esse navio foi.

Em 1938-1939, os nazistas se aproximaram da costa da Antártica. Era o navio alemão “Swabia” com dois aviões a bordo.

Este é um facto conhecido, mas dizem que houve um segundo grupo de navios. Este grupo incluía o quebra-gelo Quebec, comprado do Canadá em 1937.

E também – o veleiro “Albert Leo Schlageter” e o enorme porta-aviões “Manfred von Richthofen” que secretamente deixou a Alemanha, que antes se chamava “Graf Zeppelin”. Podia transportar até 50 aeronaves!

Graf Zeppelin (porta-aviões)
Graf Zeppelin (porta-aviões). O navio recebeu esse nome em homenagem ao conde Ferdinand von Zeppelin, pai dos enormes dirigíveis alemães.

Um fato interessante é que os pilotos da “Suábia”(clique aqui para saber mais) estavam engajados na fotografia aérea da Terra de Ellsworth, que por algum motivo interessou primeiro aos nazistas e depois a Cousteau.

“Swabia” não retornou após a expedição até 1944 e este período é de cerca de 6 anos. Durante este período, ninguém ouviu nada sobre o capitão deste navio – Alfred Richar.

Em 1944, foi relatado que o Swabia foi afundado pelos britânicos, mas para onde o navio foi transportado antes dessa época, talvez na Antártica?

E o que os nazistas estavam procurando lá?

Existem duas versões, eles construíram sua base ou eles estavam procurando por algo muito valioso, no qual a Alemanha poderia colocar muito dinheiro.

O que poderia ser?

Talvez as tecnologias de civilizações antigas, afinal, não foi à toa que vieram para o Tibete?

É possível que algumas tecnologias ajudaram os alemães a saltar dos anos 40 para os 60.

A construção de foguetes começou com eles, mas os EUA coletaram tudo o que a Alemanha tinha após a derrota, embalaram e levaram para a América.

Jacques Yves Cousteau
Jacques Yves Cousteau

As autoridades certamente sabem de onde veio a tecnologia da Alemanha e quem foi seu autor. Além disso, eles podem saber o que estava a bordo do porta-aviões Von Richthofen.

Parece que Cousteau simplesmente executou a parte de reconhecimento da operação, que mais tarde foi assumida por outros serviços.

Naturalmente, o navio foi retirado do mar como ninguém mais o viu.

Então, o famoso explorador do Calipso continuou a fazer muitos filmes novos para nós, incluindo outros sobre a Antártica.

Deixe sua opinião nos Comentários…
Compartilhe com seus amigos…
A Chave dos Mistérios Ocultos
Mistérios

Deixe um Comentário

%d blogueiros gostam disto: