A história secreta do tatuador de Auschwitz

Em 1942, um homem chamado Lale Sokolov chegou a Auschwitz-Birkenau.
Ele recebeu a tarefa de tatuar os prisioneiros que os nazistas haviam marcado para sobreviver.
A história secreta do tatuador de Auschwitz
A história secreta do tatuador de Auschwitz

Seu trabalho era simples, mas inesquecível: arranhar inúmeros nos braços de suas vítimas com tinta indelével para criar o que mais tarde seria reconhecido como um dos símbolos mais potentes e aterrorizantes do Holocausto.

Como o Tetovier (tatuador), isso significava que ele estava

um passo mais longe da morte do que os outros prisioneiros”.

Lale recebeu uma série de benefícios, como um quarto individual, rações extras e tempo livre quando seu trabalho foi concluído.

Para os sobreviventes, os números que usavam impressos em sua pele eram uma lembrança indelével dos horrores que tinham vivido nos campos de concentração nazistas.

Veja também: A loja mais remota do mundo a 300 pés de altura  –  As surpreendentes igrejas construídas em uma só pedra

Mas para um homem chamado Lale Sokolov, apelidado de “tatuador de Auschwitz”, uma marca mudou sua vida para sempre.

Esperando na fila para ser tatuada, assustada, com medo, tremendo, era uma jovem garota: Gita.

Para Lale, foi amor à primeira vista.

É uma história de amor e esperança no meio do terror
É uma história de amor e esperança no meio do terror

Logo, ele estava determinado não apenas a sobreviver, mas para garantir que a garota por quem ele se apaixonara instantaneamente, Gita, também o fizesse.

É assim que começa uma das histórias mais afirmativas, corajosas, inesquecíveis e humanas do Holocausto:
A história de amor do tatuador de Auschwitz, escrita por Heather Morris, que trabalhou por três anos com o protagonista para reconstruir seu passado.

A incrível história de sobrevivência e romance nascida no meio do horror do Holocausto foi revelada no livro

O tatuador de Auschwitz”.

É uma história de amor e esperança no meio do terror.

Lale Sokolov tatuou o braço de Gita Fuhrmannova em 1942 enquanto tatuava um grupo exclusivamente feminino de recém-chegados.

Eu tatuado um número no braço dela. Ela tatuou seu nome no meu coração”.

Pouco depois de ter tatuado o número 34902 em seu corpo, e graças à ajuda de um guarda, Lale e Gita começaram a trocar cartas.

Ele usava sua posição relativamente privilegiada para mantê-la viva, enviando-lhe comida e mensagens extras através do guarda, e fazendo com que ela se mudasse para uma estação de trabalho melhor.

Lale Sokolov, o tatuador de Auschwitz
Lale Sokolov, o tatuador de Auschwitz

Lale, um diminutivo de Ludwig – seu nome verdadeiro – chegou a Auschwitz aos 26 anos.

Ele nasceu na Eslováquia e era de uma família judia. No campo, ele aprendeu o ofício de um francês chamado Pepan, e graças ao seu conhecimento de diferentes línguas, ele foi escolhido pelos nazistas como o sucessor do antigo tatuador.

Entre 1941 e 1943, ele marcou todos os prisioneiros que foram selecionados para a sobrevivência, e graças a essa nova posição, ele conseguiu escapar da morte.

Em 1945, Gita conseguiu deixar o campo antes da chegada dos russos. Pouco depois, Sokolov fez o mesmo. Naquele mesmo ano, eles se reuniram e acabaram se casando.

Depois de um tempo, se estabeleceram na Austrália, onde tiveram um filho em 1961.

Durante anos, Sokolov manteve o segredo de seu passado por medo de ser visto como colaborador dos nazistas. Foi só depois da morte de sua esposa que ele foi incentivado a contar toda a sua história.

O livro foi descrito como extraordinário – em movimento, confrontando e edificante.

Lale Sokolov morreu em 2006.

A documentação encontrada corrobora que Lale Sokolov trabalhou para o braço político da SS
A documentação encontrada corrobora que Lale Sokolov trabalhou para o braço político da SS
Em um documento, o nome e o número de Lale foram descobertos em uma lista com outros prisioneiros.

Outras: O Túmulo de Jesus esta no Japão?  –  Mistério! Smartphone aparece em pintura antiga  –  A Maldição do Quadro do Menino Chorando

No topo do documento é lido Politische Abt – Aufnhmershreiber, Pramienauszahlung vom 26/07/44, que se traduz como ‘ingestão escritor braço político.

O documento não especifica obras específicas, mas se considera a prova suficiente de que ele trabalhava para o braço político.

Comente