A Misteriosa e Documentada Reencarnação das Gêmeas Pollock

A reencarnação é definida como o processo pelo qual, na morte, a alma se separa do corpo para, depois de algum tempo, toma outro corpo e renasce.

A reencarnação é definida como o processo pelo qual, na morte, a alma se separa do corpo para, depois de algum tempo, toma outro corpo e renasce.

A principal premissa desse fenômeno é que a alma ou o espírito deve “viajar” por diferentes corpos, com o objetivo de aprender em diferentes vidas as lições fornecidas pela existência terrena, até atingir a perfeição máxima, uma forma de libertação ou união com um estado mais elevado de consciência.

Quando a alma alcança essa perfeição, não precisa mais reencarnar, mergulhando para sempre no infinito da eternidade.

O médico, professor universitário canadense e psiquiatra Ian Stevenson, investigou por mais de 40 anos cerca de três mil casos de crianças que tinham lembranças de vidas passadas.

Em seu livro:

Casos sobre reencarnação na Europa”,

ele escreveu um dos casos mais intrigantes sobre o fenômeno da reencarnação:

O caso dos gêmeos Pollock

A reencarnação é definida como o processo pelo qual, a alma se separa do corpo

Segundo Stevenson em seu livro, no domingo, 5 de maio de 1957, na cidade de Whitley-Bay, Reino Unido, às margens do Mar do Norte, teve um casamento ao meio-dia na igreja da vila, onde John e Florence Pollock eram convidados.

Eles foram acompanhados por suas duas filhas pequenas, Joanna e Jacqueline Pollock, de 11 e 6 anos. No entanto, antes de chegar à igreja, a tragédia eclodiu.

As meninas, ficando à frente dos pais para garantir um lugar na igreja, dobrando a esquina e atravessando a rua de forma imprudente, se viram diante de um veículo que as atropelou, matando-as instantaneamente.

Um ano após o acidente fatal, os Pollock eram mais uma vez pais.



Sinais de que sua alma já reencarnou várias vezes

Experiências reencarnatórias: Memórias antes da concepção

Uma mulher vê a reencarnação de seu avô falecido no ultra-som de seu bebê

Estudo revela: Depois da morte, você tem a consciência de estar morto!



Nesta ocasião, dois gêmeos, Gillian e Jennifer, que nasceram em 4 de outubro de 1958, com 10 minutos de intervalo.

No entanto, depois que as meninas completaram três anos e começaram a modular suas primeiras palavras, seus pais perceberam que algo estranho estava acontecendo:

Os gêmeos conseguiram se lembrar de eventos passados ​​na vida de suas duas irmãs que morreram em 1957.

De fato, Gillian e Jennifer pareciam conhecer perfeitamente todos os cantos da casa e os mesmos habitantes da cidade. Seus hábitos e costumes eram idênticos aos de suas irmãs e até falavam da mesma maneira.

Embora fossem gêmeos, uma parecia maior e protegia a outra, que aceitava o papel de irmã menor. Enquanto Gillian lembrava a vida de sua irmã Joanna, que morreu aos onze anos, Jennifer lembrava Jacqueline, de seis anos.

Gillian e Jennifer
Gillian e Jennifer

Em uma ocasião, as meninas encontraram em um quarto; os bonecos com os quais suas irmãs falecidas brincavam e não apenas sabiam a quem cada um pertencia, mas também sabiam os mesmos nomes que lhes haviam dado.

Para tornar a situação ainda mais incrível, as meninas também tinham marcas corporais que correspondiam às de suas duas irmãs mortas.

Jennifer tinha pequenas marcas no nariz, coincidentemente no mesmo lugar em que a falecida Jacqueline havia sofrido três pontos, depois de bater no rosto aos três anos de idade.

Enquanto isso, Gillian tinha uma marca em forma de toupeira no lado esquerdo da cintura, a mesma marca que sua falecida irmã Joanna.

Em uma ocasião, seus pais, surpresos com todos esses fatos, as ouviram falar sobre o acidente fatal que levou a vida de Joanna e Jacqueline naquele infeliz dia 5 de maio de 1957, descrevendo sensações como a memória do sangue jorrando do nariz e boca.

Eu não quero que isso aconteça comigo novamente. Era horrível, minhas mãos estavam cheias de sangue, assim como meu nariz e minha boca. Eu não conseguia respirar”,

disse Jennifer, à qual sua irmã Gillian respondeu:

Não me lembre, você parecia um monstro e algo vermelho saiu da sua cabeça.”

As meninas, além disso, demonstraram ter uma fobia absoluta nos veículos. Quando viram uma passagem na rua, abraçaram os pais instintivamente em busca de proteção.

No entanto, depois que as meninas completaram cinco anos, na mesma idade em que os cientistas concordam em apontar como um dos limiares para recordar vidas passadas, Jennifer e Gillian Pollock deixaram de expressa esses comportamentos estranhos e começaram a viver uma infância completamente normal.

E você amigo leitor, tem alguma ideia formada sobre esse assunto?

A Chave dos Mistérios Ocultos

Você já tem a chave, mas terás a coragem de abrir?

Deixe um Comentário