Codex Maya é declarado autêntico e o mais antigo livro pré-hispânico

Cinquenta e quatro anos depois de ter sido vendido por saqueadores, o Codex Maia do México, um antigo texto pictográfico maia foi declarado autêntico.

O Instituto Nacional de Antropologia e História (INAH, México) através de uma conferência de imprensa confirmou que o texto do foi feito entre 1021 e 1154 dC e é o mais antigo documento pré-hispânico conhecido.

As 10 páginas sobreviventes deste “livro” dobrável serão agora conhecidas como o Codex Maia do México (anteriormente conhecido como o Codex Grolier).

Presume-se que possa ter originalmente 20 páginas, mas algumas foram perdidas após séculos em uma caverna no estado de Chiapas, no sul do país.

Contém uma série de observações
Contém uma série de observações

Contém uma série de observações e previsões relacionadas com o movimento astral de Vênus, com suas quatro fases estrela da manhã, conjunção superior, estrela da noite e conjunção inferior, bem como as previsões desses aparecimentos e desaparecimentos do planeta, a Maya que associado com a morte, doença, guerra e fome, embora estas previsões se reflitam de forma alegórica, através de imagens iconográficas silenciosas.

Um colecionador mexicano comprou em 1964, e foi exibido pela primeira vez no Grolier Club, em Nova York, em 1971. Mais tarde, o coletor de Josue Saenz voltou o livro para as autoridades mexicanas em 1974.

O fato de ele ter sido vítima de saqueadores e ter um design mais simples do que outros textos semelhantes, levou alguns a duvidar de sua autenticidade.

O estilo deles difere de outros Codexs maias que são conhecidos e comprovados como autênticos”,

disse o INAH em um comunicado.

Veja também: A história oculta do Codex Gigas, o misterioso livro “escrito pelo diabo”

Os animais tem alma? E que acontece quando eles morrem? – A maldição de konzo

Teoria quântica revela que a vida continua após a morte

Como três outros “livros” maias que sobreviveram a uma tentativa dos conquistadores espanhóis de destruir os artefatos maias no século XVI.

Testes químicos

Cinquenta e quatro anos depois de ter sido vendido por saqueadores, o Codex Maia do México, um antigo texto pictográfico maia foi declarado autêntico. O Instituto Nacional de Antropologia e História (INAH, México) através de uma conferência de imprensa confirmou que o texto do foi feito entre 1021 e 1154 dC e é o mais antigo documento pré-hispânico conhecido. As 10 páginas sobreviventes deste "livro" dobrável serão agora conhecidas como o Codex Maia do México (anteriormente conhecido como o Codex Grolier). Presume-se que possa ter originalmente 20 páginas, mas algumas foram perdidas após séculos em uma caverna no estado de Chiapas, no sul do país.

O antropólogo Diego Prieto Hernández, diretor-geral do INAH, disse que, como o livro foi escrito tão cedo, em uma era de relativa de pobreza em comparação com os outros trabalhos.

Ele acrescentou que uma série de testes químicos comprovou a autenticidade das páginas e tintas pré-hispânicas usadas para escrevê-lo.

Técnicas Hiperespectrais fotografia, um microscópio de electrões, química orgânica, química inorgânica, análise de radio carbono e materiais entomologia forenses utilizados, entre outros, para determinar se uma verdadeira Codex pré-hispânico.

Outras: Leões matam e comem um caçador deixando apenas sua cabeça

Um robô projetado para coletar matéria orgânica pode ser uma ameaça?

Pesquisadores dinamarqueses dizem ter provas de que o 11 de setembro é o maior golpe da humanidade

Diferentemente de outros estudos técnicos realizados há uma década, as análises mais recentes foram feitas com maiores avanços tecnológicos.

Você pode ver a conferência de imprensa dada pelo INAH no seguinte vídeo:

Comente